Escritas de sangue: existir e transgredir nas encruzilhadas das violências

Autores

  • Marisangela Lins Almeida Doutoranda em História pelo Programa de Pós-Graduação da UFSC

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n169867

Palavras-chave:

Feminismo negro, Gênero, Interseccionalidade

Referências

CARNEIRO, Sueli. Escritos de uma vida. Belo Horizonte: Letramento, 2018.

COLLINS, Patrícia Hill. “Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro”. Revista Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, p. 99-127, jan./abr. 2016.

CRENSHAW, Kimberle. “Documento para encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero”. Revista Estudos Feministas, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002.

EVARISTO, Conceição. “Em legítima defesa”. In: CARNEIRO, Sueli. Escritos de uma vida. Belo Horizonte: Letramento, 2018. p. 07-09.

EVARISTO, Conceição. “Literatura negra: uma poética de nossa afro-brasilidade”. Scripta, Belo Horizonte, v. 13, n. 25, p. 17-31, 2º sem. 2009.

GILLIAM, Angela. In: Anais do Seminário Internacional Multiculturalismo e racismo: o papel da ação afirmativa nos Estados Democráticos Contemporâneos. Brasília: Ministério da Justiça, Secretaria Nacional de Direitos Humanos, 1996.

SCOTT, Joan. “Experiência”. In: SILVA, Alcione Leite da; LAGO, Mara Coelho de S.; RAMOS, Tânia Regina Oliveira (Orgs.). Falas de Gênero. Florianópolis: Mulheres, 1999. p. 21-55.

Downloads

Publicado

2021-07-21

Edição

Seção

Resenhas