Competições esportivas mundiais LGBT: guetos sexualizados em escala global?

Wagner Xavier de Camargo, Carmen Silvia Moraes Rial

Resumo


Os guetos são espaços circunscritos e marginais nos quais, ao longo da história, minorias religiosas, sociais, étnicas e sexuais foram encapsuladas e segregadas. Atravessados por fluxos e tensões em movimento do global landscape, tais territórios devem ser revisitados sob a ótica da globalização. Com o propósito de analisar territorialidades marginais de gênero atreladas a eventos esportivos LGBT, este artigo buscou ressemantizar o conceito de gueto da “Escola de Chicago” e repensá-lo segundo novas perspectivas analíticas, aplicadas a duas competições esportivas mundiais (Gay Games e World OutGames) voltadas para o público LGBT. Percebeu-se que a ocorrência dessas competições e as expectativas em torno de “capitais ejaculantes” de corpos, sexos, desejos e sexualidades vinculados ao esporte abrem a perspectiva de que tais torneios performatizem “guetos sexualizados”, isto é, espaços territorializados de práticas itinerantes de desejos, na lógica de uma circulação em escala global, de corpos e de capital.


Palavras-chave


Guetos Sexualizados; Competições Esportivas LGBT; Globalização; Circulação de Desejos

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2011000300017

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.