Quem são as “vítimas de verdade” nas delegacias da mulher?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n67802

Palavras-chave:

Violência, Políticas Públicas, Legislação, Delegacias da Mulher,

Biografia do Autor

Elizabete Pellegrini, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda e mestra em Ciência Política pela Universidade Estadual de Campinas e bacharela em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. É integrante do Coletivo Parajás e do Laboratório de Estudos de Política e Criminologia (PolCrim/Unicamp).

Mariana Tordin Boen, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Mestranda em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP e graduada em Psicologia pela Universidade São Francisco.

Referências

GEERTZ, Clifford. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 2014 [1983].

LIMA, Roberto Kant de. “Sensibilidades jurídicas, saber e poder: bases culturais de alguns aspectos do direito brasileiro em uma perspectiva comparada”. Anuário Antropológico, n. 2, p. 25-51, 2010.

LIMA, Roberto Kant de. “Polícia, justiça e sociedade no Brasil: uma abordagem comparativa dos modelos de administração de conflitos no espaço público”. Revista de Sociologia e Política, n. 13, p. 23-38, 1999.

LINS, Beatriz Accioly. A lei nas entrelinhas: a Lei Maria da Penha e o trabalho policial. São Paulo: Editora Unifesp, 2018.

Downloads

Publicado

2020-12-18

Edição

Seção

Resenhas