Feminismos transnacionais descoloniais: algumas questões em torno da colonialidade nos feminismos

Caroline Betemps

Resumo


Os feminismos latino-americanos encarnaram, desde meados dos anos 90, uma discussão sobre suas possibilidades de ação que questionava o fato de que muitos projetos feministas feitos por feministas ocidentais fossem levados a cabo na região com uma noção subjacente de ‘cidadania universal’ para as ‘mulheres do terceiro mundo’. Apesar do predomínio deste feminismo hegemônico, outras reflexões e alinhamentos divergentes surgiram nos últimos anos, transformando-se estes numa produção crescente de conhecimento teórico local, bem como de contranarrativas, produzidas por grupos feministas anti- ou descoloniais, de luta antirracista e anticapitalistas. A virada à direita que a América Latina, a Europa e os EUA experimentam com o crescente predomínio de governos conservadores e seus imaginários políticos reacionários exige estratégias feministas transnacionais. A questão que me traz aqui é como estabelecer um debate equitativo entre os diferentes feminismos norte-sul, seus diálogos e fricções, sem reproduzir a violência colonial. Um diálogo que compartilhe heranças de lutas sociais, uma tradução geopolítica entendida como uma prática que não caia na repetição da colonialidade.


Palavras-chave


Feminismos transnacionais; Opção descolonial; Feminismos antirracistas

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n158972

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.