Sair de casa, mulheres que desafiam a tradição em Amanhecer

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n372689

Palavras-chave:

Amanhecer, Lúcia Miguel Pereira, romance de formação com protagonista feminina, Bildungsroman, sexualidade feminina

Resumo

As lutas das mulheres por adquirir independência e autonomia em relação a seus corpos e suas vidas têm sido uma constante histórica. Desde os tempos coloniais, o corpo da mulher e o controle da sua sexualidade foram submetidos ao poder masculino. Amanhecer (1938) é uma novela de formação com protagonista feminina escrita por Lúcia Miguel Pereira. A novela narra o trânsito à idade adulta de Maria Aparecida, uma mulher idealista e romântica que viveu a angústia existencial e a crise que gerou a mudança de paradigma sobre o feminino na primeira metade do século XX no Brasil. Com esta transformação, muitas mulheres encontraram outros espaços, além de casa, para trabalhar. Não entanto, elas sofreram com o peso do legado cultural, desfavorável às mudanças, e a estagnação das práticas e os imaginários sociais.

Biografia do Autor

Andrea Angel Baquero, Western University

Estudiante de segundo año del doctorado en Hispanic Studies en el área de Literatura y Cultura de Western University en London, Canadá. Magíster en Literatura de la Pontificia Universidad Javeriana y Licenciada en Humanidades y Lengua Castellana de la Universidad Distrital Francisco José de Caldas, ambas en Bogotá, Colombia. 

Referências

ABEL, Elizabeth; HIRSCH, Marianne; LANGLAND, Elizabeth (Org). The voyage in fictions of female development. Hanover and London: University Press of New England, 1983.

ALMEIDA, Edwirgens Aparecida Ribeiro Lopes de. “Desafiando o novelo ficcional-Lúcia Miguel Pereira e a representação do cenário político”. Revista Caligrama [online], Belo Horizonte, 2013, v. 18, n. 1, p. 123-145. Disponível em http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/caligrama/article/view/3053 ISSN 2238-3824. Acesso em 19/08/2020.

ARAÚJO, Emmanuel. “A arte da sedução: sexualidade feminina na colônia”. In: DEL PRIORE, Mary (Org). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 1997.

AZEVEDO ROCHA, Izaura Regina. Crítica, romance y género uma perspectiva convergente da obra de Lúcia Miguel Pereira. 2010. Mestrado (Estudos Literários em Teorias da Literatura e Representações Culturais) - Faculdade de Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, Brasil.

BUENO, Luís. Uma história do romance de 30. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

COROMINAS, Juan. Breve diccionario etimológico de la lengua castellana. Madrid: Gredos, 1961.

D’INCAO, Maria Ângela. “Mulher e família burguesa”. In: DEL PRIORE, Mary (Org). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 1997.

FERREIRA-PINTO, Cristina. Gender, discourse, and desire in Twentieth- Century Brazilian Women´s Literature. Indiana: Purdue University Press, 2004.

LAGOS, María Inés. En tono mayor: Relatos de formación de protagonista femenina en Hispanoamérica. Santiago de Chile: Editorial Cuarto Propio, 1996.

PEREIRA, Lúcia Miguel. Amanhecer. Rio de Janeiro: José Olympio, 1979.

PINTO VENÂNCIO, Renato. “Maternidade negada”. In: DEL PRIORE, Mary (Org). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 1997.

PRATT, Annis. Archetypal patterns in women´s fiction. Bloomington: Indiana University Press, 1981.

RAGO, Margareth. “Trabalho feminino e sexualidade”. In: DEL PRIORE, Mary (Org). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 1997.

SANTOS, Juliana. Ficção y crítica de Lúcia Miguel Pereira a literatura como formação. 2012. Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Letras) - Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

VAINFAS, Ronaldo. “Homoerotismo feminino e o Santo Ofício”. In: DEL PRIORE, Mary (Org). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 1997.

Publicado

2021-12-10

Edição

Seção

Artigos