Mulheres e jornalismo esportivo: possibilidades e limitações em um campo masculino

Autores

  • Leonardo Turchi Pacheco UNIFAL-MG
  • Silvio Ricardo da Silva UFMG

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n61002

Palavras-chave:

mulheres, esporte, mídia

Resumo

Este artigo tem como objetivo abordar as possibilidades e limitações de inserção, permanência e sucesso de mulheres no jornalismo esportivo. A coleta de dados foi realizada através da metodologia qualitativa e está alicerçada nas técnicas de pesquisa observação participante e entrevistas semiestruturadas que foram realizadas com 38 jornalistas que trabalham ou trabalharam em Belo Horizonte. Este texto, fundamentado teoricamente em autores e autoras que se vinculam às perspectivas feministas em suas abordagens sobre esporte e mídia, evidencia o perfil, a trajetória profissional, os espaços ocupados, os constrangimentos e as estratégias utilizadas por essas mulheres para transitar nesse campo majoritariamente masculino.

Biografia do Autor

Leonardo Turchi Pacheco, UNIFAL-MG

Professor Associado do instituto de Ciências Humanas e Letras da Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG). Pos-doutorado interdisciplinar em Estudos de lazer na EEFTTO/Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Doutor em História Social da Cultura pela  (UFMG). Mestre em Sociologia da Cultura pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Bacharel em Ciências Sociais com ênfase em Antropologia pela Universidade Federal de MInas Gerais (UFMG). Tem experiência nas áreas de Antropologia e História. Trabalha com os seguintes temas: masculinidade, envelhecimento, esporte, juventude, corporalidade, identidade, relação de gênero.

Silvio Ricardo da Silva, UFMG

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Gama Filho (1984), mestrado em Ciência do Movimento Humano pela Universidade Federal de Santa Maria (1994) e doutorado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (2001). É professor associado IV da Universidade Federal de Minas Gerais, coordenador e docente do Programa de Pós Graduação Interdisciplinar em Estudos do Lazer da UFMG e coordenador do Grupo de Estudos Sobre Futebol e Torcidas (GEFuT). Tem experiência de coordenação em projetos de extensão na UFMG como " Colônia de Férias no Campus", " Futebol e Cultura" e o Programa na Radio UFMG " Óbvio Ululante". Realizou em 2015 seu estágio Pós Doutoral na Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Valência, pesquisando sobre o futebol espanhol. É parecerista de periódicos nacionais e internacionais. Tem experiência na área de Educação, com ênfase interdisciplinar, atuando principalmente nos seguintes temas: lazer, futebol, torcedor e Educação Física.

Referências

ACKER, Joan. “From glass ceiling to inequality regimes”. Sociologie du Travail, 51, p. 199-217, 2009.

ADELMAN, Miriam. “Mulheres atletas: re-significações da corporalidade feminina”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 2, n. 11, p. 445-465, jul./dez. 2003.

ALMEIDA, Miguel Vale de. Senhores de si: uma interpretação antropológica da masculinidade. Lisboa: Fim de Século, 1995.

ANDRADE, Silvana. Eu sou uma pessoa de tremendo sucesso: representações, identidades e trajetórias de mulheres executivas no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad/FAPERJ, 2014.

ARTIGO 19. Gênero e mídia: um olhar de gênero para o ambiente de mídia brasileiro. São Paulo, Artigo 19/UNESCO, 2017. Disponível em https://artigo19.org/blog/2017/03/01/13860/. Acesso em 17/06/2019.

BENTO, Maria Aparecida. “A mulher negra no mercado de trabalho”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 479-488, 1995.

BOURDIEU, Pierre. Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1997.

BOURGEOIS, Normand. “Sports journalists and their source of information: a conflict of interests and its resolution”. Sociology of Sports Journal, v. 12, n. 2, p. 195-203, 1995.

BOYLE, Raymond. Sports journalism: contexts and issues. London: Sage, 2006.

BOYLE, Raymond; HAYNES, Richard. Power Play: sport, the media and popular culture. Edinburg: Edinburgh University Press Ltd., 2009.

BRUM, Adriana; CAPRARO, André Mendes. “Mulheres no jornalismo esportivo: uma ‘visão além do alcance’”. Movimento, Porto Alegre, v. 21, n. 4, p. 959-971, out./dez. 2015.

BRUSCHINI, Cristina. “Trabalho feminino: trajetórias de um tema, perspectivas para o futuro”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, n. 1, p. 17-32, 1994.

BRYSON, Lois. “Challenges to male hegemony in sports”. In: MESSNER, Michael; SABO, Donald (Eds.). Sport, men, and the gender order: critical feminist perspectives. London: Human Kinetics, 1990. p. 173-184.

CARNEIRO, Sueli. “Mulheres em movimento”. In: RODRIGUES, Carla; BORGES, Luciana; RAMOS, Tânia Regina Oliveira (Orgs.). Problemas de gênero. Rio de Janeiro: Funarte, 2016. p. 149-168.

CHAMBERS, Deborah; STEINER, Linda; FLEMMING, Carol. Women and journalism. London: Routledge, 2004.

CONNELL, Raewyn. Gênero em termos reais. São Paulo: nVersos, 2016.

CREEDON, Pamela. “Women in toyland: a look at women in American newspaper sports journalism”. In: CREEDON, Pamela (Ed.). Women, media and sport: challenging gender values. London: Sage, 1994a. p. 67-107.

CREEDON, Pamela. “Women, media and sport: creating and reflecting gender values”. In: CREEDON, Pamela (Ed.). Women, media and sport: challenging gender values. London: Sage, 1994b. p. 3-27.

DUNNING, Eric. “O esporte como um domínio masculino: observações sobre as fontes sociais da identidade masculina e suas transformações”. In: DUNNING, Eric. Sociologia do esporte e os processos civilizatórios. São Paulo: Annablume, 2014. p. 233-254.

FERNANDES, Danubia de Andrade. “O gênero negro: apontamentos sobre gênero, feminismo e negritude”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 24, n. 3, p. 691-713, set./dez. 2016.

FIGARO, Roseli. “Jornalismos e trabalho de jornalistas: desafios para as novas gerações no século XXI”. Revista Parágrafo, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 23-37, jul./dez. 2014. Disponível em http://revistaseletronicas.fiamfaam.br/index.php/recicofi/article/view/231. Acesso em 17/06/2019.

FIGARO, Roseli; NONATO, Claudia. “Novos ‘arranjos econômicos’ alternativos para a produção jornalística”. Contemporânea: Revista de Comunicação e Cultura, Salvador, v. 15, n. 1, p. 47-63, jan./abr. 2017. Disponível em https://portalseer.ufba.br/index.php/contemporaneaposcom/issue/view/1510. Acesso em 17/06/2019.

GIULIANOTTI, Richard. Sociologia do futebol: dimensões históricas e socioculturais do esporte das multidões. São Paulo: Nova Alexandria, 2002.

GOELLNER, Silvana. “Mulheres e futebol no Brasil: entre sombras e visibilidades”. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 143-151, abr./jun. 2005.

GRIFFIN, Pat. “Changing the game: homophobia, sexism and lesbians in sport”. In: SCRATON, Sheila; FLINTOFF, Anne (Eds.). Gender and sport: a reader. London: Routledge, 2002. p. 193-208.

HALL, Ann. “How should we theorize gender in the context of sport?” In: MESSNER, Michael; SABO, Donald (Eds.). Sport, men, and the gender order: critical feminist perspectives. London: Human Kinetics, 1990. p. 223-240.

HARGREAVES, Jennifer. Sporting females: critical issues in the history and sociology of women’s sports. London: Routledge, 1994.

HERSCOVITZ, Heloiza Golbspan. “Jornalistas de São Paulo: quem são e o que pensam em comparação aos jornalistas americanos e franceses”. Revista Brasileira da Ciência da Comunicação, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 65-86, jul./dez. 2000. Disponível em http://www.portcom.intercom.org.br/revistas/index.php/revistaintercom/issue/view/34/showToc. Acesso em 08/07/2019.

HIRATA, Helena. “Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais”. Tempo Social: Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 61-73, jun. 2014.

JORGE, Thais de Mendonça; ADGHIRNI, Zélia Leal. “Brazil: need for national debate on women in journalism”. In: BYERLY, Carolin (Ed.). The Palgrave international handbook of women and journalism. New York: Palgrave Macmillan, 2013. p. 211-225.

KIDD, Bruce. “The men’s cultural centre: sports and the dynamic of women’s oppression/men’s repression”. In: MESSNER, Michael; SABO, Donald (Eds.). Sport, men, and the gender order: critical feminist perspectives. London: Human Kinetics, 1990. p. 31-44.

LOBO, Elisabeth Souza. “O trabalho como linguagem: o gênero no trabalho”. BIB, Rio de Janeiro, n. 31, p. 7-16, 1991.

MACKINNON, Catharine. “On exceptionality: women as women in law”. In: MACKINNON, Catharine (Ed.). Feminism unmodified: discourses on life and law. Cambridge: Harvard University Press, 1987. p. 70-80.

MAZOTTE, Natália; TOSTE, Mônica (Coords.). Mulheres no jornalismo brasileiro. São Paulo: ABRAJI/Gênero e Número, 2017. Disponível em https://www.mulheresnojornalismo.org.br/12901_GN_relatorioV4.pdf. Acesso em 17/06/2019.

MILLER, Phyllis; MILLER, Randy. “The invisible woman: female sports journalist in the workplace”. J&MC Quartely, Columbia, v. 72, n. 4, p. 883-889, 1995.

MOORE, Henrietta L. “Fantasias de poder e fantasias de identidade: gênero, raça e violência”. Cadernos Pagu, Campinas, v. 14, p. 13-44, 2000.

NEVES, Magda de Almeida. “Anotações sobre trabalho e gênero”. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, Fundação Carlos Chagas, v. 43, n. 149, p. 404-421, 2013.

NEVEU, Érik. Sociologia do jornalismo. São Paulo: Edições Loyola, 2006.

RIAL, Carmen. “Ainda um ‘ponga un exótico’ ou uma mudança efetiva? Participação das mulheres na mídia brasileira na Copa”. Cuadernos del Mundial, n. 2, p. 2-3, CLACSO, jun. 2014. Disponível em https://clacso.org.ar/cuadernosdelmundial/. Acesso em 19/01/2018.

ROSS, Karen. “Women at work: journalism as en-gendered practice”. Journalism Studies, London, v. 2, n. 4, p 531-544, 2001. Disponível em http://dx.doi.org/10.1080/14616700120086404. Acesso em 08/01/ 2018.

SILVA, Marcia Veiga da. Masculino, o gênero do jornalismo: um estudo sobre modos de produção das notícias. 2010. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação, Biblioteconomia e Comunicação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

THEBERGE, Nancy. “Toward a feminist alternative to sport as a male preserve”. In: BIRREL, Susan; COLE, Cheryl (Eds.). Women, sport and culture. London: Human Kinetics, 1994. p. 181-192.

THEBERGE, Nancy; CRONK, Alan. “Work routines in newspaper sports departments and coverage of women’s sports”. In: BIRREL, Susan; COLE, Cheryl (Eds.). Women, sport and culture. London: Human Kinetics, 1994. p. 289-299.

VAN ZOONEN, Liesbet. “One of the girls? The changing gender of journalism”. In: CARTER, Cynthia; BRANSTON, Gill; ALLAN, Stuart (Eds.). News, gender and power. London: Routledge, 1998. p. 33-46.

VELHO, Gilberto. Individualismo e cultura: notas para uma Antropologia da sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004.

WHANNEL, Garry. “Sport and the media”. In: COAKLEY, Jay; DUNNING, Eric (Eds.). Handbook of sports studies. London: Sage, 2006. p. 291-380.

WILLIS, Paul. “Women in sport in ideology”. In: BIRREL, Susan; COLE, Cheryl (Eds.). Women, sport, and culture. London: Human Kinetics, 1994. p. 31-46.

Downloads

Publicado

2020-12-18

Edição

Seção

Artigos