Chica Bananinha, a sapatão barbuda de lá da Paraíba: Quando Sapatão é “Revolução”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n162012

Palavras-chave:

sapatão, lesbianidades, cordel

Resumo

Neste artigo, nos apropriamos do cordel “Chica Bananinha, a sapatão barbuda de lá da Paraíba” (1984), para compreendermos o quanto o nomear pode significar às lesbianidades. Quanto ao embasamento teórico, dentre outros aqui utilizados, contamos com os apontamentos de Swain (2004), Foucault (1988), Platão (2001), para problematizarmos respectivamente os conceitos de Lesbianidade e a representação do ato de nomear as lésbicas. É possível perceber, por meio do cordel, o quanto o nomear, identificar e categorizar, mesmo mediante os estereótipos, possibilitam visibilidade em torno das lesbianidades e constatação da existência das lésbicas frente ao silenciamento histórico e ao apagamento dos registros que atestavam suas existências. O cordel, além de representar essa existência, possibilita problematizar práticas que eram negadas, suprimidas na década de 1980.

Biografia do Autor

Rozeane Porto Diniz, UEPB/UFRPE

Docente Visitante do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Pós-Doutoranda em História pela UFRPE. Doutora e Mestra em Literatura e Interculturalidade pela UEPB. Mestra em História pela UFPB. Participa do Núcleo de Investigações e Intervenções em Tecnologias Sociais/NINETS, do Grupo de Pesquisa: Estudos de Gênero e de Sexualidades, ambos da Universidade Estadual da Paraíba e do Laboratório de Estudos e Intervenções em Patrimônio Cultural e Memória Social/LEPAM da UFRPE.

Referências

ALMEIDA, Horácio de. Dicionário de termos eróticos e afins. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.

ARAÚJO, Eronides Câmara de. Homens traídos e práticas das masculinidades para suportar a dor. 1. ed. Curitiba: Appris, 2016.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: EDUFMG, 1998.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

BUTLER, Judith. “Imitación e insubordinación de gênero”. In: ALLOUCH, Jean et al. Grafías de Eros: Historia, género e identidades sexuales. Buenos Aires: Edelp, 2000. p. 87-113.

CHAMBERLAND, Line. “O lugar das lesbianas no movimento de mulheres”. Labrys – Estudos Feministas, n. 1-2, jul./dez. 2000. Disponível em https://www.labrys.net.br/labrys1_2/chamberland1.html. Acesso em 20/11/2015.

DEL PRIORE, Mary. História do amor no Brasil. São Paulo: Contexto, 2006.

DELEUZE, Gilles; GUATARRI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Aurélio Guerra Neto. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

DINIZ, Rozeane Porto. As representações léxico-semânticas das lesbianidades no cordel. 2013. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Literatura e Interculturalidade, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, PB, Brasil.

DINIZ, Rozeane Porto. As lésbicas no cordel: Representações léxico-semânticas. 1. ed. Curitiba: Appris, 2018.

DROIT, Roger Pol. “Um Pensador, Mil Faces”. In: DROIT, Roger Pol. Michel Foucault: Entrevistas. São Paulo: Graal, 2006. p. 19-39.

FACCHINI, Regina. Entre umas e outras: mulheres, (homo)sexualidades e diferenças na cidade de São Paulo. 2008. Doutorado (Programa de Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

FACCHINI, Regina. “Sopa de letrinhas?” Movimento homossexual e produção de identidades coletivas nos anos 90: um estudo a partir da cidade de São Paulo. 2002. Dissertação (Mestrado) – Programa de Mestrado em Antropologia Social, Departamento de Antropologia Social do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio séc. XXI: o dicionário da Língua Portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

FIORIN, José Luiz. “A linguagem politicamente correta”. Linguasagem, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 1-5, ago. 2008. Disponível em http://www.linguasagem.ufscar.br/index.php/linguasagem/article/view/532. Acesso em 15/11/2016.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: A vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. São Paulo: Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade II: O uso dos prazeres. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. São Paulo: Graal, 1984.

FOUCAULT, Michel. A Hermenêutica do Sujeito: Curso dado no College de France (1981-1982). São Paulo: Martins Fontes, 2006.

GARCIA, Olga Regina Zigelli. “Prática sexual entre mulheres: identidade ou pluralidade sexual?”. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas. Florianópolis, v. 01, p. 48-74, dez. 2003. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/cadernosdepesquisa/article/view/1181/4438. Acesso em 25/11/2016.

GROSFOGUEL, Ramón. “Descolonizar as esquerdas ocidentalizadas: para além das esquerdas eurocêntricas rumo a uma esquerda transmoderna descolonial”. Contemporânea – Revista de Sociologia, São Carlos, v. 2, n. 2, p. 337-362, jul./dez. 2012. (Dossiê Saberes Subalternos) Disponível em http://www.contemporanea.ufscar.br/index.php/contemporanea/article/view/86/51. Acesso em 20/01/2016.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1986.

HOLANDA, Helder de Araújo. A representatividade do espaço na expressão de subjetividades homoeróticas em três narrativas de Aguinaldo Silva. 2012. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Literatura e Interculturalidade, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, PB, Brasil.

LAQUEUR, Thomas. Inventando o sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud. Rio de Janeiro: Relume Dumara, 2001.

MACHADO, Franklin de Cerqueira. Chica bananinha, a sapatão barbuda de lá da Paraíba. Rio de Janeiro, 1984.

MARTINHO, Miriam. 19 de agosto: Dia do Orgulho Lésbico no Brasil, 2009. Disponível em https://gay.blog.br/wp-content/uploads/2017/08/19deagostolivreto-120828140253-phpapp02.pdf. Acesso em 15/11/2016.

MOTT, Luiz. O lesbianismo no Brasil. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1987.

MOTT, Luiz. Amor entre mulheres. Lampião da Esquina, n. 2, 1979. (Centro de Documentação Professor Doutor Luiz Mott) Disponível em http://www.grupodignidade.org.br/wp-content/uploads/2019/04/16-LAMPIAO-DA-ESQUINA-EDICAO-12-MAIO-1979.pdf. Acesso em 25/11/2019.

NAPOLITANO, Minisa Nogueira. A construção do lesbianismo na sociedade carioca oitocentista. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 14, 2004, Caxambú- MG, ABEP. Anais... Caxambú: Associação Brasileira de Estudos Populacionais, 2004. p. 01-22.

PERRIN, Céline; CHETCUTI, Natcha. “Além das aparências: sistema de gêneros e encenação dos corpos lesbianos”. Labrys – Estudos Feministas, n. 1-2, jul./dez. 2002. Disponível em https://www.labrys.net.br/labrys1_2/natacha1.html. Acesso em 10/01/2016.

PLATÃO. Diálogos. Teeteto Crátilo. 3. ed. Belém: EDUFPA, 2001.

PORTINARI, Denise. O discurso da homossexualidade feminina. São Paulo: Brasiliense, 1989.

PRIBERAM DICIONÁRIO. Bichar. Disponível em https://www.priberam.pt/dlpo/bichar. Acesso em 10/08/2016.

RICH, Adrienne. “A heterossexualidade compulsória e a existência lésbica”. Revista Bagoas, Natal, v. 4, n. 5, p. 17-44, nov. 1993. Disponível em http://www.cchla.ufrn.br/bagoas/v04n05art01_rich.pdf. ISSN: 2316-6185 Acesso em 15/11/2015.

SARDENBERG, Cecília Maria Bacellar. Conceituando “Empoderamento” na Perspectiva Feminista. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL: TRILHAS DO EMPODERAMENTO DE MULHERES, 1, 2006, Salvador, Projeto TEMPO, NEIM/UFBA. Anais... Salvador: Projeto TEMPO, NEIM/UFBA, 2006. p. 1-12.

SANTOS, Dulce Oliveira Amarante dos. “Saúde e enfermidades femininas nos escritos médicos (séculos XIII e XIV)”. Revista Territórios e Fronteiras, Cuiabá, v. 6, n. 2, p. 7-20, jul./dez. 2013. Disponível em http://www.ppghis.com/territorios&fronteiras/index.php/v03n02/article/view/230/159. ISSN 1984-9036. Acesso em 15/11/2015.

SILVA, Zuleide Paiva. A aventura de inventar-se ativista lésbica em tempos verde oliva: considerações sobre a primeira organização lésbica da Bahia. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL ENLAÇANDO SEXUALIDADES, 5. 2017, Campina Grande, UEPB. Anais... Campina Grande: Realize, 2017. p. 1-10.

SOARES, Gilberta Santos; COSTA, Jussara Carneiro. “Movimento lésbico e Movimento feminista no Brasil: recuperando encontros e desencontros”. Labrys – Estudos Feministas, v. 20-21, p. 01-20, jul./dez. 2012. Disponível em https://www.mpba.mp.br/sites/default/files/biblioteca/direitos-humanos/direitos-da-populacaolgbt/artigos_teses_dissertacoes/movimento_lesbico_e_movimento_feminista_no_brasil_recuperando_encontros_e_desencontros_1.pdf. Acesso em 10/01/2016.

SOUTO MAIOR, Mário. Dicionário do palavrão e termos afins. Belo Horizonte: Leitura, 2010.

SWAIN, Tânia Navarro. O que é lesbianismo. São Paulo: Brasiliense, 2004.

SWAIN, Tânia Navarro. “As Teorias da Carne: corpos sexuados, identidades nômades”. Labrys – Estudos Feministas, n. 1-2, jul./dez. 2002. Disponível em https://www.labrys.net.br/labrys1_2/anahita1.html. Acesso em 10/01/2016.

SWAIN, Tânia Navarro. “O que a história não diz, nunca existiu? As amazonas brasileiras”. Caminhos da História, Montes Claros, UNIMONTES, v. 9, 2004.

TOLENTINO, Juliana Gonçalves; BATISTA, Nicole Faria. “Lesbianidade feminista e o pensamento decolonial: diálogos necessários”. In: II CONGRESSO DE DIVERSIDADE SEXUAL E DE GÊNERO, 1ª edição internacional, 2016, Belo Horizonte, UFMG. Anais... Belo Horizonte: Initia Via, 2017. p. 152-159.

TOURAINE, Alain. Um novo paradigma: para compreender o mundo de hoje. Petrópolis: Vozes, 2006.

VAINFAS, Ronaldo. Trópico dos pecados: Moral, sexualidade e inquisição no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989. (Coleção Histórias do Brasil)

VIÑUALES, Olga. Lesbofobia. Barcelona: Bellaterra, 2002.

WITTIG, Monique. “Ninguém nasce mulher”. In: CASTILHOS, Clarisse; PESSAH, Marian (Orgs.). Em rebeldia da bloga ao livro. Porto Alegre: Coleção Libertária, 2009. p. 91-102.

ZANOTTI, Paolo. Gay: La identidad homosexual de Platón a Marlene Dietrich. San Diego: Fondo de Cultura Economica USA, 2010.

Downloads

Publicado

2021-07-21

Edição

Seção

Artigos