O feminismo não é entregue de bandeja: saberes e práticas de um Coletivo feminista estudantil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n265655

Palavras-chave:

Movimentos feministas, representações sociais, escola, jovens

Resumo

Neste artigo, discutimos os saberes e práticas produzidos por um Coletivo feminista de estudantes de Ensino Médio de uma instituição de educação localizada no sul do Brasil. A partir da Teoria das Representações Sociais e dos Estudos Feministas e de Gênero, buscamos entender como o Coletivo se vincula aos conceitos feministas e os coloca em uso ao perseguir seus objetivos. Foi realizada uma pesquisa participante, acompanhando o Coletivo por meio da construção de um diário de campo, de um encontro de sistematização de experiências e de análise documental. Ao analisar o material produzido, organizamos três principais campos culturais: sororidade, corpos e sexualidades, e ‘ser’ mulher/‘ser’ feminista. Concluímos que as jovens buscam visibilizar e modificar as relações sociais em seu meio, elaborando saberes feministas particulares, marcados pela busca ativa e pelo conflito.

Biografia do Autor

Vanessa Soares de Castro, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - IFRS

Psicóloga, mestra em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), psicóloga do setor de Assistência Estudantil do IFRS campus Ibirubá, coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Gênero e Sexualidade (NEPGS) do IFRS campus Ibirubá.

Adriane Roso, Universidade Federal de Santa Maria – UFSM

Psicóloga, doutora em Psicologia (PUCRS), com pós-doutorado em Comunicação (UFSM) e Psicologia Social (Harvard University). Professora Associada na Universidade Federal de Santa Maria - UFSM. Lidera o VIDAS - Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Psicologia Clínica Social e o Grupo de Pesquisa Saúde, Minorias Sociais e Comunicação.

Camila dos Santos Gonçalves, Universidade Franciscana - UFN

Psicóloga com Mestrado em Psicologia, área de concentração Psicologia da Saúde (UFSM). Doutorado em Psicologia Social e Institucional (UFRGS). Foi docente do Curso de Psicologia da Universidade Franciscana - UFN e Tutora no Programa de Residência Multiprofissional em Atenção Clínica Especializada (UFN). Pesquisadora e Colaboradora do VIDAS - Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Psicologia Clínica Social e o Grupo de Pesquisa Saúde, Minorias Sociais e Comunicação.

Referências

ALEMANY, Carme. “Assédio sexual”. In: HIRATA, Helena; LABORIE, Françoise; LE DOARÉ, Hélène; SENOTIER, Danièle (Orgs.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: EDUNESP, 2009. p. 25-29.

ALVAREZ, Sonia E. “Para além da sociedade civil: reflexões sobre o campo feminista”. Cad. Pagu, Campinas, n. 43, p. 13-56, dez. 2014. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332014000200013&lng=en&nrm=iso. Acesso em 15/05/2019.

ARRUDA, Angela. “Despertando do pesadelo: a interpretação”. In: SOUSA, Clarilza P. et al. (Orgs.). Angela Arruda e as representações sociais: estudos selecionados. Curitiba: Champagnat; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2014. p. 117-145.

ARRUDA, Angela. “Teoria das Representações Sociais e teorias de gênero”. Cadernos de Pesquisa, n. 117, nov. 2002. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-15742002000300007&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 15/05/2019.

BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo: A experiência vivida. 2. ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1967.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Tradução de Maria Helena Kuhner. 13. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2015.

BRANDÃO, Carlos R. “A pesquisa participante e a participação da pesquisa. Um olhar entre tempos e espaços a partir da América Latina”. In: BRANDÃO, Carlos R.; STRECK, Danilo R. (Orgs.). A Pesquisa Participante: o Saber da Partilha. Aparecida/SP: Ideias e Letras, 2006. p. 21-54.

BRITO, Priscilla C. de S. “Primavera Feminista: a internet e as manifestações de mulheres em 2015 no Rio de Janeiro”. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO 11 & 13 TH WOMEN’S WORLDS CONGRESS. Anais Eletrônicos, Florianópolis, 2017. Disponível em http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499450296_ARQUIVO_PrimaveraFeminista-ainterneteasmanifestacoesdemulheresem2015noRiodeJaneiro-FazendoGenero.pdf. Acesso em 15/05/2019.

BUITONI, Dulcilia S.; LOPES, Martha. “‘Revista AzMina’ e Carnaval sem Assédio: uma análise do jornalismo ativista no combate à violência contra a mulher”. Cadernos de Gênero e Diversidade, v. 4, n. 2, abr./jun. 2018. Disponível em https://portalseer.ufba.br/index.php/cadgendiv/article/view/24613. Acesso em 15/05/2019.

CARVALHO, Maria E. P. de; RABAY, Glória. “Usos e incompreensões do conceito de gênero no discurso educacional no Brasil”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 23, n. 1, p. 119-136, jan.-abr. 2015. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2015000100119&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em 15/05/2019.

COSTA, Suely G. “Onda, rizoma e ‘sororidade’ como metáforas: representações de mulheres e dos feminismos (Paris, Rio de Janeiro: anos 70/80 do século XX)”. R. Inter. Interd. INTERthesis, Florianópolis, v. 6, n. 2, p. 01-29, jul./dez. 2009. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/interthesis/article/view/12107. Acesso em 15/05/2019.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Tradução do Coletivo Sycorax. 1. ed. São Paulo: Elefante, 2017.

FERREIRA, Gleidiane de S. “Feminismo e redes sociais na Marcha das Vadias no Brasil”. Revista Ártemis, v. XV, n. 1, p. 33-43, jan.-jul. 2013. Disponível em http://www.periodicos.ufpb.br/index.php/artemis/article/view/16636. Acesso em 15/05/2019.

GARCIA, Sergio. Margareth Rago: “O feminismo está na moda. Virou pop”. Revista Época (online), 15/11/2015. Disponível em https://epoca.globo.com/vida/noticia/2015/11/margareth-rago-o-feminismo-esta-na-moda-virou-pop.html. Acesso em 22/08/2017.

GEERTZ, Clifford. “Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura”. In: GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. 1. ed., 13. reimpr. Rio de Janeiro: LTC, 2008. p. 3-21.

GONÇALVES, Eliane. “Renovar, inovar, rejuvenescer: processos de transmissão, formação e permanência no feminismo brasileiro entre 1980-2010”. Revista Brasileira de Sociologia, v. 4, n. 7, jan./jun. 2016. Disponível em http://www.sbsociologia.com.br/revista/index.php/RBS/article/view/160. Acesso em 15/05/2019.

GONÇALVES, Eliane; FREITAS, Fátima R. A.; OLIVEIRA, Elismênnia A. “Das idades transitórias: as ‘jovens’ no feminismo brasileiro contemporâneo, suas ações e seus dilemas”. Rev. Feminismos, v. 1, n. 3, set./dez. 2013. Disponível em https://portalseer.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/29994/17736 e https://doaj.org/toc/2d497a0b108b43e49377f98caecf5e0e. Acesso em 15/05/2019.

GUARESCHI, Pedrinho. “Representações Sociais, Mídia e Movimentos Sociais”. In: GUARESCHI, Pedrinho; HERNANDEZ, Aline; CÁRDENAS, Manuel. Representações Sociais em Movimento: psicologia do ativismo político. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010. p. 77-91.

GUZZO, Morgani. Corpos e campos plurais: os feminismos das Marchas das Vadias no Brasil (2011-2017). 2019. Doutorado (Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

HESS, Remi. “Momento do diário e diário dos momentos”. In: SOUZA, Elizeu C.; ABRAHÃO, Maria Helena M. B. (Orgs.). Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Dados eletrônicos. Porto Alegre: EDIPUCRS; Salvador: EDUNEB, 2006. p. 89-103.

HOLLIDAY, Oscar Jara. “Sistematização das experiências: algumas apreciações”. In: BRANDÃO, Carlos R.; STRECK, Danilo R. (Orgs.). A Pesquisa Participante: o Saber da Partilha. Aparecida/SP: Ideias e Letras, 2006. p. 227-243.

hooks, bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. 4. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019a.

hooks, bell. Teoria feminista: da margem ao centro. 1. ed. São Paulo: Perspectiva, 2019b.

JOVCHELOVITCH, Sandra. “Representações sociais e polifasia cognitiva: notas sobre a pluralidade e sabedoria da razão”. In: ALMEIDA, Angela M. de O.; SANTOS, Maria de F. de S.; TRINDADE, Zeidi A. (Orgs.). Teoria das representações sociais - 50 anos. Brasília: Technopolitik, 2014. p. 211-237.

KERGOAT, Danièle. “Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo”. In: HIRATA, Helena; LABORIE, Françoise; LE DOARÉ, Hélène; SENOTIER, Danièle (Orgs.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: EDUNESP, 2009. p. 67-75.

LOURO, Guacira L. “Pedagogias da Sexualidade”. In: LOURO, Guacira L. (Org.). O Corpo Educado: pedagogias da sexualidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva 2. ed., 2. reimpressão. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. p. 07-34.

LOURO, Guacira L. Gênero, Sexualidade e Educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

LOVELL, Kera. “Girls Are Equal Too: Education, Body Politics, and the Making of Teenage Feminism”. Gend. Issues, v. 33, n. 2, p. 71-95, 2016.

MARKOVÁ, Ivana. “A Fabricação da Teoria das Representações Sociais”. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 47, n. 163, p. 358-375, mar. 2017. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742017000100358&lng=en&nrm=iso. Acesso em 15/05/2019.

MEDEIROS, Fernanda L. S. “Feminismo e neoliberalismo na contemporaneidade: uma ‘nova razão’ para o movimento de liberação das mulheres?”. Teoria e Pesquisa: Revista de Ciência Política, v. 26, n. 2, p. 146-167, 2017. Disponível em http://www.teoriaepesquisa.ufscar.br/index.php/tp/article/view/613. Acesso em 29/08/2020.

MORESCO, Marcielly C. “‘Vai ter shortinho, sim’: um ensaio sobre biopoder e feminismo popular na escola”. In: XI ANPED SUL, Curitiba, PR. Anais... Setor de Educação da UFPR, 2016. Disponível em http://www.anpedsul2016.ufpr.br/portal/wp-content/uploads/2015/11/eixo18_MARCIELLY-CRISTINA-MORESCO.pdf. Acesso em 15/05/2019.

MOSCOVICI, Serge. A psicanálise, sua imagem e seu público. Petrópolis: Vozes, 2012.

MOSCOVICI, Serge. Representações Sociais: investigações em psicologia social. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 2015.

PETCHESKY, Rosalind. “Owning and Disowning the Body: A Reflection”. In: BAKSH, Rawwida; HARCOURT, Wendy (Eds.). The Oxford Handbook of Transnational Feminist Movements. Oxford: Oxford University Press, 2015.

PILCHER, Jane; WHELEHAN, Imelda. Fifty Key Concepts in Gender Studies. London: Sage Publications, 2004.

REAL, Danielly da C. V. Primavera Secundarista: engajamento estudantil nas ocupações de Vitória - ES em 2016. 2018. Mestrado - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento; Justificando, 2017.

ROSO, Adriane. “Mulheres Latinas e Transmissão Vertical do HIV: Visão dos Profissionais da Saúde que Atendem Mulheres Soropositivas nos Estados Unidos”. Revista Interamericana de Psicología, v. 44, n. 2, p. 332-341, 2009. Disponível em https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=28420641014. Acesso em 02/03/2018.

ROSO, Adriane; ROMANINI, Moisés. “Empoderamento individual, empoderamento comunitário e conscientização: um ensaio teórico”. Psicologia e Saber Social, v. 3, n. 1, p. 83-95, 2014. Disponível em https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/psi-sabersocial/article/view/12203. Acesso em 04/03/2019.

RUBIN, Gayle. O Tráfico de Mulheres: notas sobre a “economia política” do sexo. Recife, PE: S.O.S. Corpo, 1993. Disponível em https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/1919. Acesso em 07/05/2017.

SANTINI, Rose M.; TERRA, Camyla; ALMEIDA, Alda R. D. “Feminismo 2.0: mobilização das mulheres no Brasil contra o assédio sexual através das mídias sociais (#primeiroassedio)”. P2P e inov., Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, set./mar. 2017. Disponível em http://revista.ibict.br/p2p/article/view/2341/2390. Acesso em 15/05/2019.

SILVA, Maria O. da S. e. “Reconstruindo um processo participativo na produção do conhecimento: uma concepção e uma prática”. In: BRANDÃO, Carlos R.; STRECK, Danilo R. (Orgs.). A Pesquisa Participante: o Saber da Partilha. Aparecida/SP: Ideias e Letras, 2006. p. 123-149.

SOUSA, Renata F. “Cultura do Estupro: prática e incitação à violência sexual contra mulheres”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 25, n. 1, p. 9-29, jan./abr. 2017. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2017000100009&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em 15/05/2019.

STAERKLÉ, Christian; CLÉMENCE, Alain; SPINI, Dario. “Social Representations: A Normative and Dynamic Intergroup Approach”. Political Psychology, v. 32, n. 5, 2011. Disponível em https://www.jstor.org/stable/41262943?seq=1#page_scan_tab_contents. Acesso em 15/05/2019.

Downloads

Publicado

2021-10-21

Edição

Seção

Artigos