Mulheres de sucesso no campo científico: uma análise de redes sociais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n268120

Palavras-chave:

Mulheres, Campo Científico, Redes Sociais, Michel Foucault

Resumo

Neste artigo, apresentamos resultados de uma pesquisa que examinou como as mulheres consideradas bem-sucedidas nas áreas da ciência e tecnologia narram a sua trajetória de sucesso. O material empírico constitui-se de reportagens veiculadas na rede social Facebook, obtidas no período de 2015 a 2018. Como aportes teóricos, foram utilizados estudos do pensamento de Michel Foucault. A análise mostrou que as trajetórias das mulheres de sucesso são marcadas pelo enfrentamento individual das dificuldades para consolidar uma carreira. Esse enfrentamento está vinculado aos mecanismos da racionalidade neoliberal presentes em nossa sociedade que posiciona o indivíduo como o único responsável por sua educação e qualificação profissional, esmaecendo a relevância dos processos coletivos e as ações do Estado como formas de garantir e sustentar a equidade de gênero nas áreas científicas.

Biografia do Autor

Polliane Trevisan Nunes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Licenciada em Ciências Sociais (UFRGS) e Mestre em Educação (UFRGS).

Fernanda Wanderer, Professora do Programa de Pós-Graduação em Educacão. Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Educacão, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Doutora em Educacão (UNISINOS), Mestre em Educação (UNISINOS), Licenciada em Matemática (UFRGS).

Referências

AMANTE, Lúcia. “Facebook e novas sociabilidades: contributos da investigação”. In: PORTO, Cristiane; SANTOS, Edmea (Orgs.). Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar. Campina Grande: Editora da Universidade Estadual da Paraíba, 2014. p. 26-46.

BAUMAN, Zygmunt; LYON, David. Vigilância líquida: diálogos com David Lyon. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

CARPENEDO, Manoela. Quando a resistência se torna política pública: analisando a produção de subjetividade(s) nas políticas de equidade de gênero no campo do trabalho. 2011. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social) - Faculdade de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

CASEMIRO, Poliana. “Primeira professora negra no ITA, Sônia Guimarães cobra igualdade para mulheres: conservadorismo já não é mais capaz de nos parar”. G1 Notícias [online], São Paulo, 08/03/2018. Disponível em https://g1.globo.com/sp/vale-do-paraiba-regiao/noticia/primeira-professora-negra-no-ita-sonia-guimaraes-cobra-igualdade-para-mulheres-conservadorismo-ja-nao-e-mais-capaz-de-nos- parar.ghtml. Acesso em 21/10/2019.

CASTELLS, Manuel. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

CORRÊA, Raimunda de Nazaré Fernandes. Gênero, saber e poder: mulheres nas engenharias da Universidade Federal do Pará. 2011. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido) - Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da Universidade Federal do Pará, Belém, PA, Brasil.

COSTA, Sylvio de Sousa Gadelha. “Governamentalidade neoliberal, teoria do capital humano e empreendedorismo”. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 171-186, maio/ago. 2009.

ESTARQUE, Marina. “Mulher assume direção da Poli-USP pela primeira vez em 124 anos. Liedi Bernucci, 59, chefiará uma das maiores escolas de engenharia do país”. Folha de São Paulo [online], 08/03/2018. Disponível em https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/03/mulher-assume-direcao-da-poli-usp-pela-primeira-vez-em- 124-anos.shtml. Acesso em 21/10/2019.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. “Foucault e a análise do discurso em educação”. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 114, p. 197-223, nov. 2001.

FORECHI, Marcilene. Identidades femininas em comentários no Facebook: uma análise a partir dos Estudos Culturais em Educação. 2018. Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da Biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

JUNQUEIRA, Flávia. “PhD em Química por Harvard, brasileira faz pesquisa de ponta com alunos no ensino médio”. Jornal Extra [online], São Paulo, 25/09/2017. Disponível em https://extra.globo.com/noticias/rio/phd-em-quimica-por-harvard-brasileira-faz-pesquisa-de-ponta-com-alunos-no-ensino-medio-21863584.html. Acesso em 21/10/2019.

LARROSA, Jorge. “Tecnologias do eu e educação”. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 35-86.

LIBERATO, Tatiane Furukawa; ANDRADE, Thales Haddas Novaes de. “Relações de gênero e inovação: atuação de mulheres nos NITs paulistas”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 26, n. 2, ago. 2018. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/41763. Acesso em 11/09/2019.

LOMBARDI, Maria Rosa. Perseverança e resistência: a Engenharia como profissão feminina. 2004. Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

LOPES, Maura Corcini. “Políticas de inclusão e governamentalidade”. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 153-169, maio/ago. 2009.

LÓPEZ-RUIZ, Osvaldo Javier. O ethos dos executivos das transnacionais e o espírito do capitalismo. 2004. Doutorado (Departamento de Sociologia) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 2014.

LUZZARDI, Luciana. Força e luz: natureza, cultura e pedagogias de gênero na CEEE transmissão. 2017. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Faculdade de Educação da Universidade Luterana do Brasil, Canoas, RS, Brasil.

LYON, David. “Introdução”. In: BAUMAN, Zygmunt; LYON, David. Vigilância líquida: diálogos com David Lyon. Rio de Janeiro: Zahar, 2014. p. 9-24.

MELO, Maria Celia Macedo Araújo. Gênero e universidade: a presença da mulher aluna nos Cursos do Centro de Ciências Exatas e Tecnologia da Universidade Federal do Maranhão. 2013. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Faculdade de Educação da Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA, Brasil.

MEYER, Dagmar Estermann. “Abordagens pós-estruturalistas de pesquisa na interface educação, saúde e gênero: perspectiva metodológica”. In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves (Orgs.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012. p. 49-64.

MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves. “Metodologias de pesquisa pós-críticas ou sobre como fazemos nossas investigações”. In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves (Orgs.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012. p. 17-24.

MORAES, Adriana Zomer de. Relações de gênero e a formação de engenheiras e engenheiros. 2016. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Faculdade de Educação da Universidade do Sul de Santa Catarina, Tubarão, SC, Brasil.

MULHERES NA CIÊNCIA. “A sociedade espera que uma mulher tenha sonhos pequenos, mas eu decidi ser astronauta”. Mulheres na Ciência [online], 18/12/2017. Disponível em https://www.paramulheresnaciencia.com.br/noticias/sociedade-espera-que-uma-mulher-tenha-sonhos-pequenos-mas-eu-decidi-ser-astronauta-diz-jovem-brasileira-de-18-anos-que-visitou-nasa . Acesso em 21/10/2019.

PARAÍSO, Marlucy Alves. “Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação e currículo: trajetórias, pressupostos, procedimentos e estratégias analíticas”. In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves (Orgs.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012. p. 25-48.

SANTOS, Iolanda Montano dos; KLAUS, Viviane. “A inclusão e o sujeito empresário de si”. In: FABRIS, Elí Henn; KLEIN, Rejane Ramos. Inclusão e biopolítica. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2013. p. 61-78.

SARAIVA, Karla. “A aliança biopolítica educação-trabalho”. Revista Pro-Posições, Campinas, v. 25, n. 2, p. 139-156, maio/ago. 2014.

SARAIVA, Karla; VEIGA-NETO, Alfredo. “Modernidade Líquida, Capitalismo Cognitivo e Educação Contemporânea”. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 187-202, maio/ago. 2009.

SCHIEBINGER, Londa. “Mais mulheres na ciência: questões de conhecimento”. Revista História, Ciências, Saúde, Rio de Janeiro, v. 15, p. 269-282, jun./set. 2008.

SCHIEBINGER, Londa. O feminismo mudou a ciência? Bauru: Editora da USC, 2001.

SILVA, Fabiane Ferreira da. Mulheres na ciência: Vozes, tempos, lugares e trajetórias. 2012. Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências) - Faculdade de Química da Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, RS, Brasil.

SPERB, Paula. “Atleta de cálculos, gaúcha de 14 anos se prepara para mundial”. Folha de São Paulo [online], São Paulo, 21/02/2016. Disponível em https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2016/02/1741518-medalhista-de-matematica-gaucha-de-14-anos-estuda-para-mundial.shtml. Acesso em 21/10/2019.

VEIGA-NETO, Alfredo; LOPES, Maura Corcini. “Inclusão e governamentalidade”. Educação & Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 947-964, out./dez. 2007.

WALKERDINE, Valerie. “Ciência, razão e a mente feminina”. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 32, n. 1, p. 7-24, jan-jun. 2007.

Downloads

Publicado

2021-10-21

Edição

Seção

Artigos