Da melancolia à ironia: o discurso dissimulado da contemporaneidade em Black Mirror

Danilo França do Nascimento, Andréia Shirley Taciana de Oliveira, Geralda Aparecida do Carmo Schyra

Resumo


Analisaremos neste artigo o segundo episódio da primeira temporada, Fifteen Million Merits, do seriado britânico Black Mirror. Pretendemos constatar, ao longo desta análise, as características da técnica que estão presentes no cenário, a propagação dissimulada do discurso midiático, o estado de melancolia, o esvaziamento do indivíduo e os traços de ironia que definem os personagens do episódio, tal como acontece com os indivíduos na sociedade contemporânea. Para esta análise, utilizamos os estudos dos teóricos Zygmunt Bauman (2001), Umberto Galimberti (2006), Slavoj Zizek (2011), Giorgio Agamben (2009), Walter Benjamin (apud KHEL, 2010), Soren Kierkegaard (1991) e Lucia Santaella (2008).


Palavras-chave


Fifteen Million Merits; Black Mirror; Melancolia; Ironia; Discurso dissimulado

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1807-9288.2014v10n2p25



Direitos autorais 2014 Danilo França do Nascimento, Andréia Shirley Taciana de Oliveira, Geralda Aparecida do Carmo Schyra

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Texto DigitalUniversidade Federal de Santa CatarinaFlorianópolisSanta Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.