Análise das construções possíveis de maternidades nos estudos feministas e da deficiência

Júlia Campos Clímaco

Resumo


Neste ensaio teórico analiso aproximações e distanciamentos entre os estudos feministas e os da deficiência nas produções do cuidado e de maternidades, por meio da discussão da elaboração de uma norma para as experiências humanas; dos estudos da deficiência; dos estudos feministas da deficiência e da ética do cuidado; da construção de uma normativa materna e suas implicações para mulheres vivendo com deficiências. Nos estudos feministas da deficiência, mães com deficiência ou mães de crianças com deficiências apontam que a instituição da maternidade patriarcal as interpela de maneira distinta, pois não são compelidas, mas desestimuladas a se reproduzirem e cuidarem, desfavoravelmente posicionadas na hierarquia reprodutiva. A partir de suas experiências, evidenciam diversas possibilidades maternas, para além da maternidade normativa.


Palavras-chave


Deficiência; Maternidade; Feminismo; Cuidado

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


ABBERLEY, Paul. “The concept of oppression and the development of a social theory of disability”. Disability, Handicap & Society, v. 2, n. 1, p. 5-19, 1987.

ANGONESE, Mônica. “Um pai trans, uma mãe trans”: direitos, saúde reprodutiva e parentalidades para a população de travestis e transexuais. 2016. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BARROS, Alessandra. “Limites à condenação do aborto seletivo: a deficiência em contextos de países periféricos”. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Brasília, v. 13, n. 2, p. 273-286, 2003.

BARTON, Len; OLIVER, Mike (Eds.). Disability studies: Past, present and future. Leeds: Disability Press, 1997.

BÉRUBÉ, Michael. Life as we know it: a father, a family, and an exceptional child. New York: Vintage Books, 1998.

BOARDMAN, Felicity K. “Responsability, Disability, and Reprogenetics: The Role of Experiential Knowledge”. In: LEWIECKI-WILSON, Cynthia; CELLIO, Jen (Eds.). Disability and mothering: Liminal spaces of embodied knowledge. Syracuse: Syracuse University Press, 2011.

BRASIL. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: Decreto Legislativo nº 186, de 09 de julho de 2008. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos, 2008. 100p.

BRASWELL, Harold. “My two moms: Disability, queer kinship, and the maternal subject”. Hypatia, v. 30, n. 1, p. 234-250, 2015.

CADONÁ, Eliane; STREY, Marlene Neves. “A produção da maternidade nos discursos de incentivo à amamentação”. Revista Estudos Feministas, v. 22, n. 2, p. 477-499, 2014. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-026X2014000200005&script=sci_abstract&tlng=pt.

CELLIO, Jen. “Healthy, Accomplished, and Attractive: Visual Representations of ‘Fitness’ in Egg Donors”. In: LEWIECKI-WILSON, Cynthia; CELLIO, Jen (Eds.). Disability and mothering: Liminal spaces of embodied knowledge. Syracuse: Syracuse University Press, 2011.

CERRUTI, Marcela; MAGUID, Alicia. Familias divididas y cadenas globales de cuidado: La migración sudamericana a España. Santiago de Chile: CEPAL, 2010. (Série Políticas Sociales, n. 163)

COLLINS, Patricia Hill. “Em direção a uma nova visão: raça, classe e gênero como categorias de análise e conexão”. In: MORENO, Renata (Org.). Reflexões e práticas de transformação feminista. São Paulo: SOF, 2015. p. 13-42.

COX, Susan M. “Stories in decisions: how at-risk individuals decide to request predictive testing for Huntington disease”. Qualitative Sociology, v. 26, n. 2, p. 257-280, 2003.

CRENSHAW, Kimberlé Williams. “Mapping the Margins: Intersectionality, Identity Politics, and Violence Against Women of Color”. Stanford Law Review, v. 43, n. 6, p. 1241-1299, 1991.

CRENSHAW, Kimberlé. “Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero”. Revista Estudos Feministas, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002.

DAVIS, Lennard. Enforcing Normalcy – Disability, Deafness and the Body. London/New York: Verso, 1995.

DEL PRIORE, Mary. Ao sul do corpo. Condição feminina, maternidades e mentalidades no Brasil Colônia. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1993.

DINIZ, Debora. “Apresentação: diagnóstico pré-natal e aborto seletivo”. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, 2003a. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312003000200002.

DINIZ, Debora. “Modelo social da deficiência: a crítica feminista”. Série Anis, Brasília, v. 28, p. 1-10, 2003b.

DINIZ, Debora. O que é deficiência. São Paulo: Brasiliense, 2007.

DINIZ, Debora; MEDEIROS, Marcelo; SQUINCA, Flávia. “Reflexões sobre a versão em Português da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde”. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 3, n. 10, p. 2507-2510, 2007.

DOUGLAS, Patty. “Refrigerator mothers”. Journal of the Motherhood Initiative for Research and Community Involvement, v. 5, n. 1, 2014. Disponível em https://jarm.journals.yorku.ca/index.php/jarm/article/view/39328.

DUTRA, Delia. “Marcas de uma origem e uma profissão: trabalhadoras domésticas peruanas em Brasília”. Caderno CRH, v. 28, n. 73, p. 181-197, 2015. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0103-49792015000100181&lng=en&nrm=iso&tlng=pt.

FARIA, Nalu; MORENO, Renata. Cuidado, Trabalho e Autonomia das Mulheres. São Paulo: SOF, 2010.

FIETZ, Helena Moura. Deficiência e práticas de cuidado: uma etnografia sobre “problemas de cabeça” em um bairro popular. 2016. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

FINE, Michael; GLENDINNING, Caroline. “Dependence, independence or interdependence? Revisiting the concepts of ‘care’ and ‘dependency’”. Ageing and Society, v. 25, n. 4, p. 601-621, 2005.

FINKELSTEIN, Vic. “We Are Not Disabled, ‘You’ Are”. In: HARTLEY, Gillian M.; GREGORY, Susan. Constructing Deafness. Londres: Pinter, 1990.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. “Foucault e a Análise do Discurso em Educação”. Cadernos de Pesquisa, Fundação Carlos Chagas, n. 114, p. 197-223, 2001. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0100-15742001000300009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt.

FLEISCHER, Soraya. “Segurar, caminhar e falar: notas etnográficas sobre a experiência de uma ‘mãe de micro’ no Recife/PE”. Cadernos de Gênero e Diversidade, v. 3, n. 2, p. 93-112, maio-ago. 2017. Disponível em https://portalseer.ufba.br/index.php/cadgendiv/article/view/21983/14754.

FOUCAULT, Michel. Os Anormais – Curso no Collège de France (1974-1975). São Paulo: Martins Fontes, 2002.

GAMA, Fabiene. “Tornar-se cronicamente doente: perspectivas de uma im-paciente sobre cuidados médicos”. In: 13º MUNDOS DE MULHERES E 11 SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO, FLORIANÓPOLIS. Transformações, Conexões, Deslocamentos. Florianópolis, 2017. Disponível em http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499453665_ARQUIVO_Texto_completo_MM_FG_Gama2017.pdf.

GARLAND-THOMSON, Rosemarie. “Integrating Disability, transforming feminist theory”. In: DAVIS, Lennard. The Disability Studies Reader. 2. ed. London/New York: Routledge, 2006. p. 257-274.

GESSER, Marivete; NUERNBERG, Adriano H.; TONELI, Maria Juracy F. “Constituindo-se sujeito na intersecção gênero e deficiência: relato de pesquisa”. Psicologia em Estudo, v. 18, n. 3, 2013.

GESSER, Marivete; NUERNBERG, Adriano H.; TONELI, Maria Juracy F. “Gender, Sexuality, and experience of disability in women in southern Brazil”. Annual Review of Critical Psychology, n. 11, p. 417-432, 2014a. Disponível em https://nedef.paginas.ufsc.br/files/2017/10/Gender_-sexuality_-andexperience-of-disability-in-women-in-southern-Brazil.-1.pdf.

GESSER, Marivete; NUERNBERG, Adriano H. “Psicologia, Sexualidade e Deficiência: Novas Perspectivas em Direitos Humanos”. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 34, n. 4, p. 850-863, 2014b. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932014000400850&script=sci_abstract&tlng=pt.

GESSER, Marivete; NUERNBERG, Adriano H.; TONELI, Maria Juracy F. “A contribuição do modelo social da deficiência à psicologia social”. Psicologia & Sociedade, v. 24, n. 3, p. 557-566, 2012. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/psoc/v24n3/09.pdf.

GAVÉRIO, Marco A. “Medo de um Planeta de Aleijado? – Notas para possíveis aleijamentos da Sexualidade”. Áskesis, v. 4, n. 1, p. 103-117, 2015.

GAVÉRIO, Marco A. “Feminist, queer, crip”. Florestan, n. 5, p. 165-173, 2016.

GAVÉRIO, Marco A. “Nada sobre nós, sem nossos corpos! O local do corpo deficiente nos disability studies”. Revista Argumentos, v. 14, n. 1, p. 95-117, 2017.

HENNING, Carlos Eduardo. “Interseccionalidade e pensamento feminista: as contribuições históricas e os debates contemporâneos acerca do entrelaçamento de marcadores sociais da diferença”. Mediações – Revista de Ciências Sociais, v. 20, n. 2, p. 97-128, 2015. Disponível em http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/22900.

HIRATA, Helena. “Gênero, classe e raça: Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais”. Tempo Social, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 61-73, 2014. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100005.

HIRATA, Helena; DEBERT, Guita Grin. “Apresentação”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 46, p. 7-15, 2016.

HUBBARD, Ruth. “Abortion and Disability: who should and who should not inhabit the world”. In: DAVIS, Lennard J. (Ed.). The Disability Studies Reader. London/New York: Routledge, 2006.

HUGHES, Bill; McKIE, Linda; HOPKINS, Debra; WATSON, Nick. “Love’s Labour Lost? Feminism, the Disabled People’s Movement and an Ethic of Care”. Sociology, London, Sage, v. 39, n. 2, p. 259-275, 2005.

JONES-GARCIA, Whitney. “My Mother’s Mental Illness”. In: LEWIECKI-WILSON, Cynthia; CELLIO, Jen (Eds.). Disability and mothering: Liminal spaces of embodied knowledge. Syracuse: Syracuse University Press, 2011.

KITTAY, Eva Feder. Love’s labor: Essays on women, equality and dependency. Londres/Nova Iorque: Routledge, 1999.

LEWIECKI-WILSON, Cynthia. “Uneasy Subjects: Disability, Feminism, and Abortion”. In: LEWIECKIWILSON, Cynthia; CELLIO, Jen (Eds.). Disability and mothering: Liminal spaces of embodied knowledge. Syracuse: Syracuse University Press, 2011.

LEWIECKI-WILSON, Cynthia; CELLIO, Jen (Eds.). Disability and mothering: Liminal spaces of embodied knowledge. Syracuse: Syracuse University Press, 2011.

LINTON, Simi. “Reassigning meaning”. In: DAVIS, Lennard (Ed.). The Disability Studies Reader. 2. ed. London/New York: Routledge, 2006. p. 161-172.

LLOYD, Margarete. “The Politics of Disability and Feminism: Discord or Synthesis?”. Sociology, London, v. 35, n. 3, p. 715-728, 2001.

MANNING, Corinne. “From Surrender to Activism: The Transformation of Disability and Mothering at Kew Cottages, Australia”. In: LEWIECKI-WILSON, Cynthia; CELLIO, Jen (Eds.). Disability and mothering: Liminal spaces of embodied knowledge. Syracuse: Syracuse University Press, 2011.

MANSUR, Luci Helena B. “Experiência de mulheres sem filhos: a mulher singular no plural”. Psicologia Ciência e Profissão, v. 23, n. 4, p. 2-11, 2003. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pcp/v23n4/v23n4a02.pdf.

MARTIN, Emily. A mulher no corpo – Uma análise cultural da reprodução. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

MASON, Mary Grimley; LONG-BELLIL, Linda. Taking care: Lessons from mothers with disabilities. Maryland: University Press of America, 2012.

MATTAR, Laura Davis e DINIZ, Carmen Simone Grilo. “Hierarquias reprodutivas: maternidade e desigualdades no exercício de direitos humanos pelas mulheres”. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, v. 16, n. 40, p. 107-119, 2012. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/icse/v16n40/aop0212.pdf.

MAYBEE, Julie E. “The Political Is Personal Mothering at the Intersection of Acquired Disability, Gender, and Race”. In: LEWIECKI-WILSON, Cynthia; CELLIO, Jen (Eds.). Disability and mothering: Liminal spaces of embodied knowledge. Syracuse: Syracuse University Press, 2011.

MEEKOSHA, Helen. “Decolonising disability: thinking and acting globally”. Disability & Society, London, v. 26, n. 6, p. 667-682, 2011.

MELLO, Anahi. G.; NUERNBERG, Adriano H. “Gênero e deficiência: interseções e perspectivas”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 20, n. 3, p. 635-655, set.-dez. 2012.

MELLO, Anahi G. “Deficiência, incapacidade e vulnerabilidade: do capacitismo ou a preeminência capacitista e biomédica do Comitê de Ética em Pesquisa da UFSC”. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, p. 3265-3276, 2016.

MELLO, Anahi G. “A Construção da Pessoa na Experiência da Deficiência: corpo, gênero, sexualidade, subjetividade e saúde mental”. In: MALUF, Sônia W.; TORNQUIST, Carmen S. (Orgs.). Gênero, Saúde e Aflição: abordagens antropológicas. 1. ed. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2010. p. 133-191.

MILLER, Terri Beth. “Stalking Grendel’s Mother: Biomedicine and the Disciplining of the Deviant Body”. In: LEWIECKI-WILSON, Cynthia; CELLIO, Jen (Eds.). Disability and mothering: Liminal spaces of embodied knowledge. Syracuse: Syracuse University Press, 2011.

MILLS, Catherine. “The case of the missing hand: Gender, disability, and bodily norms in selective termination”. Hypatia, v. 30, n. 1, p. 82-96, 2015.

MOL, Annemarie. The logic of care: Health and the problem of patient choice. London/New York: Routledge, 2008.

MOLINIER, Pascale; PAPERMAN, Patricia. “Descompartimentar a noção de cuidado?”. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 18, p. 43-57, 2015. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbcpol/n18/2178-4884-rbcpol-18-00043.pdf.

MOREIRA, Lisandra Espíndula; NARDI, Henrique Caetano. “Mãe é tudo igual? Enunciados produzindo maternidade(s) contemporânea(s)”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 17, n. 2, p. 569-594, 2009. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ref/v17n2/15.pdf.

MORRIS, Jenny (Ed.). Encounters with Strangers: feminism and disability. London: The Women’s Press LTD, 1996.

NAVARRO-SWAIN, Tania. “Por falar em liberdade”. In: STEVENS, Cristina et al. (Eds.). Estudos feministas: articulações e perspectivas. Florianópolis: Mulheres, 2014. p. 26-55.

NUERNBERG, Adriano Henrique. “Os estudos sobre deficiência na educação”. Educação e sociedade, v. 36, p. 555-558, 2015.

OLIVER, Mike. “Social policy and disability: Some theoretical issues”. Disability, Handicap & Society, v. 1, n. 1, p. 5-17, 1986.

O’REILLY, Andrea. Mother Outlaws: Theories and Practices of Empowered Mothering. Toronto: Women’s Press/Canadian Scholar’s Press Inc., 2004.

O’REILLY, Andrea. Rocking The Cradle: Thoughts on Feminism, Motherhood and the Possibility of Empowered Mothering. Toronto: Demeter Press, 2006.

O’REILLY, Andrea (Ed.). Feminist mothering. Nova Iorque: SUNY Press, 2008.

O’REILLY, Andrea (Ed.). From motherhood to mothering: The legacy of Adrienne Rich’s Of woman born. Nova Iorque: SUNY Press, 2012.

O’REILLY, Andrea. “We Need to Talk about Patriarchal Motherhood”. Journal of the Motherhood Initiative for Research & Community Involvement, v. 7, n. 1, 2016.

PANITCH, Melanie. Disability, mothers, and organization: Accidental activists. Nova Iorque/Londres: Routledge, 2008.

PELÚCIO, Larissa. “Subalterno quem, cara pálida? Apontamentos às margens sobre póscolonialismos, feminismos e estudos queer”. Contemporânea, v. 2, n. 2, p. 395-418, 2012. (Dossiê Saberes Subalternos)

PIEPMEIER, Alison. “Would it be better for her not to be born?: Down Syndrome, prenatal testing, and reproductive decision-making”. Feminist Formations, v. 27, n. 1, p. 1-24, 2015.

PINHEIRO, Diego Alano de Jesus Pereira; LONGHI, Marcia Reis. “Maternidade como missão! A trajetória militante de uma mãe de bebê com microcefalia em PE”. Cadernos de Gênero e Diversidade, v. 3, n. 2, maio-ago. 2017.

PORTO, Rozeli Maria; MOURA, Patricia Rosalba Salvador. “Apresentação De Dossiê: ZikaVírus e Síndromes Neurológicas Congênitas: Contribuições do/para o Campo de Estudos de Gênero”. Cadernos de Gênero e Diversidade, v. 3, n. 2, p .70-72, maio-ago. 2017.

RAPP, Rayna. “A child surrounds this brain: the future of neurological difference according to scientists, parents and diagnosed young adults”. Sociological Reflections on the Neurosciences Advances in Medical Sociology, v. 13, p. 3-26, 2011.

RÉGIS, Hebe Cristina Bastos. Mulheres com deficiência intelectual e a esterilização involuntária: de quem é esse corpo? 2013. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

RICH, Adrienne. Of woman born: Motherhood as experience and institution. Nova Iroque/Londres: WW Norton & Company, 1995.

ROBERTSON, Rachel. “Sharing Stories: Motherhood, Autism, and Culture”. In: LEWIECKI-WILSON, Cynthia; CELLIO, Jen (Eds.). Disability and mothering: Liminal spaces of embodied knowledge. Syracuse: Syracuse University Press, 2011.

SAXTON, Marsha. “Disability rights and selective abortion”. In: DAVIS, Lennard (Ed.). The Disability Studies Reader. 2. ed. London/New York: Routledge, 2006. p. 105-116.

SCAVONE, Lucila. Dar a vida e cuidar da vida: feminismo e ciências sociais. São Paulo: EdUnesp, 2003. [Kindle Android version]

SCOTT, Russell Parry; QUADROS, Marion Teodósio; RODRIGUES, Ana Cláudia; LIRA, Luciana Campelo; MATOS, Silvana Sobreira; MEIRA, Fernanda; SARAIVA, Jeíza. “A Epidemia de Zika e as Articulações das Mães num Campo Tensionado entre Feminismo, Deficiência e Cuidados”. Cadernos de Gênero e Diversidade, v. 3, n. 2, p.73-92, maio-ago. 2017.

SEGATO, Rita Laura. “Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial”. E-cadernos ces, 2012.

SEGATO, Rita Laura. La crítica de la colonialidad en ocho ensayos y una antropología por demanda. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2013.

SEGATO, Rita Laura. “Patriarchy from Margin to Center: Discipline, Territoriality, and Cruelty in the Apocalyptic Phase of Capital”. The South Atlantic Quarterly, v. 115, n. 3, p. 615-624, 2016.

SELL, Mariléia. “‘Minha mãe ficou amarga’: expectativas de performances de maternidade negociadas na fala-em-interação”. Revista Estudos Feministas, v. 20, n. 1, p. 153-172, 2012.

SILVEIRA, Bruna Rocha. Dor compartilhada é dor diminuída: autobiografia e formação identitária em blogs de pessoas em condição de doença. 2016. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

SOIHET, Rachel. Condição feminina e formas de violência: Mulheres pobres e ordem urbana, 1890-1920. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1989.

TRINDADE, Zeide Araujo; ENUMO, Sônia Regina Fiorim. “Triste e incompleta: uma visão feminina da mulher infértil”. Psicologia USP, v. 13, n. 2, p. 151-182, 2002.

TRONTO, Joan C. Caring democracy: Markets, equality, and justice. Nova Iorque: NYU Press, 2013.

TRUTH, Sojourner. Women’s Rights Convention. Akron, Ohio, Estados Unidos, 1851.

VALDÉS, Diana H. “Ética del cuidado: ¿Una alternativa a la ética tradicional?”. Discusiones Filosóficas, v. 9, n. 13, p. 71-91, 2008.

WALSH, Samantha. “‘What Does It Matter?’ A Meditation on the Social Positioning of Disability and Motherhood”. In: LEWIECKI-WILSON, Cynthia; CELLIO, Jen (Eds.). Disability and mothering: Liminal spaces of embodied knowledge. Syracuse: Syracuse University Press, 2011.WARE, Linda. “Writing, identity, and the other: Dare we do disability studies?”. Journal of Teacher education, v. 52, n. 2, p. 107-123, 2001.

WATSON, Nick; MCKIE, Linda; HUGHES, Bill; HOPKINS, Debra; GREGORY, Sue. “(Inter)Dependence, Needs and Care: The Potential for Disability and Feminist Theorists to Develop an Emancipatory Model”. Sociology, London, v. 38, n. 2, p. 331-350, 2004.

WENDELL, Susan. “Toward a feminist theory of disability”. In: DAVIS, Lennard J. (Ed.). The Disability Studies Reader. 2. ed. London/New York: Routledge, 2006.

WIGNALL, Angela. “Revolutionary Becoming”. Journal of the Motherhood Initiative for Research and Community Involvement, v. 3, n. 2, 2012.

ZANELLO, Valeska. “Saúde mental, gênero e dispositivos”. In: DIMENSTEIN, Magda; LEITE, Jader; MACEDO, João Paulo; DANTAS, Candida. Condições de vida e saúde mental em assentamentos rurais. 1. ed. São Paulo: Intermeios Cultural, 2016. p. 223-246.




DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n154235

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.