PREVENÇÃO DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO: UMA PROPOSTA NA CABEÇA, UMA CAMPANHA EM AÇÃO

Márcia Larangeira Jácome

Resumo


Desde o início dos anos 80, quando o movimento feminista começa a se organizar no país, ações de comunicação têm sido largamente utilizadas com o objetivo de ampliar o raio de alcance dos conhecimentos, idéias e debates produzidos do âmbito do movimento. Nos anos 90, amplia-se a necessidade de diversificar e qualificar essas ações dentro de uma conjuntura em que a comunicação se torna um cenário importante da ação política. Experiência bem sucedida, a Campanha de Prevenção do Câncer do Colo de Útero, desenvolvida pelo SOS CORPO em Pernambuco é o objeto deste texto. Nele, a autora aborda o processo de criação da campanha, localizando-a no cenário político local, enfocando os processos de criação e desenvolvimento de cada uma das estratégias e seus impactos sobre as políticas locais de combate à doença.

Palavras-chave


Comunicação, campanha, políticas de saúde, câncer, saúde reprodutiva, media advocacy

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/%25x

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.