Trilhas para o enfrentamento da violência contra a mulher

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n60162

Palavras-chave:

violência contra a mulher, atenção primária à saúde, profissional de saúde, teoria fundamentada

Resumo

Neste artigo objetivamos conhecer a percepção dos profissionais da saúde da Atenção Básica a respeito de situações de violência contra a mulher e identificar quais são as estratégias utilizadas diante deste problema. Para tanto, utilizamos uma pesquisa qualitativa segundo a realização de quatro grupos focais, com posterior análise das informações por meio da técnica da Teoria Fundamentada nos Dados. Identificamos que os profissionais reconhecem a presença desta violência, porém, nem sempre há acolhimento ou intervenção. Por outro lado, alguns profissionais exemplificaram estratégias para intervir e referiram efeitos desta interferência na redução dos episódios de violência. Os resultados apresentam algumas questões que direcionam estes posicionamentos e condutas e são importantes para a reflexão sobre as potencialidades da Atenção Básica frente a este tema.

Biografia do Autor

Paula Suséli Silva de Bearzi, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Possui Mestrado em Saúde Coletiva pela UFRGS (2018), Especialização em Preceptoria no SUS pelo Sírio Libanês (2017) e em Saúde Coletiva pelo IBPEX (2007), e Residência Integrada em Saúde pela Escola de Saúde Pública/RS (2009). Graduada em Odontologia pela Universidade Federal de Santa Maria (2006) Atualmente é Odontóloga da Prefeitura Municipal de São Leopoldo, atuando no setor de Planejamento em Saúde. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase nos seguintes temas: Violência de Gênero, Planejamento em Saúde, Saúde Bucal Coletiva e Saúde Coletiva.

Aline Blaya Martins, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Odontologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2000). Especialista em Saúde Coletiva: Atenção Básica pela Escola de Saúde Pública RS (2008). Mestre em Odontologia - Saúde Bucal Coletiva pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2009). Doutora em Odontologia - Saúde Bucal Coletiva pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2012). Professora Adjunta da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Coordenaadora do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da UFRGS. Coordenadora da Residência Integrada em Saúde Bucal - Saúde da Família e Comunidade. Pesquisadora atuando nas áreas de Gestão, Educação e Saúde e Atenção à Saúde de Populações Vulneráveis.

Renato José De Marchi, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professor Adjunto do Departamento de Odontologia Preventiva e Social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS (2014). Professor do Programa de Residência Integrada em Saúde Bucal da Faculdade de Odontologia da UFRGS. Professor colaborador do Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva da UFRGS. Graduado em Odontologia pela UFRGS (2000). Mestre (2007) e Doutor (2012) em Odontologia, na Área de Concentração em Saúde Bucal Coletiva, pela Faculdade de Odontologia da UFRGS. Realizou Estágio de Doutorando no Exterior na University of British Columbia (UBC) - Canadá (2010-2011). Tem experiência na área de Odontologia, com ênfase em Saúde Bucal Coletiva, Odontogeriatria e Pesquisa Qualitativa, atuando principalmente nos seguintes temas: gerontologia, estudos qualitativos, educação em saúde, e estudos sobre causalidade das doenças bucais na pessoa idosa.

Aline Rodrigues Reser, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Maria (2002), Graduação em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2016) e Mestrado em Saúde Coletiva (2018). Trabalha no Instituto Municipal de Estratégia Saúde da Família como Apoiadora Institucional GD Sul-Centro Sul, no município de Porto Alegre, RS. Tem experiência na área de Enfermagem, Especialista em Saúde Pública, Residência Integrada em Saúde com ênfase em Atenção Básica em Saúde Coletiva e curso de Sanitarista certificado pela Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca. Atuando principalmente nos seguintes temas: Apoio Institucional, Estratégia Saúde da Família, Vigilância em Saúde, Grupos de Saúde, Visita Domiciliar e Atividades Comunitárias.

Referências

BRASIL. Violência intrafamiliar: orientações para a prática em serviço. Cadernos de Atenção Básica, n. 8. Secretaria de Políticas de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

BRASIL. Lei nº 10.778, de 24 de novembro de 2003. Estabelece a notificação compulsória, no território nacional, do caso de violência contra a mulher que for atendida em serviços de saúde públicos ou privados. Diário Oficial da União, 2003.

BRASIL. Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes: norma técnica. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

BRASIL. Protocolos da Atenção Básica: Saúde das Mulheres. Ministério da Saúde. Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

CHARMAZ, Kathy. “Discovering Chronic Illness: Using Grounded Theory”. Social Science & Medicine, v. 30, n. 11, p. 1161-1172, 1990.

CHARMAZ, Kathy. A Construção da Teoria Fundamentada: guia prático para análise qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

CONTATORE, Octávio Augusto; MALFITANO, Ana Paula Serrata; BARROS, Nelson Filice de. “Os cuidados em saúde: ontologia, hermenêutica e teleologia”. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 21, n. 62, p. 553-563, set. 2017.

COUTO, Vinicius Assis et al. “Intersetorialidade e ações de combate à violência contra a mulher”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 26, n. 2, 2018.

D’OLIVEIRA, Ana Flávia Pires Lucas; SCHRAIBER, Lilia Blima. “Mulheres em situação de violência: entre rotas críticas e redes intersetoriais de atenção”. Revista de Medicina, São Paulo, v. 92, n. 2, p. 134-140, abr./jun. 2013.

D’OLIVEIRA, Ana Flávia Pires Lucas et al. “Atenção integral à saúde de mulheres em situação de violência de gênero: uma alternativa para a atenção primária em saúde”. Ciência & Saúde Coletiva, v. 14, n. 4, p. 1037-1050, jul./ago. 2009.

ESPINAR-RUIZ, Eva; LOPEZ-MONSALVE, Begoña. “Infancia y violencia de género: cuantificación y percepciones”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 451-470, ago. 2015.

GARCIA, Leila Posenato; SILVA, Gabriela Drummond Marques da. “Violência por parceiro íntimo: perfil dos atendimentos em serviços de urgência e emergência nas capitais dos estados brasileiros, 2014”. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 34, n. 4, abr. 2018.

KRIMBERG VON MÜHLEN, Bruna; NEVES, Marlene. “Avanços e retrocessos no combate da violência contra mulheres”. Athenea Digital, Barcelona, v. 13, n. 2, p. 229-237, jul. 2013.

MARQUI, Alessandra Bernadete Trovó de et al. “Caracterização das equipes da Saúde da Família e de seu processo de trabalho”. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 44, n. 4, p. 956-961, dez. 2010.

MARSIGLIA, Regina Maria Giffoni. “Perfil dos trabalhadores da atenção básica em saúde no município de São Paulo: região norte e central da cidade”. Saúde & Sociedade, São Paulo, v. 20, n. 4, p. 900-911, dez. 2011.

MENEGHEL, Stela Nazareth et al. “Feminicídios: estudo em capitais e municípios brasileiros de grande porte populacional”. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 9, p. 2963-2970, set. 2017.

MENEGHEL, Stela Nazareth; MARGARITES, Ane Freitas. “Feminicídios em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil: iniquidades de gênero ao morrer”. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 33, n. 12, dez. 2017.

MERHY, Emerson Elias; FEUERWERKER, Laura Camargo Macruz. “Novo olhar sobre as tecnologias de saúde: uma necessidade contemporânea”. In: MANDARINO, Ana Cristina de S.; GOMBERG, Estélio (Orgs.). Leituras de novas tecnologias e saúde. São Cristóvão: EDUFS, 2009. p. 29-74.

MOREIRA, Tatiana das Neves Fraga et al. “A construção do cuidado: o atendimento às situações de violência doméstica por equipes de Saúde da Família”. Saúde & Sociedade, São Paulo, v. 23, n. 3, p. 814-827, set. 2014.

NAÇÕES UNIDAS. Declaration on the elimination of violence against women. 48ª Sessão Ordinária da Assembleia Geral das Nações Unidas. Resolução nº A/RES/48/104. Nova York, EUA. Nova York: ONU, 1993.

OLIVEIRA, Rebeca Nunes Guedes de; FONSECA, Rosa Maria Godoy Serpa da. “Necessidades em saúde: a interface entre o discurso de profissionais de saúde e mulheres vitimizadas”. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 23, n. 2, p. 299-306, abr. 2015.

OLIVEIRA, Gabriela Cristina Costa de; PAES, Maione Silva Louzada. “Violência de gênero contra a mulher: a vivência deste fenômeno”. Revista Enfermagem Integrada, Ipatinga, v. 7, n. 1, p. 1231-1246, jul./ago. 2014.

OMS. Violência contra a Mulher. Estratégia e Plano de Ação sobre o Fortalecimento do Sistema de Saúde para Abordar a Violência contra a Mulher. Organização Pan-Americana da Saúde. Organização Mundial da Saúde, 2015.

RODRIGUES, Luciana Santos; CHALHUB, Anderson Almeida. “Contextos familiares violentos: da vivência de filho à experiência de pai”. Pensando Famílias, Porto Alegre, v. 18, n. 2, p. 77-92, dez. 2014.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, Patriarcado, Violência. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular; Fundação Perseu Abramo, 2015.

SANTOS, Cecília MacDowell. “Curto-circuito, falta de linha ou na linha? Redes de enfrentamento à violência contra mulheres em São Paulo”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 577-600, ago. 2015.

SCHRAIBER, Lilia Blima et al. “Violência contra mulheres entre usuárias de serviços públicos de saúde da Grande São Paulo”. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 41, n. 3, p. 359-367, jun. 2007.

SCHRAIBER, Lilia Blima; D’OLIVEIRA, Ana Flávia Pires Lucas. “Romper com a violência contra a mulher: como lidar desde a perspectiva do campo da saúde”. In: MENEGHEL, Stela Nazareth (Org.). Rotas críticas II: ferramentas para trabalhar com a violência de gênero. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2009. p. 131-141.

SIGNORELLI, Marcos Claudio; TAFT, Angela; PEREIRA, Pedro Paulo Gomes. “Violência doméstica contra mulheres, políticas públicas e agentes comunitários de saúde na Atenção Primária à Saúde no Brasil”. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 93-102, jan. 2018.

SILVA, Ethel Bastos da; PADOIN, Stella Maris de Mello; VIANNA, Lucila Amaral Carneiro. “Violência contra a mulher e a prática assistencial na percepção dos profissionais da saúde”. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 24, n. 1, p. 229-237, jan./mar. 2015.

SILVA, Neuzileny Nery Ferreira et al. “Atuação dos enfermeiros da atenção básica a mulheres em situação de violência”. Enfermagem em Foco, Brasília, v. 8, p. 70-74, 2017.

SOARES, Juliana de Lima et al. “Tecitura do vínculo em saúde na situação familiar de adoecimento crônico”. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 20, n. 59, p. 929-940, dez. 2016.

STREY, Marlene Neves; WERBA, Graziela C. “Longe dos olhos, longe do coração: ainda a invisibilidade da violência contra a mulher”. In: GROSSI, Patrícia Krieger (Org.). Violências e gênero: coisas que a gente não gostaria de saber. 2. ed. Porto Alegre: EDPUCRS, 2012. p. 73-82.

TRAD, Leny A. Bomfim. “Grupos focais: conceitos, procedimentos e reflexões baseadas em experiências com o uso da técnica em pesquisas de saúde”. Physis, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 777-796, 2009.

VARGAS, Regina. “A integralidade da atenção à saúde na percepção de profissionais da rede”. In: NEGRÃO, Télia; VARGAS, Regina; RODRIGUES, Leina Peres (Orgs.). Saúde Mental e gênero: novas abordagens para uma linha de cuidado. Porto Alegre: Coletivo Feminino Plural, 2015. p. 13-40.

VENTURINI, Gustavo; GODINHO, Tatau (Orgs.). Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado: uma década de mudanças na opinião pública. São Paulo: Fundação Perseu Abramo; SESC, 2013.

VIEIRA, Elisabeth Meloni; HASSE, Mariana. “Percepções dos profissionais de uma rede intersetorial sobre o atendimento a mulheres em situação de violência”. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 21, n. 60, p. 52-62, mar. 2017.

WERMELINGER, Mônica et al. “A Força de Trabalho do Setor de Saúde no Brasil: Focalizando a Feminização”. Divulgação em Saúde para Debate, Rio de Janeiro, n. 45, p. 55-71, abr. 2010.

Downloads

Publicado

2020-12-18

Edição

Seção

Artigos