Violência contra mulheres nos livros didáticos de História (PNLD 2018)

Susane Rodrigues de Oliveira

Resumo


No artigo são analisadas as representações de violência contra mulheres em cinco livros
didáticos de História, aprovados no PNLD de 2018 para o Ensino Médio. Trata-se de uma abordagem discursivadas representações, atenta à historicidade de suas elaborações, discursos, valores, sentidos e modos de funcionamento no conhecimento histórico a ser ensinado e aprendido nas escolas. A ordem discursiva e epistêmica em que se inscrevem tais representações promove modos de subjetivação e maneiras ver, pensar, sentir e tratar essa violência no tempo presente. Baseando-se em estudos feministas interseccionais, propõe leituras e abordagens possíveis das narrativas didáticas em sala de aula, tendo em vista um ensino de História para o combate à violência contra mulheres.


Palavras-chave


Violência; Mulheres, Interseccionalidades; Livros didáticos; Ensino de história

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Educação. Edital de convocação para o processo de inscrição e avaliação de obras didáticas para o Programa Nacional do Livro Didático – PNLD 2018. Brasília: MEC/SEC/SECADI; FNDE, 2015.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino Médio (PCN+ Ensino Médio). Brasília: MEC, 2002.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CAIMI, Flávia Eloisa; STAMATTO, Maria Inês Sucupira. “O Livro Didático de História do Ensino Médio: critérios de avaliação e documentos curriculares”. Revista Educação em Questão, Rio Grande do Norte, v. 54, n. 41, mai/ago. 2016.

CAMPOS, Flávio de; PINTO, Júlio Pimentel; CLARO, Regina. Oficina de História. 2ª ed., São Paulo: Leya, 2016.

CHOPPIN, Alain. “História dos livros e das edições didáticas: sobre estado da arte”. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, p. 549-566, set./dez. 2004.

COELHO, Mauro César. “A história, o índio e o livro didático: apontamento para uma reflexão sobre o saber histórico escolar”. In: ROCHA, Helenice Aparecida Bastos; REZNIK, Luís; MAGALHÃES, Marcelo de Souza. A História na Escola: autores, livros e leituras. Rio de Janeiro: FGV, 2009. p. 263-280.

COLLINS, Patricia Hill. “Em direção a uma nova visão: raça, classe e gênero como categorias de análise e conexão”. In: MORENO, Renta (org.). Reflexões e práticas de transformação feminista. São Paulo: SOF, 2015, p. 13-42.

COSTA, Fernando Sánchez. “La cultura histórica. Una aproximación diferente a la memoria colectiva”. Pasado y Memoria: Revista de Historia Contemporánea, Alicante, n. 8, p. 267-286, 2009.

COTRIM, Gilberto. História global. 3ª ed., São Paulo: Saraiva Educação, 2016.

DAVIS, Angela. Mulher, raça e classe. Tradução Livre. Lisboa: Plataforma Gueto, 2013.

FOUCAULT, Michel. “O retorno da moral. Barbedette, Gilles e Scala, André”. Entrevista de Michel Foucault. Les Nouvelles, em 29/5/1984. In: ESCOBAR, Carlos Henrique (org.). Michel Foucault (1926-1984). O Dossier: últimas entrevistas. Rio de Janeiro, Livraria Taurus Editora, 1984. p. 128-138.

GRANGEIRO, Cândido. Cenas da história. 1ª ed., Palavras Projetos Editoriais, 2016.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Rio de Janeiro: PUC-Rio; Apicuri, 2016.

HOOKS, Bell. Não sou eu uma mulher. Mulheres negras e feminismo. 1ª ed. 1981. Lisboa: Tradução livre para a Plataforma Gueto, 2014.

LAURETIS, Teresa de. “A tecnologia de gênero”. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 206-242.

LOURO, Guacira Lopes. “Pedagogias da sexualiade”. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado. Pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 07-34.

LUGONES, Maria. “Rumo a um feminismo descolonial”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 935-952, set. 2014.

MONTEIRO, Ana Maria. “Professores e livros didáticos: narrativas e leituras no ensino de história”. In: ROCHA, Helenice Aparecida Bastos; REZNIK, Luís; MAGALHÃES, Marcelo de Souza. A História na Escola: autores, livros e leituras. Rio de Janeiro: FGV, 2009. p. 177-2009.

MUNAKATA, Kazumi. “Devem os livros didáticos de história ser condenados?” In: ROCHA, Helenice; MAGALHÃES, Marcelo; GONTIJO, Rebeca (orgs.). A escrita da história escolar: memória e historiografia. Rio de Janeiro: FGV, 2009. p. 281-292.

OLIVEIRA, Susane Rodrigues de. “Ensino de história das mulheres: reivindicações, currículos e potencialidades”. In: STEVENS, Cristina; OLIVEIRA, Susane Rodrigues de; ZANELLO, Valeska. Estudos Feministas e de Gênero: Articulações e Perspectivas. Santa Catarina: Editora Mulheres, 2014. p. 276-291.

OLIVEIRA, Susane Rodrigues de. “O dispositivo amoroso e o assujeitamento das mulheres nas histórias que os livros didáticos ensinam”. In: STEVENS, Cristina; OLIVEIRA, Susane de; ZANELLO, Valeska; SILVA, Edlene; PORTELA, Cristiane (orgs.). Mulheres e violências: interseccionalidades. Brasília: Technopolitik, 2017a. p. 205-225.

PINTO, Ana Flávia Magalhães. Escritos de liberdade: literatos negros, racismo e cidadania no Brasil oitocentista. Campinas: EDUnicamp, 2018.

SANTOS, Georgina Silva dos; FERREIRA, Jorge; VAINFAS, Ronaldo; FARIA, Sheila de Castro. História. 3.ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2016.

SEGATO, Rita Laura. La guerra contra las mujeres. Madri: Traficante de Sueños, 2016.

SILVA, Cristiani Bereta. “Gênero e sexualidade nos livros didáticos de História: algumas questões sobre produções de subjetividades”. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero, 7, 2006, Florianópolis, UFSC. Anais eletrônicos, Florianópolis: UFSC, p. 1-8, 2006.

SMITH, Andréa. “A Violência Sexual como uma Ferramenta de Genocídio”. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 8, n. 1, p. 195-230, 2014.

VICENTINO, Bruno; VICENTINO, Cláudio. Olhares da História: Brasil e Mundo. 1ª ed. São Paulo: Editora Scipione, 2016.

VIGOYA, Mara Viveros. “La interseccionalidad: una aproximación situada a la dominación”. Debate Feminista, Ciudad de México, v. 52, p. 1-17, out. 2016.




DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n358426

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.