Una aguja, una lámpara, un telar

Renata Rendelucci Allucci

Resumo


O artigo busca compreender alguns aspectos comuns da América Latina, partindo da
premissa de que as ditaduras criam identificações entre seus países. A despeito das consequências e dificuldades desse sistema de governo, algumas mulheres latino-americanas encontraram, na prática coletiva do bordado, alternativas para enfrentar e resistir ao poder estabelecido. Em seus trabalhos, elas trazem à luz a história não oficial, denunciando a violação de direitos humanos, expressando seus sentimentos e compartilhando suas experiências. Como exemplos dessas ações, apresentam-se casos de grupos de mulheres da Argentina, Colômbia e Chile, as quais, na tentativa de superar aquilo que as vitimou, transformaram a arte em instrumento de utilização política.


Palavras-chave


América Latina; Mulheres; Território

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSÍN, Marjorie. “Agujas que hablan: las arpilleristas chilenas”. Revista Iberoamericana, Pittsburgh, University of Pittsburgh Press, v. LI, n. 132-133, p. 523-529, julio-diciembre. 1985. Disponível em https://revistaiberoamericana.pitt.edu/ojs/index.php/Iberoamericana/article/view/4066/4234. Acesso em 31/05/2017.

BACIC, Roberta. Arpilleras da resistência política chilena. Brasília: Biblioteca Nacional, 2012. Disponível em http://cain.ulster.ac.uk/conflicttextiles/mediafiles/178_2011-07-30_Sao-Paulo_catalogue.pdf. Acesso em 30/05/2017.

BLANCA, Rosa. “El Bordado en lo Cotidiano y en el Arte Contemporáneo: ¿Práctica Emergente o Tradicional?” Revista Feminismos, Salvador, Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher – NEIM da Universidade Federal da Bahia, v. 2, n. 3 p. 19-30, set/dez. 2014. Disponível em http://www.feminismos.neim.ufba.br/index.php/revista/article/download/93/123. Acesso em 30/05/2017.

BOMBAL, Inés González. “De Vítimas a Sujeitos: as Mães da Plaza de Mayo”. Revista de Ciência Humanas, Florianópolis, Centro de Filosofia e Ciências Humanas da UFSC, v. 8. n. 11, p. 49-70, maio. 1992. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/revistacfh/article/viewFile/23524/21182. Acesso em 28/05/2017.

BUENOS AIRES CIUDAD. Plaza de Mayo [online]. Sitio oficial de turismo de la Ciudad de Buenos Aires. Buenos Aires, Argentina. Disponível em https://turismo.buenosaires.gob.ar/es/otrosestablecimientos/plaza-de-mayo. Acesso em 28/05/2017.

CACHOPO, João Pedro et al.. Estética e política entre as artes. Lisboa: Edições 70, 2017.

CARVALHO, Marcelo. “Estética, política e cotidiano: Entrevista com Jeanne Marie Gagnebin”. In: CARVALHO, Marcelo, CORNELLI, Gabriele (orgs.). Filosofia: estética e política. Vol. 3. Cuiabá: Central de Texto, 2013. p. 109-128.

CASTRILLÓN, Gloria. “Las tejedoras de Mampuján: la fuerza feminina del perdón”. Revista Cromos [online]. Colômbia. 19 de novembro de 2015. Disponível em http://cromos.elespectador.com/hoyhistorias-cronicas/las-tejedoras-de-mampujan-la-fuerza-femenina-del-perdon-16675. Acesso em 29/05/2017.

CENTRO DE MEMORIA HISTÓRICA. Informe: Justicia y Paz ¿Verdad Judicial o Verdad Histórica? Colombia: Taurus Pensamiento, 2012.

CONFLICT ARCHIVE ON THE INTERNET – CAIN. Conflict Textiles. Disponível em http://cain.ulster.ac.uk/conflicttextiles/. Acesso em 21/07/2017.

CRUZ, Víctor Manuel Moncayo. Enciclopédia Latinoamericana [online] Verbete. Disponível em http://latinoamericana.wiki.br/verbetes/c/colombia-organizacoes-paramilitares-da. Acesso em 20/09/2017.

FLACSO – Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales. Acción de las Primeras Damas. Santiago, Chile, s/d. Disponível em http://www.eurosur.org/FLACSO/mujeres/chile/orga-6.htm. Acesso em 27/05/2017.

GMH - GRUPO DE MEMORIA HISTÓRICA. Informe General: ¡Basta ya! Colombia: Memorias de Guerra y Dignidad. Bogotá: Imprenta Nacional, 2013.

PÉREZ HERNÁNDEZ, Alba; VIÑOLO BERENGUEL, María. “Las arpilleras, una alternativa textil femenina de participación y resistencia social”. In: GIL, Carmen Gregório; BLANCO, Patricia. ¿Por qué tienen que decir que somos diferentes? Las mujeres inmigrantes, sujeitos de accíon política. S/local, Otras, 2010. p. 41-54.

INSTITUTO NACIONAL DE DERECHOS HUMANOS. Informe Anual: Situación de los Derechos Humanos en Chile 2017. Santiago de Chile, dezembro de 2017.

LAMAS, José Manuel Ressano Garcia. Morfologia Urbana e Desenho da Cidade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004.

LECHNER, Norbert; LEVY, Susana. “Notas sobre la vida cotidiana III: el disciplinamiento de la mujer”. Programa Flacso-Santiago de Chile. Santiago de Chile. FLACSO, Número 57, p. 1-101. Julio 1984. Disponível em http://www.memoriachilena.cl/602/w3-article-61041.html. Acesso em 30/05/2017.

LOPONTE, Luciana Gruppelli. Docência artística: arte, estética e subjetividades femininas. 2005. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Faculdade de Educação da UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil.

MEDEIROS, Rosa Maria Vieira. “Território, espaço de identidade”. In: SAQUET, Marcos Aurelio; SPOSITO, Eliseu Savério (Orgs.). Territórios e Territorialidades: teorias, processos e conflitos. 2. ed. Rio de Janeiro: Consequência Editora, 2015. p. 215-225.

MUNICIPALIDAD DE SANTIAGO. Tradición de arpilleras en Chile. 7 de noviembre de 2012. Disponível em http://www.santiagocultura.cl/2012/11/07/tradicion-de-arpilleras-en-chile/. Acesso em 29/05/2017.

PARRA, Laura Alejandra. Entre puntadas, palabras y duelos, las ‘Tejedoras de sueños’ en Mampuján aportan a la construcción de paz. 2014. Monografia (Especialização em Trabalho Social) – Facultad de Ciencias Humanas da Universidad Nacional de Colombia, Bogotá, Colômbia.

PAULA, Adriana das Graças de. “Os Movimentos de Mulheres na Ditadura: uma análise sobre as Mães da Praça de Maio (Argentina) e o Movimento Feminino pela Anistia (Brasil)”. In: II SIMPÓSIO INTERNACIONAL PENSAR E REPENSAR A AMÉRICA LATINA, 2º., 2016, São Paulo, PROLAM, USP. Anais do II Simpósio Internacional Pensar e Repensar a América Latina. São Paulo: USP, 2016. p. 1-11. Disponível em http://sites.usp.br/prolam/wpcontent/uploads/sites/35/2016/12/PAULA_II-Simp%C3%B3sio-Internacional-Pensar-e-Repensar-a-Am%C3%A9rica-Latina.pdf. Acesso em 29/05/2017.

PEREIRA, Teresa Isabel Matos. “Suturar e Bordar: o têxtil como metáfora de identidade, memória e violência na obra de Claúdia Contreras”. Revista CROMA, Estudos Artísticos, Lisboa, Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa e Centro de Investigação e Estudos em Belas-Artes (FBAUL/CIEBA), v. 4, n. 8, p. 43-55, julho–dezembro. 2016. Disponível em http://croma.fba.ul.pt. Acesso em 27/05/2017.

POLLAK, Michael. “Memória e identidade social”. Trad. Monique Augras. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais (PPHPBC) do CPDOC/FGV,v. 5, n. 10, p. 200-212, jul/dez. 1992. Disponível em http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/1941/1080. Acesso em 28/04/2017.

PONCE, Annabella. El tejido como relato social. 2013. (Doutorado em Desenho) – Centro de Estudios en Diseño y Comunicación. Facultad de Diseño y Comunicación da Universidad de Palermo, Ciudad de Buenos Aires, Argentina. Disponível em http://fido.palermo.edu/servicios_dyc/tesis_maestria/detalle_proyecto.php?id_proyecto=2460. Acesso em 27/05/2017.

PONZIO, Maria Fernanda Garbero de Aragão. “A praça da memória: o cenário das Madres de Plaza de Mayo”. Palimpsesto. Rio de Janeiro, Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ, v. 6, ano 6, p. 1-7, jan/dez. 2007. Disponível em http://www.pgletras.uerj.br/palimpsesto/num6/estudos/estudos6_Maria%20Fernanda%20Garbero.htm. Acesso em 28/05/2017.

RAFFESTIN, Claude. “A produção das estruturas territoriais e sua representação’. In: SAQUET, Marcos Aurelio; SPOSITO, Eliseu Savério (Orgs.). Territórios e Territorialidades: teorias, processos e conflitos. 2.ed. Rio de Janeiro: Consequência Editora, 2015. p. 12-32.

ROJAS BERRÍO, María Juliana. “Mampuján en el acto de partir: el duelo como levantamiento y la comunidad en transición”. Revista de Estudios Sociales, Bogotá, Facultad de Ciencias Sociales, Universidad de los Andes (Colombia), n. 51, p. 50-61, janeiro/março. 2015. Disponível em http://www.scielo.org.co/pdf/res/n51/n51a05.pdf. Acesso em 28/05/2017.

SOUSA, Maisa Ferreira de. O bordado como linguagem na arte/educação. 2012. (Graduação em Artes Plásticas) – Departamento de Artes Visuais do Instituto de Artes da UnB. Brasília, DF, Brasil. Disponível em http://bdm.unb.br/bitstream/10483/4494/1/2012_MaisaFerreiradeSousa.pdf. Acesso em 25/05/2017.

SOUZA, Marcelo Lopes de. “’Território’ da divergência (e da confusão)”. In: SAQUET, Marcos Aurelio; SPOSITO, Eliseu Savério (Orgs.). Territórios e Territorialidades: teorias, processos e conflitos. 2. ed. Rio de Janeiro: Consequência Editora, 2015. p. 53-68.

STASI, Bernard. “La llamada de ‘Las Locas de Mayo’ a la consciência europea”. In: Dossier Político. Ciudad de Mexico, México, Edicos – Equipo de Documentación e Investigación em Comunicación Social. Ano 1, n. 2, p. 3, 1ª. quincena – junio. 1980. Disponível em http://www.ruinasdigitales.com/revistas/ddhh/1980%20-%20Locas%20de%20Plaza%20de%20Mayo.pdf. Acesso em 30/05/2017.

UNESCO. Industrias criativas: Artesanía y Diseño [online]. Disponível em http://www.unesco.org/new/es/santiago/culture/creative-industries/crafts-design/. Acesso em 28/11/2017.

URBINA JOIRO, Hernán. Juana Alicia Ruiz y las Tejedoras de Sueños de Mampuján. Disponível em https://hernan-urbina-joiro.com/juana-alicia-ruiz-y-las-tejedoras-de-suenos-de-mampujam/. Acesso em 21/07 2017.

VOGT, Ana. Quilts of hope. The City Paper. 24 de fevereiro de 2015 [online]. Disponível em https://thecitypaperbogota.com/features/quilts-of-hope76778/8413. Acesso em 28/11/2017.




DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n354376

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.