O que sabemos sobre intervenções com autores de violência doméstica e familiar?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n356070

Palavras-chave:

Violência de gênero, Violência doméstica e familiar, Lei Maria da Penha, Autores de violência, Políticas públicas

Resumo

Internacionalmente, tem crescido o entendimento de que, para prevenir as violências de
gênero, é necessário trabalhar e envolver os homens. Após a promulgação da Lei 11.340/06, que trouxe previsão legal para as intervenções com autores de violência doméstica e familiar no Brasil, o debate acadêmico tem avançado significativamente. Contudo, o tema carece de revisão crítica com vistas a articular os estudos nacionais. Diante desse quadro, o objetivo deste artigo é analisar a produção acadêmica nacional sobre o tema a partir da literatura especializada e relatórios nacionais. A sistematização da produção acadêmica nacional sugere a possibilidade de transformações nas relações, entretanto, traz à tona fragilidades na estruturação das políticas de enfrentamento à violência como um todo.

Biografia do Autor

Raíssa Jeanine Nothaft, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina. Mestre em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Pesquisadora associada ao Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre a Mulher e Gênero (NIEM/UFRGS) e ao NUSSERGE/UFSC. Editora Assistente da Área de Concentração: Estudos de Gênero da Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis, Florianópolis, SC, Brasil

Adriano Beiras, Professor do Programa de Pós-graduação e do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Professor do Programa de Pós-graduação e do  Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Doutor Europeu em Psicologia Social (UAB - España), Becas MAEC-AECID. Estágios de Pós-doutorado (UFSC bolsa PDJ - CNPq, Universidad de Granada -UGr-España, University of Brighton-UK). Pesquisador nos grupos de pesquisa Margens-UFSC, NPPJ-UFMG (Brasil) e  VIPAT-UAB (Espanha).

Referências

ACOSTA, Fernando; ANDRADE FILHO, Leandro; BRONZ, Alan. Conversas homem a homem: grupo reflexivo de gênero. Rio de Janeiro: Instituto Noos, 2004.

ACOSTA, Fernando; BRONZ, Alan. “Desafios para o trabalho com homens em situação de violência com suas parceiras íntimas”. In: BLAY, Eva Alterman (Org.). Feminismos e masculinidades. Novos caminhos para enfrentar a violência contra a mulher. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014. p.140-148.

AGUIAR, Luiz Henrique Machado de. Follow-up de uma intervenção com homens autores de violência conjugal. 2009. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

AMADO, Roberto Marinho. “O que fazer com os homens autores de violência contra as mulheres? Uma análise dos serviços destinados aos homens processados pela Lei Maria da Penha”. In: BEIRAS, Adriano; NASCIMENTO, Marcos (Orgs.). Homens e violência contra mulheres. Pesquisas e intervenções no contexto brasileiro. Rio de Janeiro: Instituto Noos, 2017. p. 213-235.

ANDRADE, Leandro Feitosa. “Grupos de homens e homens em grupos: novas dimensões e condições para as masculinidades”. In: BLAY, Eva Alterman (Org.). Feminismos e masculinidades. Novos caminhos para enfrentar a violência contra a mulher. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014. p. 174-209.

ANTEZANA, Álvaro Ponce. “Intervenção com homens que praticam violência contra seus cônjuges: reformulações teórico-conceituais para uma proposta de intervenção construtivista-narrativista com perspectiva de gênero”. Revista Nova Perspectiva Sistêmica, n. 42, p. 9-25, 2012.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 1977.

BEIRAS, Adriano. “Grupos de homens autores de violência – possibilidades de intervenções diante das recomendações propostas na lei Maria da Penha”. In: ROVINSKI, Sonia Liane Reichert; CRUZ, Roberto Moraes (Orgs.). Psicologia jurídica: perspectivas teóricas e processos de intervenção. São Paulo: Vetor, 2009. p. 129-144.

BEIRAS, Adriano. Relatório Mapeamento de Serviços de atenção grupal a homens autores de violência contra mulheres no contexto brasileiro. Rio de Janeiro: Instituto Noos e Instituto Promundo, 2014.

BEIRAS, Adriano; BRONZ, Alan. Metodologia de grupos reflexivos de gênero. Rio de Janeiro: Instituto Noos, 2016.

BERNARDES, João Paulo; MAYORGA, Claudia. “Um Estudo Sobre Intervenções Junto a Homens Autores de Violência Doméstica Contra Mulheres”. Rev. psicol., Santiago, v. 26, n. 1, p. 133-147, jun. 2017.

BILLAND, Jan Stanislas Joaquim. Como dialogar com homens autores de violência contra mulheres? Etnografia de um grupo reflexivo. 2016. 199f. Tese (Doutorado em Medicina Preventiva) – Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

BOIRA SARTO, Santiago. Hombres maltratadores: historias de violencia masculina. Zaragoza: Prensas Universitarias de Zaragoza, 2010.

BRASIL. Lei n. 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do §8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Brasília, DF.

BRASIL. Ministério da Justiça. Departamento Penitenciário Nacional. Estabelece procedimentos, critérios e prioridades para a concessão de financiamento de projetos referentes à aplicação e execução das Alternativas Penais, com recursos do Fundo Penitenciário Nacional no exercício de 2011 e dá outras providências. Portaria n.º 216, de 27 de maio de 2011. Publicada no DOU n.º 107, segunda-feira, 6 de junho de 2011, Seção 1, p. 17.

BRASIL. Ministério da Justiça. Departamento Penitenciário Nacional. Manual de Gestão para alternativas penais: medidas protetivas de urgência e demais serviços de responsabilização para homens autores de violências contra as mulheres. Brasília, 2016.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Proposta para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores. Brasília, 2008.

CAMPOS, Carmen Hein de. “The Joint Parliamentary Committee of Enquiry and the Implementation of the Maria da Penha Law”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 519-531, ago. 2015.

CEPIA – CIDADANIA, ESTUDO, PESQUISA, INFORMAÇÃO E AÇÃO. Relatório de Pesquisa Violência contra as mulheres: os serviços de responsabilização dos homens autores de violência. Rio de Janeiro, 2016.

DEBERT, Guita Grin; GREGORI, Maria Filomena. “Violência e gênero: novas propostas, velhos dilemas”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 23, n. 66, 2008.

FLOOD, Michael. “Involving Men in Efforts to End Violence Against Women”. Men and Masculinities, v. 14, n. 3, p. 358-377, 2011. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/1097184X10363995.

GELDSCHLÄGER, Heinrich; GINÉS, Oriol; PONCE, Álvaro. “Grupo psicoterapéutico con hombres que ejercen violencia de género”. In: CORTÉS, Neus Roca; SERRA, Júlia Masip (Eds.). Intervención grupal en violencia sexista. Barcelona: Herder Editorial, 2011. p. 344-368.

GONÇALVES, João Paulo Bernardes. As intervenções com homens autores de violência doméstica contra as mulheres ante suas bases teórico-metodológicas e perspectivas políticas: As experiências no estado de Minas Gerais. 2015. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

GROSSI, Miriam Pillar; MINELLA, Luzinete Simões; LOSSO, Juliana Cavilha Mendes. Gênero e Violência: pesquisas acadêmicas brasileiras (1975-2005). Florianópolis: Editora Mulheres, 2006.

LEANDRO, Edélvio Leonardo. De agressor a dependente: a produção de sentidos sobre violência de gênero em Centros de Atenção Psicossocial – álcool e outras drogas. 2009. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PB, Brasil.

LIMA, Daniel Costa; BÜCHELE, Fátima. “Revisão crítica sobre o atendimento a homens autores de violência doméstica e familiar contra as mulheres”. Physis [on-line], v. 21, n. 2, p. 721-743, 2011.

LIMA, Daniel Costa. Homens autores de violência doméstica e familiar contra a mulher: desafios e possibilidades. 2008. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

MACIEL, Welliton Caixeta. Os “Maria da Penha”: uma etnografia de mecanismos de vigilância e subversão de masculinidades violentas em Belo Horizonte. 2014. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

MARQUES, Cristiane Gomes. Homens “autores de violência conjugal”: modernidade e tradição na experiência de um grupo de reflexão. 2007. Dissertação (Mestrado em Sociologia e Antropologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

MARTÍNEZ-MORENO, Marco Julián. “O duplo registro do ‘gênero’ dos facilitadores de grupos reflexivos para homens autores de violência”. In: BEIRAS, Adriano; NASCIMENTO, Marcos (Orgs.). Homens e violência contra mulheres. Pesquisas e intervenções no contexto brasileiro. Rio de Janeiro: Instituto Noos, 2017. p. 169-192.

MISTURA, Tales Furtado. Vivência de homens autores de violência contra a mulher em grupo reflexivo: memórias e significados presentes. 2015. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

MISTURA, Tales Furtado; ANDRADE, Leandro Feitosa. “Mensagem aos outros homens: a contribuição de ex-participantes do grupo reflexivo de homens”. In: BEIRAS, Adriano; NASCIMENTO, Marcos (Orgs.). Homens e violência contra mulheres. Pesquisas e intervenções no contexto brasileiro. Rio de Janeiro: Instituto Noos, 2017. p. 236-267.

MONTEIRO, Anita Cunha. Autores de violência doméstica e familiar: um estudo sobre um grupo de reflexão no Paranoá/DF. 2014. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

MUSZKAT, Susana. Violência e masculinidade: uma contribuição psicanalítica aos estudos das relações de gênero. 2006. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

NOTHAFT, Raíssa Jeanine. A autonomia da mulher na Lei Maria da Penha: uma análise da ação declaratória de inconstitucionalidade 4424 do Supremo Tribunal Federal. 2012. 76f. Monografia (Graduação em Ciências Jurídicas e Sociais) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

OLIVEIRA, Anderson Eduardo Carvalho de. Atendimento a homens autores de violência contra a mulher: lacunas, desafios e perspectivas. 2012. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

OLIVEIRA, Isabela Venturoza de. ‘Homem é homem’: narrativas sobre gênero e violência em um grupo reflexivo com homens denunciados por crimes da Lei Maria da Penha. 2016. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

PASINATO, Wânia. “Oito anos de Lei Maria da Penha: Entre avanços, obstáculos e desafios”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.23, n. 2, p. 533-545, 2015.

PAZO, Concepcion Gandara. Novos frascos, velhas fragrâncias: a institucionalização da Lei Maria da Penha em uma cidade fluminense. 2013. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

PRATES, Paula Licursi. A pena que vale a pena: alcances e limites de grupos reflexivos para homens autores de violência contra a mulher. 2013. Tese (Doutorado em Ciências) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Gênero, Patriarcado e Violência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004.

SANTOS, Cecília MacDowell; PASINATO, Wânia. “Violência contra as Mulheres e Violência de Gênero: Notas sobre Estudos Feministas no Brasil”. Revista Estudios Interdisciplinarios de America Latina y El Caribe, Israel, v. 16, n. 1, 2005.

SANTOS, Milena do Carmo Cunha dos. Eu ser um homem feminino não fere meu lado masculino: percepções e socializações nos grupos reflexivos de gênero para homens. 2012. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

SILVA, Anne Caroline Luz Grüdtner da. Violência por parceiro íntimo: o acompanhamento ao homem autor de violência. 2016. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

SOARES, Barbara Musumeci. “Apresentação”. In: ACOSTA, Fernando; ANDRADE FILHO, Leandro; BRONZ, Alan. Conversas homem a homem: grupo reflexivo de gênero. Rio de Janeiro: Instituto Noos, 2004. p. 7-11.

SOARES, Barbara Musumeci. “A conflitualidade conjugal e o paradigma da violência contra a mulher”. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 5, n. 2, p. 191-210, abr./maio/jun.2012.

SOARES, Cecília Teixeira; GONÇALVES, Hebe Signorini. “O macho, o covarde e o criminoso: alguns comentários sobre o processo de criminalização da violência contra a mulher no Brasil”. In: BEIRAS, Adriano; NASCIMENTO, Marcos (Orgs.). Homens e violência contra mulheres. Pesquisas e intervenções no contexto brasileiro. Rio de Janeiro: Instituto Noos, 2017. p. 112-136.

TONELI, Maria Juracy Filgueiras. Violência Sexual e Saúde Mental: análise dos programas de atendimento a homens autores de violência sexual. Relatório Final de Pesquisa. Florianópolis: Núcleo de Pesquisa Margens: Modos de Vida, Família e Relações de Gênero, 2007.

TONELI, Maria Juracy Filgueiras; LAGO, Mara; BEIRAS, Adriano; CLÍMACO, Daniel. Atendimento a homens autores de violência contra as mulheres: experiências latino-americanas. Florianópolis: UFSC/CFH/NUPPE, 2010.

TONELI, Maria Juracy Filgueiras; BEIRAS, Adriano; RIED, Juliana. “Homens autores de violência contra mulheres: políticas públicas, desafios e intervenções possíveis na América Latina e Portugal”. Revista de Ciências HUMANAS, Florianópolis, v. 51, n. 1, p. 174-193, jan.-jun. 2017.

WINCK, Gustavo Espíndola. Percepções sobre violência e relações de gênero em homens acusados de agressão. 2007. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social e da Personalidade) – Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Publicado

2019-12-20

Edição

Seção

Artigos