Diálogos sobre a obra de Heleieth Saffioti e o feminismo de esquerda

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n176772

Palavras-chave:

Heleieth Saffioti, marxismo, feminismo, movimento de mulheres, trabalho

Resumo

Tendo o marxismo como instrumental teórico para compreender as desigualdades entre mulheres e homens nas sociedades de classes, a obra de Heleieth Saffioti foi pioneira ao apontar que as categorias de sexo, raça/etnia e classe são constitutivas da sociedade, destacando o papel do trabalho nas relações de desigualdade. A articulação dessas contradições foi um debate importante na formação do feminismo que se forjou no país a partir da década de 1970, com uma forte militância de mulheres de esquerda, e permanece central para o feminismo hoje. Ao final dos anos 1980, priorizando elaborações sobre o conceito de gênero, classe e raça/etnia e o tema da violência, Heleieth Saffioti renovou sua presença intelectual e militante no feminismo no Brasil em novos diálogos que inspiram a intervenção feminista e as lutas dos movimentos de mulheres que visam à transformação da sociedade.

Biografia do Autor

Maria Lucia da Silveira, Sempreviva Organização Feminista (SOF)

Graduada em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (USP) e doutora em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Socióloga da Prefeitura de São Paulo, onde foi Coordenadora de Ações Temáticas de Saúde, Educação e Cultura da Secretaria de Políticas para as Mulheres do Município de São Paulo (2012-2015). Foi também professora universitária entre 2002-2011. Colabora com a ONG Sempreviva Organização Feminista (SOF) realizando estudos, pesquisas e formação feminista.

Tatau Godinho, Pesquisadora independente

Doutora em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), autora de artigos da temática feminista. É militante da Marcha Mundial das Mulheres. Trabalhou na Secretaria de Políticas para as Mulheres do Governo Federal, de 2011 a 2016, onde foi Secretária de Políticas do Trabalho e Autonomia Econômica das Mulheres. Com Gustavo Venturi, organizou Mulheres brasileiras e gênero nos espaços públicos e privados: uma década de mudanças na opinião pública, publicado em 2013, pelo SESC/SP e Fundação Perseu Abramo.

Referências

ABREU, Maira. Feminismo no exílio: o Círculo de Mulheres Brasileiras em Paris e o Grupo Latino-americano de Mulheres em Paris. São Paulo: Alameda, 2014.

ALVAREZ, Sonia. “Politizando as relações de gênero e engendrando a democracia”. In: STEPAN, Alfred (Org.). Democratizando o Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988. p. 315-380.

COMBES, Danièle; HAICAULT, Monique. “Produção e reprodução: relações sociais de sexos e de classes”. In: KARTCHEVSKY-BULPORT, Andrée et al. O sexo do trabalho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. p. 23-44.

CRENSHAW, Kimberlé. “Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, 1º sem. 2002.

FARIA, Nalu. “O feminismo latino-americano e caribenho: perspectivas diante do neoliberalismo”. In: FARIA, Nalu; POULIN, Richard (Orgs). Desafios do livre mercado para o feminismo. São Paulo: SOF, 2005. p. 11-39. (Coleção Cadernos Sempreviva. Série Gênero, Políticas Públicas e Cidadania, 8)

FRASER, Nancy; JAEGGI, Rahel. Capitalismo em debate: uma conversa na teoria crítica. São Paulo: Boitempo, 2020.

GODINHO, Tatau. “O PT e o feminismo”. In: BORBA, Ângela; FARIA, Nalu; GODINHO, Tatau (Orgs.). Mulher e política: gênero e feminismo no Partido dos Trabalhadores. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1998. p. 15-32.

GOLDBERG, Anette. “Feminismo no Brasil contemporâneo: o percurso intelectual de um ideário político”. BIB: Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, Rio de Janeiro, n. 28, p. 42-70, 2º sem. 1989. Disponível em https://www.anpocs.com/index.php/bib-pt/bib-28/409-feminismo-no-brasil-contemporaneo-o-percurso-intelectual-de-um-ideario-politico/file. Acesso em: 26/04/2021.

GONÇALVES, Renata. “Heleieth Saffioti e o feminismo marxista”. Marxismo 21. [Apresentação sobre Heleieth Saffioti], 08/03/2016. Disponível em https://marxismo21.org/heleieth-saffioti-marxismo-genero-e-feminismo/. Acesso em 19/12/2019.

GONÇALVES, Renata. “O feminismo marxista de Heleieth Saffioti”. Revista Lutas Sociais, São Paulo, n. 27, p. 119-131, 2º sem. 2011.

HIRATA, Helena. “Divisão internacional do trabalho, precarização e desigualdades interseccionais”. Revista da ABET, v. 17, n. 1, jan./jun. 2018. p. 7-15. Disponível em https://www.researchgate.net/publication/332822669_DIVISAO_INTERNACIONAL_DO_TRABALHO_PRECARIZACAO_E_DESIGUALDADES_INTERSECCIONAIS. Acesso em 21/01/2020.

HIRATA, Helena. “Reorganização da produção e transformações do trabalho: uma nova divisão sexual?”. In: BRUSCHINI, C.; UNBEHAUM, S. G. (Orgs.). Gênero, democracia e sociedade brasileira. São Paulo: FCC; Ed. 34, 2002. p. 339-355.

KARTCHEVSKY-BULPORT, Andrée et al. O sexo do trabalho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

KERGOAT, Danièle. “Compreender as lutas das mulheres por sua emancipação pessoal e coletiva”. In: MORENO, Renata (Org.). Feminismo, economia e política: debates para a construção da igualdade e autonomia das mulheres. São Paulo: SOF, 2014. p. 11-21.

KERGOAT, Danièle. “Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais”. Novos Estudos Cebrap, n. 86, p. 93-103, mar. 2010. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002010000100005. Acesso em 10/10/2020.

KERGOAT, Danièle. “Em defesa de uma sociologia das relações sociais: da análise crítica das categorias dominantes à elaboração de uma nova conceituação”. In: KARTCHEVSKY-BULPORT, Andrée et al. O sexo do trabalho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. p. 79-93.

MÉNDEZ, Natalia Pietra. Com a palavra, o segundo sexo: percursos do pensamento intelectual feminista no Brasil dos anos 1960. 2008. Doutorado (Programa de Pós-Graduação em História) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

MIGUEL, Luis Felipe. “Voltando à discussão sobre capitalismo e patriarcado”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 25, n. 3, p. 1219-1237, set./dez. 2017. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ref/v25n3/1806-9584-ref-25-03-01219.pdf. Acesso em 20/12/2019.

MORAES, Maria Lygia Quartim de. “Feminismo e política: dos anos 60 aos nossos dias”. Revista Estudos de Sociologia. Araraquara, v. 17, n. 32, p. 107-121, 2012.

PATEMAN, Carole. O contrato sexual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

SAFFIOTI, Heleieth. “Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero”. Cadernos Pagu, Unicamp, Campinas, SP, v. 16, p. 115-136, 2001.

SAFFIOTI, Heleieth. “Diferença ou indiferença: gênero, raça/etnia, classe social”. In: Prefeitura do Município de São Paulo, Coordenadoria Especial da Mulher. GODINHO, Tatau; SILVEIRA, Maria Lúcia da (Orgs.). Políticas públicas e igualdade de gênero. São Paulo, 2004 [1995]. p. 35-42.

SAFFIOTI, Heleieth. A mulher na sociedade de classes. Mito e realidade. São Paulo: Expressão Popular, 2013 [1969].

SAFFIOTI, Heleieth. “Entrevista com Heleieth Saffioti”. [Entrevista cedida a] Juliana Cavilha Mendes e Simone Becker. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 1, p. 141-165, jan./abr. 2011a.

SAFFIOTI, Heleieth. “Entrevista com Heleieth Saffioti”. [Entrevista cedida a] Natalia Pietra Méndez. Anexo de Com a palavra, o segundo sexo: percursos do pensamento intelectual feminista no Brasil dos anos 1960. 2008. Doutorado (Programa de Pós-Graduação em História) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2008.

SAFFIOTI, Heleieth. “Heleieth Saffioti por ela mesma: antecedentes de A mulher na sociedade de classes”. [Entrevista cedida a] Renata Gonçalves e Carolina Branco. Revista Lutas Sociais, São Paulo, n. 27, p. 70-81, 2º sem. 2011b. (Dossiê Um ano sem Heleieth Saffioti).

SAFFIOTI, Heleieth. Mulher brasileira: opressão e exploração. Rio de Janeiro: Achiamé, 1984.

SAFFIOTI, Heleieth. “No fio da navalha: violência contra crianças e adolescentes no Brasil atual”. In: MADEIRA, Felícia (Org.). Quem mandou nascer mulher? Rio de Janeiro: Ed. Rosa dos Tempos; UNICEF, 1997. p. 135-211.

SAFFIOTI, Heleieth. “Prefácio ou Post-fácio?”. In: VINAGRE SILVA, Marlise. Violência contra a mulher: quem mete a colher? São Paulo: Cortez, 1992a.

SAFFIOTI, Heleieth. “Rearticulando gênero e classe social”. In: COSTA, Albertina de Oliveira; BRUSCHINI, Cristina (Orgs.). Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1992b, p. 183-215.

SAFFIOTI, Heleieth. “Reminiscências, releituras, reconceituações”. Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, ano 0, n. 0, p. 97-103, 2º sem. 1992c.

SAFFIOTI, Heleieth. “Violência de gênero no Brasil contemporâneo”. In: SAFFIOTI, Heleieth; MUÑOZ-VARGAS, Mônica (Orgs.). Mulher brasileira é assim. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, Nipas; Brasília-DF: Unicef, 1994. p. 151-182.

SAFFIOTI, Heleieth; ALMEIDA, Sueli Souza de. Violência de gênero: poder e impotência. Rio de Janeiro: Ed. Revinter, 1995.

SARTI, Cíntia. “Feminismo no Brasil: uma trajetória particular”. Cadernos de Pesquisa, São Paulo: Fundação Carlos Chagas, n. 64, p. 38-47, fev. 1988.

SOIHET, Rachel. “Mulheres moldando esteticamente suas existências: feminismo como alavanca para uma sociedade mais justa”. Projeto História, São Paulo, n. 45, p. 29-60, dez. 2012.

TAYLOR, Ivonne; WATSON, Judy. “Os homens se beneficiam com a opressão das mulheres?”. Revista Perspectiva Internacional, n. 7, p. 22-24, nov./dez. 1983.

TELES, Amelinha; LEITE, Rosalina Santa Cruz. Da guerrilha à imprensa feminista: a construção do feminismo pós-luta armada no Brasil (1975-1980). São Paulo: Intermeios, 2013.

VINTEUIL, Frédérique. Marxismo e feminismo. Tradução Cadernos Democracia Socialista. São Paulo: Editora Aparte, 1989. (Cadernos Democracia Socialista, v. 8).

Downloads

Publicado

2021-07-21

Edição

Seção

Heleieth Saffioti – 50 anos d’A Mulher na Sociedade de Classes