A psicanálise no contexto da clínica escola

Autores

  • Cristina Kern Universidade Estadual do Extremo Sul Catarinense (UNESC), Criciúma/SC
  • Aniely Kristyne Universidade Estadual do Extremo Sul Catarinense (UNESC), Criciúma/SC

DOI:

https://doi.org/10.5007/2178-4582.2017v51n1p250

Resumo

O estudo apresenta aspectos teóricos e práticos que envolvem o trabalho de estágio na clínica escola de um Curso de Psicologia em Santa Catarina. O desenvolvimento ocorre no campo da Psicologia clínica, a partir da perspectiva psicanalítica, visando contribuir para discussões e reflexões críticas sobre esse universo. Tem por objetivo principal apresentar os fenômenos do campo do tratamento psicanalítico, abrangendo a sequência do trabalho da clínica com adultos, na particularidade da intervenção no contexto da clínica escola, por meio do diálogo entre a literatura e o relato de experiências da autora. O trabalho foi realizado através da pesquisa bibliográfica em que foram extraídos conceitos sobre dispositivos clínicos do âmbito da psicanálise. Apresentam-se algumas vivências ao longo do processo de construção do ser psicólogo que podem ser úteis ao público acadêmico em seu início de formação profissional. Conclui-se, que dentre os cinco anos de formação profissional, o último, o qual comporta o espaço percorrido na clínica escola é o mais significativo, por todo aprendizado teórico e prático proporcionado e, fundamentalmente, por ser um momento marcante na construção da identidade pessoal e profissional do estudante de psicologia.

Biografia do Autor

Cristina Kern, Universidade Estadual do Extremo Sul Catarinense (UNESC), Criciúma/SC

Cristina Kern é professora da Universidade Estadual do Extremo Sul Catarinense.Endereço: Rua Bortolo Pavan, 352. Apto. 702, Bairro Santa Augusta. Criciúma. CEP 88805-245.

Aniely Kristyne, Universidade Estadual do Extremo Sul Catarinense (UNESC), Criciúma/SC

Aniely Kristyne é formada em Psicologia pela UNESC.

Referências

AZEVEDO, J. M. R.; BARBOSA, M. A. Triagem em serviços de saúde: percepções dos usuários. Revista de Enfermagem, UERJ, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 33-39, jan./mar., 2007. Disponível em: <http://www.facenf.uerj.br/v15n1/v15n1a05.pdf>. Acesso em: 05 out. 2014.

BIRMAN, J. A direção da pesquisa psicanalítica. In: Psicanálise, ciência e cultura. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994. p. 13-27.

CONTE, B. de S. Reflexões sobre o método e a metodologia em Psicanálise. Revista da Sociedade de Psicologia do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v. 1, n. 3, p. 06-10, jun. 2004.

CORDIOLLI, A. V. Psicoterapias: abordagens atuais. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.

DUNKER, C. Estrutura e constituição da clínica psicanalítica: uma arqueologia das práticas de cura, psicoterapia e tratamento. São Paulo: Annablume, 2011.

EIZIRICK, C. Psicoterapia de Orientação Analítica. Porto Alegre, Artmed, 2005.

ETCHEGOYEN, R. H. Psicanálise e psicoterapia de orientação analítica; semelhanças e diferenças. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, v. 12, n. 3, p. 209-213, set./dez.1990.

FERREIRA, A. B. de H. Miniarélio: o dicionário da língua portuguesa/ Aurélio Buarque de Holanda Ferreira; coordenação de edição Margarida dos Anjos, Marina

Baird Ferreira. 6. ed. rev. atual – Curitiba: Positivo, 2005.

FIGUEIREDO, L. C. Revisitando as psicologias: da epistemologia à ética das práticas e discursos psicológicos. São Paulo: Educ; Petrópolis: Vozes, 1996.

FREUD, S. El método psicoanalítico de Freud. In: Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud, v. 7, p. 232-242. Buenos Aires: Amorrortu, 1990. (Original publicado em 1904).

FREUD, S. Recomendações aos médicos que exercem a psicanálise. In: Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud, v. 12, p. 123-133, Rio de Janeiro: Imago, 1996. (Original publicado em 1912).

FREUD, S. Sobre o ensino da psicanálise nas universidades. In: Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud (Tradução J. Salomão, v. 17, p. 217- 220). Rio de Janeiro: Imago. 1976. (Original publicado em 1919).

GREEN, A. Orientações para uma psicanálise contemporânea. Rio de Janeiro: Imago, 2008.

GREENSON, R. R. A técnica da psicanálise. Rio de Janeiro: Imago, 1981.

IANKILEVICH, E. Planejamento. In: EIZIRICK, C; AGUIAR, R; SCHESTATSKY, S. (Orgs.) Psicoterapia de orientação analítica: fundamentos teóricos e clínicos. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 207-217.

KEIDANN. C. E.; DAL ZOT, J. S. Avaliação. In: EIZIRICK, C; AGUIAR, R.; SCHESTATSKY, S. (Orgs.). Psicoterapia de orientação analítica: fundamentos teóricos e clínicos. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 177-193.

KERNBERG, O. Psicanálise, psicoterapia psicanalítica e psicoterapia de apoio: controvérsias contemporâneas. In: GREEN, A. (Org.). Psicanálise Contemporânea. São Paulo: Imago; 2003. p. 23-50.

LAPLANCHE, J.; PONTALIS, J. Vocabulário da Psicanálise. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

MARCOS, C. M. Reflexões sobre a clínica-escola, a psicanálise e sua transmissão. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, 2011, p. 205-220. ISSN 0103-5665. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0103-56652011000200013>. Acesso em: 23 set. 2014.

MACEDO, M. M. K. Alquimias vivenciais de adolescentes como aprendizes de si mesmos. 1998. 190f. (Mestrado em Educação) – Curso de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto alegre.

MEZZOMO, L. Aprendendo a fazer psicanálise: dificuldades e conflitos de uma psicoterapeuta no início de suas atividades clínicas. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/cp056108.pdf>. Acesso em: 12 ago. 2014.

MOREIRA, M. C. A supervisão em Psicanálise na Clínica Escola: breve relato de uma pesquisa. Revista Mal-estar e Subjetividade, Fortaleza, v. XII, n. 3-4, set./dez., 2012, p. 853-872. Disponível em: <http://www.redalyc.org/pdf/271/27130172015.pdf>. Acesso em: 13 out. 2014.

NOGUEIRA FILHO, D. M; WARCHAVCHIK, V. L. H.. Formação do analista: um impasse necessário. Jornal de psicanálise. São Paulo , v. 41, n. 74, p. 141-150, jun. 2008. Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-58352008000100009&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 26 abr. 2016.

PECHANSKY, I. Setting psicoterápico: neutralidade, abstinência e anonimato. In: EIZIRICK, C.; AGUIAR, R.; SCHESTATSKY, S. (Orgs.) Psicoterapia de orientação analítica: fundamentos teóricos e clínicos. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 234 -245.

PONTALIS, J. B. Prefácio. In: SARTRE, J-P., Freud Além da Alma: roteiro para um filme. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,1986, p. 07-25.

ROUDINESCO, E.; PLON, M. Dicionário de Psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

SAIGH, Y. A. A auto-análise 150 anos depois de Freud. Psyche, São Paulo, v. 11, n. 20, p. 117-128, jun. 2007.

SCHESTATSKY, S. Introdução ao planejamento em psicoterapia. In: EIZIRICK, C.;AGUIAR, R.; SCHESTATSKY, S. Psicoterapia de Orientação Analítica: teoria e prática. Porto Alegre: Artmed, 1989. p. 71-78.

SILVA, D. C, da. Curso de especialização em teoria psicanalítica. 2011-2013. Brasília, 2013. Disponível em: http://bdm.unb.br/bitstream/10483/5447/1/2013_DeleciaCandidadaSilva.pdf. Acesso em: 12 de agosto de 2014.

ZIMERMAN, D. E. Fundamentos psicanalíticos: teoria e clínica - uma abordagem didática. Porto Alegre: Artmed, 1999.

ZIMERMAN, D. E. Manual de Técnica Psicanalítica: uma revisão. Porto Alegre: Artmed, 2004.

Downloads

Publicado

2017-11-16

Edição

Seção

Artigos