Ficções porno-políticas do corpo (a partir) de Preciado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n61544

Palavras-chave:

Preciado, sexopolítica, regime farmacopornográfico, ensaio biópico, queer

Resumo

Partindo dos escritos de Preciado, este artigo propõe uma problematização contradisciplinar das representações do corpo enquanto produto epistemológico e enquanto laboratório político. A primeira parte, dedicada ao tópico central do Manifesto contrassexual (plasticidade dos sexos e sexos de plástico), discute o sentido de Natureza e a ruptura epistemológica com o discurso sobre uma ordem natural que precede e constitui o humano. A segunda parte centra-se nas noções do corpo como laboratório, introduzidas em Testo yonki. Combinando ficção autopolítica, autoteoria e ensaio corporal, Testo yonki relata um protocolo de intoxicação voluntária à base de testosterona sintética. Essa experimentação corporal, que permite a Preciado ficcionar-se como hacker-sexual ou pirata-dosexo, apresenta-se como um meio de renovação do sentido de si. No seu conjunto, este artigo pretende contribuir para uma análise preciadista de Preciado, isto é, uma análise do sujeito (biografia) que é feita a partir das próprias categorias criadas pelo autor (bibliografia), fazendo de Preciado simultaneamente fonte e objeto de teorização. Trata-se, desse modo, de um ensaio biópico, no qual procuro explorar e combinar as dimensões de produção biográfica e bibliográfica de Preciado.

Referências

AUGÉ, Marc. Não lugares: introdução a uma antropologia da sobremodernidade. Tradução de Miguel Serras Pereira. Lisboa: Letra Livre, 2012.

BRAIDOTTI, Rosi. “Posthuman Critical Theory”. In: BANERJI, Debashish; PARANJAPE, Makarand P. (Orgs.). Critical posthumanism and planetary futures. Nova Deli: Springer India, 2016. p. 13-32.

BRODY, Jennifer De Vere. “Hyphen-Nations”. In: CASE, Sue-Ellen; BRETT, Phillip; FOSTER, Susan (Orgs.). Cruising the performative. interventions into the representation of ethnicity, nationality, and sexuality. Bloomington: University of Indiana Press, 1995. p. 149-162.

BUTLER, Judith. Undoing gender. New York: Routledge, 2004.

CARDINAL, Marie. Les Mots pour le dire. Paris: Grasset, 1975.

CIXOUS, Hélène; DERRIDA, Jacques. Idiomas da diferença sexual. Tradução de Fernanda Bernardo. Coimbra: Palimage, 2018.

DEBORD, Guy. A sociedade do espectáculo. Tradução de Franscisco Alves e Afonso Monteiro. Lisboa: Antígona, 2012.

FAUSTO-STERLING, Anne. Sexing the body: gender politics and the construction of sexuality. New York: Basic Books, 2000.

FOUCAULT, Michel. A história da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução de Pedro Tamen. Lisboa: Relógio D’Água, 1998.

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Tradução de Roberto Cabral de Melo Machado e Eduardo Jardim Morais. Rio de Janeiro: NAU Editora, 2002.

FOUCAULT, Michel. É preciso defender a sociedade. Tradução de Carlos Correia Monteiro de Oliveira. Lisboa: Livros do Brasil, 2006.

FOUCAULT, Michel. Power/knowledge: selected interviews and other writings, 1972-1977. New York: Pantheon Books, 1980.

HARAWAY, Donna. Simians, cyborgs, and women: the reinvention of nature. New York: Routledge, 1991.

LAKOFF, Robin. “Language and woman’s place”. Language in Society, Cambridge, v. 2, n. 1, p. 45-80, abr. 1973.

LUST, Erika. X: a woman’s guide to good porn. Maryland: Femme Fatale, 2011.

MORRIS, Jan. Enigma: história de uma mudança de sexo. Tradução de Paulo Faria. Lisboa: Tintada-china, 2017.

OKSALA, Johanna. “The neoliberal subject of feminism”. Journal of the British Society for Phenomenology, Abingdon, v. 42, n. 1, p. 104-120, out. 2011.

OLIVEIRA, João Manuel. “Os feminismos habitam espaços hifenizados: a localização e interseccionalidade dos saberes feministas”. Ex æquo, Lisboa, n. 22, p. 25-39, 2010.

O’ROURKE, Michael; GIFFNEY, Noreen. “Series editors’ preface. originary somatechnicity”. In: SULLIVAN, Nikki; MURRAY, Samantha (Orgs.). Somatechnics: queering the technologisation of bodies. Farnham: Ashgate, 2009. p. xi-xiii.

PALAZZANI, Laura. Gender in Philosophy and Law. New York: Springer, 2012.

PRECIADO, Beatriz. Manifesto contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. Tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: N-1 Edições, 2014.

PRECIADO, Beatriz. Manifiesto contra-sexual. Madrid: Opera Prima, 2002.

PRECIADO, Beatriz. “Multidões queer: notas para uma política dos ‘anormais’”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 1, p. 11-20, 2011.

PRECIADO, Beatriz. “Multitudes queer: notes pour une politiques des ‘anormaux’”. Multitudes, Paris, v. 12, n. 2, p. 17-25, 2003.

PRECIADO, Beatriz. Pornotopía: arquitectura e sexualidade en ‘Playboy’ durante la guerra fria. Barcelona: Anagrama, 2010.

PRECIADO, Beatriz. Testo yonki. Madrid: Espasa Calpe, 2008.

PRECIADO, Paul B. “Lettre d’un homme trans à l’ancien régime sexuel”, Libération, 15 jan. 2018a. Disponível em https://www.liberation.fr/debats/2018/01/15/lettre-d-un-homme-trans-a-l-ancienregime-sexuel_1622570. Acesso em 01/10/2020.

PRECIADO, Paul B. Manifesto contrassexual. Tradução de Helena Lopes Braga, Pedro Feijó e Daniel Lourenço. Lisboa: Edições Unipop, 2015.

PRECIADO, Paul B. Testo junkie: sexo, drogas e biopolítica na era farmacopornográfica. Tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: N-1 Edições, 2018b.

RITZER, George. “The ‘mcdonaldization’ of society”. The Journal of the American Culture, v. 6, n. 1, p. 100-107, Spring, 1983.

RUBIN, Gayle. “The traffic in women: notes on the ‘political economy’ of sex”. In: REITER, Rayna R. (Org.). Toward an anthropology of women. New York: Monthly Review Press, 1975. p. 157-210.

SANTOS, Boaventura de Sousa. “Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências”. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 63, p. 237-280, out. 2002.

SPRINKLE, Annie. Post porn modernist. Amsterdam: Art Unlimited, 1991.

SULLIVAN, Nikki; MURRAY, Samantha (Orgs.). Somatechnics: queering the technologisation of bodies. Farnham: Ashgate, 2009.

TAORMINO, Tristan; SIMIZU, Celine Parreñas; PENLEY, Constance; MILLER-YOUNG, Mireille (Orgs.). The feminist porn book: the politics of producing pleasure. New York: Feminist Press, 2013.

Downloads

Publicado

2020-12-18

Edição

Seção

Ponto de Vista