Traduções em diálogo

Ladjane Maria Farias de Souza

Resumo


Este artigo promove um diálogo entre os teóricos Arrojo (1992, 1993, 1997), Bakhtin (1997) e Nord (1991), com a intenção de re-situar o modelo de análise textual de Nord, segundo as visões de tradução como paradigma de qualquer intercâmbio lingüístico e de texto como enunciado inserido numa cadeia de textos que dialogam entre si segundo uma intenção específica de quem fala ou escreve. Tomando então o roteiro proposto por Nord, dentro deste horizonte teórico, entramos num outro diálogo com dois textos que, embora produzidos e publicados em línguas/culturas distintas, podem ser considerados traduções de um mesmo fato noticioso, ou seja, elos da mesma cadeia de textos. Dada a noção de que não só o significado mas os próprios sujeitos se constituem no diálogo entre textosenunciados, nosso objetivo, neste segundo diálogo,foi o de acompanhar nos textos o jogo entre imagens do “eu’ e do “outro”. Pudemos observar não só como cada texto mobiliza recursos lingüísticos com vistas à obtenção de determinado efeito sobre o leitor, mas também como por vezes as palavras, que segundo Bakhtin “não pertencem a ninguém”, põem por terra tais intenções.

Palavras-chave


Tradução; Desconstrução; Dialogismo; Funcionalismo; Significado; Enunciado; Análise de texto.

Texto completo:

PDF/A


DOI: http://dx.doi.org/10.5007/%25x

Sci. Trad., © 2005, UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, eISSN 1980-4237

Creative Commons License
Scientia Traductionis is licensed under a Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.