Experiências que tangenciam o (in)visível e a mobilidade: etnografias em diálogo

Denise Dias Barros, Esmeralda Celeste Mariano

Resumo


O processo de entrecruzamento de perspectivas e análises de duas pesquisadoras é o foco
da discussão deste texto. Nele são discutidas as inquietações e questionamentos diante de solicitações experimentadas durante o trabalho etnográfico caracterizado pela longa duração tanto entre os Dogon (no Mali) como entre os Tsonga (no sul de Moçambique). Nas experiências aqui retrabalhadas são indicadas nuances de apreensão de experiências ligadas à loucura, à incapacidade reprodutiva, à migração e a um conjunto de dinâmicas de saberes endógenos em situações de crise e sofrimento individual e social. Na análise, as autoras atentam para o movimento do imaginário e da criatividade, assumindo, de modo complementar, uma releitura reflexiva como maneira de cumprir travessias epistemológicas para o entendimento de questões densas de sentido e de ambiguidades que emergiram
em estudos de campo. Tornou-se relevante para ambas as pesquisadoras o recurso a estratégias sensíveis para acesso ao mundo imaginal – desenho, fotografia e construção fílmica –, inscrevendo produções expressivas na interpretação antropológica como possibilidades interculturais no contexto do trabalho etnográfico. As referências culturais e epistêmicas geram percepções contrastantes, por vezes ininteligíveis, demandando recurso a linguagens não lineares no que concerne a noções ligadas aos domínios do não visível e a formas de elaboração da mobilidade em meio às sombras lançadas nas construções intersubjetivas.


Palavras-chave


Etnografia; Loucura; Práticas terapêuticas; Mobilidade humana; Tsonga/Moçambique; Dogon/Mali

Texto completo:

PDF

Referências


ABU-LUGHOD, Lila. Veiled Sentiments: Honor and Poetry in a Bedouin Society. Berkeley: University of California Press, 1986.

ADICHIE, Chimamanda. “O perigo de uma única história”. TED, 07/10/2009. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=D9Ihs241zeg.

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009.

AUGÉ, Marc. Les guerres des rêves. Exercices d’ethno-fiction. Paris: Seuil, 1997.

BARROS, Denise Dias. Itinerários da loucura em territórios Dogon. Rio de Janeiro: EDFIOCRUZ, 2004. (Coleção Loucura & Civilização) Disponível em http://books.scielo.org/id/97dxr/pdf/barros-9788575413326.pdf.

BARROS, Denise Dias. “Liens ville-village et changements sociaux face à la migration saisonnière. Le mouvement de personnes entre Songho (Région Dogon) et Bamako, Mali”. Anthopos, n. 105, p. 471-488, 2010.

BARROS, Denise Dias; ABDALLA, Mustafa. “The Resonance of Travel in a Dogon Village. Pilgrimage Experience, Mobility and Social Change in Songho, Mali”. In: ABDALLA, Mustafa; BARROS, Denise Dias; BERTHET, Marina (Orgs.). Spaces in Movement. New Perspectives on Migration in African Settings. 1. ed. Köln: Rüdiger Köppe Verlag, 2014. p. 57-78.

BARROS, Denise Dias; BAHI, Aghi; MORGADO, Paula. “Dogonicité et internet: une lecture critique de la substantivation des identités”. Anthropologie et Société, n. 35, p. 69-86, 2011.

BAYART, Jean-François. “Préface à la nouvelle édition: ‘Comme vous en Afrique’ ou l’hégémonie dans l’extraversion”. In: BAYART, Jean-François. L’État en Afrique. La politique du ventre. Paris: Fayard, 2006.

BATESON, Gregory. La Nouvelle Communication. Paris: Seuil, 1981.

BEWAJI, John Ayotunde Isola. Black Aesthetics: Beauty and Culture. New Jersey: Africa World Press, 2013.

BOURDIEU, Pierre; WACQUANT, Loïc. Pour une anthropologie réflexive. Paris: Seuil, 1992.

BOURRIAUD, Nicolas. Formas de vida: a arte moderna e a invenção de si. Tradução de Dorothée de Bruchard. São Paulo: Martins Fontes, 2011a. (Coleção Todas as Artes)

BOURRIAUD, Nicolas. Radicante: por uma estética da globalização. Tradução de Dorothée de Bruchard. São Paulo: Martins Fontes, 2011b. (Coleção Todas as Artes)

CANEVACCI, Massimo. Sincretika: explorações etnográficas sobre artes contemporâneas. São Paulo: Studio Nobel, 2013.

CARVALHO, Ruy Duarte de. Actas da Maianga …dizer das guerras, em Angola… Lisboa: Cotovia, 2003.

CLIFFORD, James. “Sobre a autoridade etnográfica”. In: CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: EDUFRJ, 1998. p. 17-62.

CLIFFORD, James; MARCUS, George E. (Orgs.). Writing Culture. The Poetics and Politics of Ethnography. Berkeley: University of California Press, 1986.

COMAROFF, Jean; COMAROFF, John. “Etnografia e imaginação histórica”. Tradução de Iracema Dulley e Olívia Janequine. Revista Proa, v. 1, n. 2, 2010. Disponível em http://www.ifch.unicamp.br/proa. Acesso em 13/10/2018.

CRAPANZANO, Vincent. Imaginative horizons: an essay in literary-philosophical anthropology. Chicago e Londres: University of Chicago Press, 2004.

DEVISCH, René. Weaving the Threads of Life: The Khita Gyn-Eco-Logical Healing Cult Among the Yaka. Chicago: The University of Chicago Press, 1993.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 34. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

GANDA Amaji – Rêves d´un jeune Dogon à Bamako. Direção: Gianni Puzzo, Denise Dias barros. Mali/Brasil. Anthares multimeios/Casa das Áfricas [mombo, francês], 70min, 2006. (Audiovisual vinculado a projeto de pesquisa de Denise Dias Barros).

GELL, Alfred. Art and Agency: an anthropological Theory. Oxford: Oxford University Press, 1998.

HOUSEMAN, Michael; SEVERI, Carlo. Navenou le Donner à Voir. Essai d’Interprétation de l’Action Rituelle. Paris: CNRS-Éditions de la Maison des Sciences de l’Homme, 1994.

KLEIN, Renate Duelli. “How to do What we want to Do”. In: BOWLES, Gloria; KLEIN, Renate Duelli (Orgs.). Theories of Women Studies. London: Routledge & Kegan Paul, 1983.

MAFEJE, Archie. Anthropology in post-independence Africa: end of an era and the problem of selfredefinition. Kenya: Heinrich Böll Foundation, 2001.

MAFFESOLI, Michel. Elogio da razão sensível. Tradução de Albert Christophe Migueis Stuckenbruck. Petrópolis: Vozes, 1998.

MARCUS, George. Ethnography through Thick and Thin. Princeton: Princeton University, 1998.

MARCUS, George. “O intercâmbio entre arte e antropologia: como a pesquisa de campo em artes cênicas pode informar a reinvenção da pesquisa de campo em antropologia”. Rev. Antropol., São Paulo, USP, v. 47, n. 1, p. 133-158, 2004. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ra/v47n1/a04v47n1.pdf.

MARCUS, George; FISCHER, Michael. Anthropology as a Cultural Critique: An experimental moment in the Human Sciences. Chicago & London: Chicago University Press, 1986.

MARIANO, Esmeralda. “Ser antropóloga entre local e global”. Revista de Antropologia, v. 60, n. 30, p. 65-88, 2017. (Dossiê: Olhares cruzados para a África: trânsitos e mediações)

MARIANO, Esmeralda. “The ‘Unsaying’ of Reproductive Affliction in Mozambique Witchcraft and Local Reproductive Knowledge”. The Oriental Anthropologist, v. 16, n. 2, p. 261-278, 2016.

MATEBENI, Zethu. “Perspectivas do Sul sobre relações de gênero e sexualidades: uma intervenção queer”. Revista de Antropologia, v. 60, n. 30, p. 26-44, 2017. (Dossiê: Olhares cruzados para a África: trânsitos e mediações)

MBEMBE, Achille. The “thing” and its double in Cameroonian cartoons”. In: BARBER, Karin (Org.). Readings in African Popular Culture. Oxford: James Currey, 1997. p. 151-163.

MBEMBE, Achille. Sortir de la grande nuit. Paris: La Découverte, 2010.

MORIN, Edgar. Método I: a natureza da natureza. Mira Sintra: Europa-América, 1987.

NEVES, Paulo Sérgio da Costa; MOUTINHO, Laura; SCHWARCZ, Lilia Katri Moritz. “Herança colonial confrontada: reflexões sobre África do Sul, Brasil e Estados Unidos”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 27, n. 3, e66960, 2019.

NJOKU, Francis O. C. “The Originality of African Philosophy as a Hermeneutical Problem in Okere”. In: OGUEJIOFOR, Josephat Obi; ONAH, Godfrey Godfrey Igwebuike (Eds.). African Philosophy and the Hermeneutics of Culture. Essays in Honour of Theophilus Okere. Munster: Studies in African Philosophy, 2005. p. 93-111.

NORA, Pierre. “Présentation”. In: NORA, Pierre (Org.). Les Lieux de Mémoire, v. I. Paris: Editions Gallimard, 1984.

NOOTER, Mary H. “Secrecy: African Art That Conceals and Reveals”. African Arts, v. 26, n. 1, p. 54-69, 1993.

NYAMNJOH, Francis B. “Delusions of development and the enrichment of witchcraft discourses in Cameroon”. In: MOORE, Henrietta L.; SANDERS, Todd (Orgs.). Magical interpretations, material realities: modernity, witchcraft, and the occult in postcolonial Africa. London and New York: Routledge, 2001. p. 97-117.

ROSALDO, Renato. “Grief and the headhunter’s rage”. In: BRUNER, Jerome (Org.). Text, play and story. Washington: American Ethological Society, 1984. p. 178-195.

SCHMIDT, Maria Luisa Sandoval. “Pesquisa participante: alteridade e comunidades interpretativas”. Psicol. USP, v. 17, n. 2, p. 11-41, 2006. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-65642006000200002&script=sci_abstract&tlng=pt.

THORNTON, Robert. “The transmission of knowledge in South African Traditional Healing”. Africa, v. 79, n. 1, p. 17-34, 2009. Disponível em https://www.cambridge.org/core/journals/africa/article/transmission-of-knowledge-in-south-african-traditional-healing/AB7496C545C21C7A2045083D7DFC359B.

TIRIBA, Thais Henriques; MOUTINHO, Laura. “Olhares compartilhados: (des)continuidades, interseccionalidade e desafios da relação Sul-Sul. Entrevista com Zethu Matebeni”. Revista de Antropologia, v. 60, n. 3, p. 181-185, 2017. (Dossiê Olhares cruzados para a África: trânsitos e mediações)

THIONG’O, Ngugi Wa. Decolonising the Mind: the politics of language in African literature. London: Heinemann, 1986.

WEST, Harry G. Kupilikula: o poder e o invisível em Mueda, Moçambique. Lisboa: ICS, 2009.

WEST, Harry G. “Governem-se vocês mesmos!”. Democracia e carnificina no Norte de Moçambique. Análise Social, v. XLIII (2º), p. 347-368, 2008.




DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n366982

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.