Quem está no comando? Mulher de bandido e os paradoxos da submissão

Sabrina Daiana Cúnico, Marlene Neves Strey, Angelo Brandelli Costa

Resumo


Este estudo teve por objetivo discutir qual o modelo de família que é produzido nos discursos
e práticas de mulheres que têm relações afetivas ou sexuais com homens que estão em situação de prisão, a partir de uma análise do feminismo interseccional e do estudo do biopoder. Por meio de observações participantes com mulheres que visitam seus familiares, foi possível identificar que o modelo de família produzido ainda é sustentado pelo modelo hegemônico tradicional, que entende a família nuclear como a representação do sucesso e solidez familiar. Tal ideal de família opera através da reprodução de certas normas e papéis sociais assumidas pelas mulheres, tendo – paradoxalmente – um certo caráter empoderador.


Palavras-chave


Família; Mulher; Prisão; Biopoder; Interseccionalidade

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n254483

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.