Manifestações textuais (insubmissas) travesti

Autores

  • Sara Wagner York/Sara Wagner Pimenta Goncalves Jr Universidade do Estado do Rio de Janeiro https://orcid.org/0000-0002-4397-891X
  • Megg Rayara Gomes Oliveira Universidade Federal do Paraná
  • Bruna Benevides Marinha do Brasil

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n75614

Palavras-chave:

manifesto, travesti, transancestralidade, movimentos sociais

Resumo

cisgeneridade-binária, heterossexual e compulsória como regime de governamentalidade (Michel FOUCAULT, 1979) determinou, por muito tempo, pressupostos que abarcam marcas profundas com seus estabelecidos normativos. As normas, marcadas pelo regime, acorrentaram as multiplicidades sexuais e de gênero fora daquilo que compreendia o social no Brasil e em boa parte do mundo. A marca repulsiva e marginalizada impressa pelos pressupostos da cis-hetero-governamentalidade de identidades de gênero e sexo no Brasil tem sua emergência a partir dos estudos que nomeavam como substantivo masculino as travestis, os primeiros corpos ciborgues (Donna HARAWAY, 1994) do/no Brasil. Além disso, tal dinâmica marcava corpos travestis em uma condição de não lugar. Muitos estudos abriram trincheira por vales colonizados na tentativa de descrever as subjetividades travestis, além dos essencialismos de gênero (Paul B. PRECIADO, 2017). Este manifesto, aos moldes de outros, busca apresentar, a partir de um pensamento travesti, caminhos atravessados pelo transfeminismo e transativismo, para um futuro travesti, marcado pela luta, afeto e pela presença destas vidas e práticas (transformadoras) em todos os (anti)estratos sociais que operam com o poder da negatividade (Jack HALBERSTAN, 2012).

Biografia do Autor

Sara Wagner York/Sara Wagner Pimenta Goncalves Jr, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Licenciada em Pedagogia (UERJ) e Letras – Inglês e respetivas Literaturas (UNESA), Graduanda em Letras – Português e respectivas literaturas e Mestre em Educação – GENI/ProPEd - UERJ e foi bolsista CNPq.

Megg Rayara Gomes Oliveira, Universidade Federal do Paraná

Professora adjunta e professora credenciada no Programa de Pós-Graduação em Educação no Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná; Coordenadora do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Universidade Federal do Paraná. Pesquisa Gênero, Diversidade Sexual e Relações étnico-Raciais.

Bruna Benevides, Marinha do Brasil

Sargenta da Marinha do Brasil, autora do Dossiê dos Assassinatos e da Violência contra Travestis e Transexuais Brasileiras, coordenadora do Pré Vestibular Social - PreparaNem - de Niteroi-RJ, secretária de articulação política da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA), secretária de comunicação da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABGLT), membro da Rede Nacional de Operadores de Segurança Pública LGBTI+ (RENOSP LGBTI+) e membro fundadora do Fórum Estadual de Travestis e Transexuais do Rio de Janeiro (Fórum TTRJ)

Referências

AMARAL, Marília dos Santos; SILVA, Talita Caetano; CRUZ, Karla de Oliveira; TONELI, Maria Juracy Filgueiras. “‘Do travestismo às travestilidades’: uma revisão do discurso acadêmico no Brasil entre entre 2001-2010". Revista Psicologia & Sociedade, v. 2, n. 26, p. 301-311, 2014.

ANDRADE, Luma Nogueira de. Travestis na escola: assujeitamento e resistência à ordem normativa. 2012. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012.

ANTRA. “Relatório Completo de Assassinatos de Travestis e Transexuais da Antra”. Antra, 2019. Disponível em https://antrabrasil.org/assassinatos/.

ANZALDÚA, Gloria. “La conciencia de la mestiza / rumo a uma nova consciência”. Revista Estudos Feministas, v. 13, n. 3, 2005. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2005000300015.

BENTO Berenice M. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. 2003. Tese (Doutorado em Sociologia) – Departamento de Sociologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2003.

BENTO Berenice M. “Brasil: o país do transfeminícidio”. Revista Fórum, 2014. Disponível em https://revistaforum.com.br/noticias/brasil-o-pais-transfeminicidio/. Acesso em 25/07/2020.

BORGES, Rosane. “Sobre imagens intoleráveis: o episódio Verônica Bolina”. Instituto Geledés, 2015. Disponível em https://www.geledes.org.br/sobre-imagens-intoleraveis-o-episodio-veronica-bolina/. Acesso em 25/07/2020.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I. A vontade de saber. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. O governo de si e dos outros. São Paulo: Wmf Martins Fontes, 2010.

GONÇALVES JR, Sara Wagner Pimenta. “As (Trans)Alianças e a Neomaquinaria”. Carta Capital, 2019. Disponível em https://www.cartacapital.com.br/justica/as-transaliancas-e-a-neomaquinaria/. Acesso em 27/07/2020.

GONÇALVES JR, Sara Wagner Pimenta. Corpos transgressores: Políticas de resistências. Campinas: Pontes, 2018.

HALBERSTAM, Jack. Gaga feminism. Estados Unidos: Beacon Press Books, 2012.

HARAWAY, Donna. “A manifesto for cyborgs: Science, technology, and socialist feminism in the 1980s”. The postmodern turn: New perspectives on social theory, p. 82-115, 1994.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz (Org.). Diversidade sexual na educação: problematizações sobre homofobia nas escolas. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, UNESCO, 2009.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogá, 2019.

MARTINI, Paula; SABÓIA, Gabriel. “Pesquisadores trans ainda enfrentam desconfiança sobre sua produção acadêmica”. Rádio Globo, 2018. Disponível em https://cutt.ly/zhsy3M7.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: N-1, 2019.

MIRANDA, Ana Maria. “Ex-atleta Caitlyn Jenner recebe prêmio por assumir que é trans”. Uol, 16/07/2015. Disponível em https://cutt.ly/2hsy0n3.

OLIVEIRA, Megg Rayara Gomes de. “Transexistências negras: O lugar de travestis e mulheres transexuais negras no Brasil e em África até o século XIX”. In: RIBEIRO, Paula Regina Costa et al. Corpo, gênero e sexualidade: resistência e ocupa(ações) nos espaços de educação. Rio Grande: EDFURG, 2018.

PELÚCIO, Larissa. Abjeção e desejo: uma etnografia travesti sobre o modelo preventivo de aids. São Paulo: FAPESP, 2009.

PERES, William Siqueira. “Cenas de exclusões anunciadas: travestis, transexuais, transgêneros e a escola brasileira”. In: JUNQUEIRA, Rogério Diniz (Org.). Diversidade sexual na educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília, DF: MEC/UNESCO, 2009. p. 235-263.

PRECIADO, Paul B. Manifesto Contrassexual. Tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: N-1, 2017.

RODOVALHO, Amara Moira. “Cis pelo Trans”. Revista Estudos Feministas, v. 25, n. 1, p. 365-373, 2017.

SANTOS, Dayana Carlin Brunetto dos. Cartografias da transexualidade: a experiência escolar e outras tramas. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, 2010.

SARNEY, José. “Presidenta ou presidente”. Academia Brasileira, 2010. Disponível em https://www.academia.org.br/artigos/presidenta-ou-presidente.

SPIVAK, Marla; GILLIAM, Martha. “Hygienic behaviour of honey bees and its application for control of brood diseases and Varroa: Part II. Studies on hygienic behaviour since the Rothenbuhler era”. Bee world, v. 79, n. 4, p. 169-186, 1998.

STRYKER, Susan. Transgender History. Berkeley: Seal Press, 2008.

SUSSEKIND, Maria Luiza; YORK, Sara Wagner; CARMO, Lorena Azevedo do. “- Quem vai ao banheiro é o quê? - É gente”. Coletiva, 2020. Disponível em https://www.coletiva.org/educacao-e-diferencase-n12. Acesso em 28/06/2020.

VIEIRA, Fernanda Dantas. “A caça aos homossexuais e às travestis na ditadura militar”. Pragmatismo Político, 2015. Disponível em https://cutt.ly/7hsy55d. Acesso em 08/08/2019.

Downloads

Publicado

2020-12-18

Edição

Seção

Dossiê Inflexões feministas e agenda de lutas no Brasil contemporâneo