Dos Museus dos Descobrimentos às Exposições do Império: o corpo colonial em Portugal

Mariana Selister Gomes

Resumo


O artigo se insere nos debates sobre a memória do colonialismo português, analisando-a a
partir da Interseccionalidade entre Gênero, Raça e Sexualidade. São investigadas as narrativas em torno do Corpo Colonial dos Museus dos Descobrimentos Portugueses, a fim de perceber em que (des)(re)constroem discursos das Exposições do Império Português. A metodologia segue uma inspiração na analítica foucaultiana dos discursos: a arque-genealogia. Como técnicas de pesquisa, são utilizadas: observação direta e entrevistas, no caso dos Museus; e a análise documental histórica em fontes secundárias, no caso das Exposições. As conclusões apontam que há uma tentativa de deslocamento discursivo por parte dos Museus, os quais buscam dissociar Descobrimentos e Colonização. No entanto, há elementos discursivos que se repetem, como a nudez e o exotismo, reconstruindo a Colonialidade dos Corpos de origem não europeia.


Palavras-chave


Corpo colonial; Museus; Portugal; Discursos

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Miguel Vale de. Um mar da cor da terra: raça, cultura e política de identidade. Oeiras: Celta, 2000.

BALIBAR, Etienne; WALLERSTEIN, Immanuel. Raza, Nación y Clase. Madrid: Iepala, 1988.

BARATA, André. “A descolonização de um museu”. Jornal Económico, Lisboa, 26/04/2018. Disponível em http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/a-descolonizacao-de-um-museu-298499. Acesso em 26/06/2018.

BEAUVOIR, Simone. O Segundo Sexo – volume único. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009 [1948].

BORELLI, Bruna. “Portugal ainda ensina o mito do bom colonizador”. Jornal A Gazeta do Povo, São Paulo, 19 a 25 de maio de 2018. Disponível em https://www.gazetadopovo.com.br/educacao/

portugal-ainda-ensina-o-mito-do-bom-colonizador-84fksmzr8jbxu3pksxqd9kwc7/. Acesso em 26/06/2018.

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Lisboa: Bertrand, 2006.

BRAH, Avtar. “Diferença, diversidade, diferenciação”. Cadernos Pagu, n. 26, p. 329-376, 2006.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: Feminismo e Subversão da Identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

CALDWELL, Kia. “Fronteiras da diferença: raça e mulheres no Brasil”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. 91-108, 2000.

CASTELO, Cláudia. O Modo português de estar no mundo: o luso-tropicalismo e a ideologia colonial portuguesa (1933-1961). Porto: Afrontamento, 1998.

CHADE, Jamil. “ONU critica Portugal por ensino inexato do passado”. Estadão, São Paulo, 16/09/2012. Disponível em http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,onu-critica-portugal-por-ensinoinexato-do-passado-,931220,0.htm. Acesso em 28/06/2018.

CHAGAS, Mário. “Memória política e política de memória”. In: CHAGAS, Mário; ABREU, Regina (Orgs.). Memória e Patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. p. 141-171.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. São Paulo: EDUNESP, 2001.

CRENSHAW, Kimberlé. “Documento para o Encontro de Especialistas em Aspectos da Discriminação Racial Relativos ao Gênero”. Revista Estudos Feministas, v. 10, n. 1, p. 171-189, 2002.

CONNELL, Raewyn. “Masculinities and Globalization”. Men and Masculinities, v. 1, n. 1, p. 3-23, 1998.

CUNHA, Olívia. “Reflexões sobre Biopoder e Pós-colonialismo: Relendo Fanon e Foucault”. Mana, v.8, n. 1, p. 149-163, 2002.

DAVIS, Angela. Women, Race and Class. London: Great Britain, 1982.

DELEUZE, Gilles. Foucault. Lisboa: Vega, 1998.

DEUVREUX, Anne-Marie. “Pierre Bourdieu e as relações entre os sexos: uma lucidez obstruída”. In: DEVREUX, Anne-Marie et al (Orgs.). O Gênero nas Ciências Sociais. São Paulo/Brasília: EDUNESP/

EDUnB, 2014.

DIAS, Reinaldo. Turismo e patrimônio cultural: recursos que acompanham o crescimento das cidades. São Paulo: Saraiva, 2006.

FANON, Franz. Peles negras, máscaras brancas. Rio de Janeiro: Factor, 1983.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. São Paulo: Graal, 1986.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade. v. 1 – A Vontade de Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1993.

FOUCAULT, Michel. Genealogía del Racismo. Buenos Aires: Altamira, 1996.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso. São Paulo: Loyola, 2008.

GONÇALVES, Margareth. “Artifício e excesso: narrativa de viagem e a visão sobre as mulheres em Portugal e Brasil”. Revista Estudos Feministas, v. 13, n. 3, p. 613-628, 2005.

GONZALEZ, Lélia. “Por um feminismo afro-latino-americano”. Revista Isis Internacional, v. IX, p. 133- 141, 1988.

GOMES, Camilla. “Gênero como categoria de análise decolonial”. Civitas, Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 65-82, jan./abr. 2018.

GOMES, Mariana. “O imaginário social em Portugal: uma análise da construção de saberes, das relações de poder e dos modos de subjetivação”. Dados – Revista de Ciências Sociais, v. 56, p. 867-900, 2013.

GOMES, Mariana. “Narrativas Patrimoniais e Turísticas em Salvador: (des)(re)construções do mito da democracia racial brasileira”. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 38, 2014, Caxambu, ANPOCS. Anais... Caxambu: ANPOCS, 2014.

GOMES, Mariana; SILVA, Vagner; ALVES, Micheline; SOUSA, Lisandra; SANTOS, Bárbara. “O Turismo de Base Comunitária e o Enfrentamento ao Racismo e ao Sexismo: uma experiência no Quilombo Mocambo/SE”. I SIMPOLITUR, 1, 2016, Aracaju, Instituto Federal de Sergipe. Anais... Aracaju: IFS, 2016.

GOMES, Mariana; PADILLA, Beatriz; FERNANDES, Gleiciane. “Ser brasileña en Portugal: inmigración, género y colonialidad”. In: MAGLIANO, Maria José; BARRAL, Ana (Org.). Las mujeres latinoamericanas y sus migraciones. Villa María: Eduvim, 2017.

GREGÓRIO-GIL, Carmen. “Mujeres inmigrantes: Colonizando sus cuerpos mediante fronteras procreativas, étnico-culturales, sexuales y reproductivas”. Viento Sur, n. 104, p. 42-54, 2009.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio. Racismo e anti-racismo no Brasil. São Paulo: Editora 34, 2005.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

HIPÓLITO, Jéssica. “Subalternidade, Raça e Identidade: processos de construção identitária Negra em Museus Cariocas”. CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA, 18, 2017, Brasília, Universidade de

Brasília. Anais... Brasília: SBS, 2017.

hooks, bell et al. Otras Inapropriables: Feminismos desde las Fronteras. Madrid: Traficantes de Sueños, 2004.

HUYSSEN, Andreas. Seduzidos pela Memória: arquitetura, monumentos, mídia. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000.

LEE, Alison; PETERSEN, Alan. “Análise do Discurso”. In: SOMEKH, Bridget; LEWIN, Cathy (Orgs.). Teoria e Métodos de Pesquisa Social. Petrópolis: Vozes, 2015.

LÓPEZ, Laura. “O Corpo Colonial e as Políticas e Poéticas da Diáspora para compreender as mobilizações Afro-Latino-Americanas”. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 21, n. 43, p. 301-330, jan./jun. 2015.

LUGONES, Maria. “Colonialidad y Género”. Tabula Rasa, n. 9, p. 73-101, 2008.

MARTINS, Leonor. Império de Papel: Imagens do Colonialismo Português na Imprensa Periódica Ilustrada (1875-1940). Lisboa: Edições 70, 2012.

MASON, Timothy. Gestão Museológica: Desafios e Práticas. São Paulo: EdUSP; British Council, Vitae, 2004.

McCLINTOCK, Anne. Couro Imperial: Raça, Gênero e Sexualidade no Embate Colonial. Campinas: EDUnicamp, 2010.

MIGNOLO, Walter; GROSFOGUEL, Ramón. “Intervenciones Descoloniales: una breve introducción”. Tabula Rasa, n. 9, p. 29-37, 2008.

MONTESANTI, Beatriz. “Instalação no MASP conta história de sufragistas que atacavam obras de arte”. Folha de São Paulo, São Paulo, 17/11/2015. Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/

ilustrada/2015/11/1707532-instalacao-no-masp-traz-a-historia-das-sufragistas-que-atacavamobras-de-arte.shtml. Acesso em 28/06/2018.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a Mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis: Vozes, 1999.

NASCIMENTO, Elisa. O sortilégio da cor: identidade, raça e gênero no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2003.

NASCIMENTO, Rosana. O “Brasil Colonial” e a Exposição do Mundo Português de 1940. 2008. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

NEAD, Lynda. The Female Nude: Art, Obscenity and Sexuality. Londres: Routledge, 1992.

OTO, Alejandro de. “Apuntes sobre historia y cuerpos coloniales: algunas razones para seguir leyendo a Fanon”. Worlds & Knowledges Otherwise, Durham, v. 1, n. 3, 2006.

OTO, Alejandro de. “Lugares fanonianos de la política: de la lengua al cuerpo y del cuerpo a la cultura nacional”. In: OLIVA, Elena et al. Frantz Fanon desde América Latina. Buenos Aires: Corregidor, 2013.

PEDRO, Joana. “Michelle Perrot: a grande mestra da História das Mulheres”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 11, n. 2, p. 509-512, jul./dez. 2003.

POLLAK, Michael. “Memória, esquecimento, silêncio”. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, CPDOC/FGV, v. 2, n. 3, 1989.

QUIJANO, Aníbal. “Colonialidad del Poder, Eurocentrismo y América Latina”. In: LANDER, Edgardo (Org.). A Colonialidade do Saber: Eurocentrismo e Ciências Sociais. Perspectivas Latino-americanas.

Buenos Aires: Colección Sur-Sur/CLACSO, 2005.

RECHENA, Aida. Sociomuseologia e Género: imagens da mulher em exposições de museus portugueses. 2011. Tese (Doutorado em Museologia) – Programa de Doutoramento em Museologia, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, Portugal.

RUIVO, Ana Lúcia. Corpo e Cultura: O Indígena Brasileiro nos Relatos Portugueses da segunda metade do Século XVI. 2010. Dissertação (Mestrado em Ensino do Português como Língua Segunda e Estrangeira) – Universidade Nova de Lisboa, Portugal.

SALEMA, Isabel. “É preciso descolonizar os descobrimentos”. Público, Lisboa, 18/05/2018. Disponível em https://www.publico.pt/2018/05/18/culturaipsilon/entrevista/e-preciso-descolonizar-osdescobrimentos-1830262. Acesso em 26/06/2018.

SANCHES, Manuela. “A bem da Europa e das suas Nações. Em jeito de posfácio”. In: MARTINS, Leonor. Um império de papel: imagens do colonialismo português na imprensa periódica ilustrada (1875-1940). Lisboa: Edições 70, 2012.

SANTOS, Beatriz. “Os números da violência contra as mulheres no Brasil”. Exame, São Paulo, 08/03/2017. Disponível em https://exame.abril.com.br/brasil/os-numeros-da-violencia-contra-mulheresno-brasil/. Acesso em 26/06/2018.

SCOTT, Joan. “Gender: A Useful Category of Historical Analysis”. The American Historical Review, v. 91, n. 5, p. 1053-1075, 1986.

SKIDMORE, Thomas. Preto no branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

STOLKE, Verena. “O enigma das intersecções: classe, raça, sexo, sexualidade. A formação dos impérios transatlânticos do século XVI ao XIX”. Revista Estudos Feministas, v. 14, n. 1, p. 15-42, 2006.

VASCONCELLOS, Camilo. Turismo e Museus. São Paulo: Aleph, 2006.




DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n357903

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.