A Violência Doméstica e Racismo Contra Mulheres Negras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n260721

Resumo

pesquisa qualitativa realizada com três mulheres negras vítimas de violência doméstica procurou verificar, por meio de entrevistas, se existiram inscrições da introjeção do ideal de brancura em suas subjetividades e avaliar em que contextos apareceram o racismo e a violência doméstica em suas vidas. A importância desse tipo de estudo está em destacar a existência do mito da democracia racial no Brasil, em sua face perversa, ao demonstrar como o ideal de ego de brancura é veiculado inconscientemente por meio da ideologia como forma de subalternizar o grupo étnico-racial negro ao dominante. Coloca-se em destaque o alto índice de violência doméstica contra mulheres negras e a urgência de políticas públicas para a prevenção desses crimes e proteção às vítimas.

Referências

BANDEIRA, Lourdes Maria. “Violência de gênero: a construção de um campo teórico e de investigação”. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 29, n. 2, p. 449-469, maio/ago. 2014. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/se/v29n2/08.pdf. Acesso em 03/07/2017.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009. 281p.

BARRETO, Raquel. “Lélia Gonzalez, uma intérprete do Brasil”. In: GONZALEZ, Lélia. Lélia Gonzalez – Primavera para as rosas negras. São Paulo: Diáspora Africana, 2018. p. 12-27. (Coletânea organizada e editada pela UCPA União dos Coletivos Pan-Africanistas)

BRITO, Benilda Regina Paiva. “Mulher, negra, pobre. A tripla discriminação”. Teoria e Debate, São Paulo, n. 36, p. 3-6, out. 1997.

CAVALLEIRO, Eliane dos Santos. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, preconceito e discriminação na educação infantil. 1998. 240f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

CARNEIRO, Suelaine. Mulheres Negras e Violência Doméstica: decodificando os números. São Paulo: Geledés Instituto da Mulher Negra, 2017.

CHAUÍ, Marilena. O que é Ideologia. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 2008. 119p. (Coleção Primeiros Passos).

COSTA, Jurandir Freire. Violência e Psicanálise. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1986. 189p.

CRENSHAW, Kimberlé Williams. “Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, jan. 2002. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2002000100011&lng=pt&tlng=pt. Acesso em 10/11/2018.

CUNHA, Eduardo Leal. “Uma interrogação psicanalítica das identidades”. Caderno CRH, Salvador, n. 33, p. 209-228, 2000.

CUTI. “Quem tem medo da palavra negro”. In: KON, Noemi Moritz; SILVA, Maria Lúcia da; ABUD, Cristiane Curi (Orgs.). O racismo e o negro no Brasil: questões para a psicanálise. São Paulo: Perspectiva, 2017. p. 197-212. (cap. 11)

FERENCZI, Sándor. “A criança mal acolhida e sua pulsão de morte”. In: FERENCZI, Sándor. Obras completas de Sándor Ferenczi. São Paulo: Martins Fontes, 1992. p. 47-51.

FERRARI, Marian A. L. Dias. “O papel da diferença na construção da identidade”. Boletim de Psicologia, São Paulo, v. 56, n. 124, p. 1-8, jun. 2006. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S000659432006000100002&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 11/12/2017.

FERREIRA, Lorena Ribeiro. “Engravidei, pari cavalos e aprendi a voar sem asas: reflexões acerca da afetividade e solidão da mulher negra”. Darandina Revista Eletrônica, v. 11, n. 2. p. 1-18, 2018. Disponível em http://www.ufjf.br/darandina/files/2018/12/Artigo-LorenaRibeiro.pdf. Acesso em 13/12/2018. ISSN: 1983-8379

FOUCAULT, Michel. “Les tecnhiniques de soi”. In: FOUCAULT, Michel. M. Dits et écrits. Paris: Gallimard, 1994. p. 783-813.

GAULEJAC, Vincent de. As Origens da Vergonha. São Paulo: Via Lettera, 2006.

GONÇALVES FILHO, José Moura. “A dominação racista: o passado presente”. In: KON, Noemi Moritz; SILVA, Maria Lúcia da; ABUD, Cristiane Curi (Orgs.). O racismo e o negro no Brasil: questões para a psicanálise. São Paulo: Perspectiva, 2017. p. 143-159. (cap. 8)

GONZALEZ, Lélia. “Racismo e sexismo na cultura brasileira”. In: GONZALEZ, Lélia. Lélia Gonzalez – Primavera para as rosas negras. São Paulo: Diáspora Africana, 2018. p. 190-214. (Coletânea organizada e editada pela UCPA União dos Coletivos Pan-Africanistas)

INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO. Dossiê Violência Contra Mulheres, 2016. Disponível em http://www.agenciapatriciagalvao.org.br/dossie/violencias/violencia-e-racismo/. Acesso em 03/10/2016.

LAPLANCHE, Jean; PONTALIS, Jean-Bertrand Lefebvre. Vocabulário da Psicanálise. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1995. 552p.

LIMA, Gabriela Quadros; WERLANG, Blanca Susana Guevara. “Mulheres que sofrem violência doméstica: contribuições da psicanálise”. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 16, n. 4, p. 511-520, 2011.

MACHADO, Lia Zanotta; MAGALHÃES, Maria Tereza Bossi. Violência Conjugal: os Espelhos e as Marcas. Brasília: EDUnB, 1998.

MEZAN, Renato. Psicanálise, Judaísmo: Ressonâncias. Campinas: Escuta, 1986.

MUNANGA, Kabengele. “As ambiguidades do racismo à brasileira”. In: KON, Noemi Moritz; SILVA, Maria Lúcia da; ABUD, Cristiane Curi (Orgs.). O racismo e o negro no Brasil: questões para a psicanálise. São Paulo: Perspectiva, 2017. p. 33-44. (cap. 1)

O GLOBO. “Filha de Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso é vítima de racismo”. O Globo, 27/11/2017. Disponível em https://oglobo.globo.com/rio/filha-de-giovanna-ewbank-brunogagliassovitima-de-racismo-22117146. Acesso em 14/01/2018.

FREUD, Sigmund. Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1969. (Edição Standard Brasileira)

OLIVEIRA, Fátima. Saúde da população negra: Brasil ano 2001. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2003.

OLIVEIRA, Fátima. “Avaliando e elencando os desafios”. In: SEMINÁRIO NACIONAL VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER – SAÚDE UM OLHAR DA MULHER NEGRA, 1, 2004, Santos, Casa de Cultura da Mulher Negra. Anais... Belo Horizonte: Casa de Cultura da Mulher Negra, 2004.

PEREIRA, Bruna Cristina Jaquetto. “Tramas e dramas de gênero e de cor: a violência doméstica e familiar contra mulheres negras”. 2013. 132f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Departamento de Sociologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

PINA, Rute. “Lei Maria da Penha completa 10 anos como referência, mas com problemas de execução”. Brasil de Fato, São Paulo, 05/08/2016. Disponível em https://www.brasildefato.com.br/2016/08/05/lei-maria-da-penha-completa-10-anoscomo-referencia-mas-comproblemas-deexecucao. Acesso em 04/04/2017.

RATTS, Alex; RIOS, Flávia. Lélia Gonzalez. São Paulo: Selo Negro; Summus, 2010. 173p.

ROMIO, Jackeline Aparecida Ferreira. “A Vitimização de Mulheres por Agressão Física, segundo Raça/Cor no Brasil”. In: MARCONDES, Mariana; PINHEIRO, Luana, et al. (Orgs.). Dossiê Mulheres Negras: Retrato das Condições De Vida Das Mulheres Negras No Brasil. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), p. 133-158, 2013.

SANTOS, Lílian Mann dos. “A situação econômica como fator agravante da violência doméstica: um estudo da Delegacia da Mulher de Florianópolis”. Revista Katálysis, Florianópolis, n. 4, p. 113-121, jan. 1999. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/katalysis/article/view/6263. Acesso em 23/01/2018. doi: http://dx.doi.org/10.1590/%x

SÃO PAULO. Imprensa Oficial Do Estado De São Paulo. Os Efeitos Psicossociais do Racismo. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; Instituto AMMA Psique e Negritude, 2008.

SARTRE, Jean-Paul. Reflexões sobre o Racismo. São Paulo: Guinsburg; Difusão Europeia do Livro, 1965.

SCHUCMAN, Lia Vainer; GONÇALVES, Mônica Mendes. “Racismo na família e a construção da negritude: embates e limites entre a degradação e a positivação na constituição do sujeito”. Revista do Programa de Pós-Graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade – UESB, Vitória da Conquista, v. 2, n. 4, p. 61-83, dezembro 2017.

SILVA, Maria Lúcia da. “Racismo no Brasil: Questões para psicanalistas brasileiros”. In: KON, Noemi Moritz; SILVA, Maria Lúcia da; ABUD, Cristiane Curi (Orgs.). O racismo e o negro no Brasil: questões para a psicanálise. São Paulo: Perspectiva, 2017. p. 71-89. (cap. 4)

SOUZA, Claudete Alves da Silva. A solidão da mulher negra – sua subjetividade e seu preterimento pelo homem negro na cidade de São Paulo. 2008. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro. Rio de Janeiro: Graal, 1983. 89p.

VANUCCHI, Maria Beatriz Costa Carvalho. “A violência nossa de cada dia: o racismo à brasileira”. In: KON, Noemi Moritz; SILVA, Maria Lúcia da; ABUD, Cristiane Curi (Orgs.). O racismo e o negro no Brasil: questões para a psicanálise. São Paulo: Perspectiva, 2017. p. 59-70. (cap. 3)

WERNECK, Jurema. “Mulheres negras e violência no Rio de Janeiro”. In: CASTRO, Lúcia Maria Xavier de; CALASANS, Myllena; REIS, Sarah (Orgs.). Mulheres de Brasília e do Rio de Janeiro no Monitoramento da Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Rio de Janeiro: CRIOLA; CFEMEA, 2010.

WIEVIORKA, Michel. O Racismo: uma Introdução. São Paulo: Perspectiva, 2007.

Publicado

2020-09-16

Edição

Seção

Artigos