Materialidades do texto: um percurso histórico

Autores

  • Aline Leal Barbosa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-9288.2015v11n1p263

Palavras-chave:

Escrita, Suporte, Materialidade, Autor

Resumo

Este artigo focalizará a questão da materialidade do texto e dos seus suportes, indissociável das suas condições de produção, transmissão e recepção. Para abordá-la, colocaremos em diálogo o pensamento de Jacques Rancière e de Roger Chartier. O primeiro parte do mito platônico do Fedro para fixar a dupla crítica que é feita à escrita: ser ao mesmo tempo muda e falante demais, e trata de uma nostalgia da presença, da letra órfã à procura de um pai, de um corpo em que encarnar. Chartier, por sua vez, confere ênfase às transformações das práticas de leitura no percurso do rolo ao códice e na mais recente revolução que consistiria no novo suporte representado pelas telas. 

Biografia do Autor

Aline Leal Barbosa, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Doutoranda no programa de pós-graduação de Literatura, Cultura e Contemporaneidade do departamento de Letras da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Referências

CHARTIER, Roger. A história cultural – entre práticas e representações. Trad. de Maria Manuela Galhardo. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 1990.

CHARTIER, Roger. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Trad. Mary Del Priore.Brasília: Editora UnB, 1994.

CHARTIER, Roger. Práticas da leitura. Trad. Cristiane Nascimento. São Paulo: Estação Liberdade, 1996.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro – do leitor ao navegador. Trad. Reginaldo de Moraes. São Paulo: Editora Unesp, 1998.

CHARTIER, Roger. Cultura escrita, literatura e história. Trad. Ernani Rosa. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.

CHARTIER, Roger. Do palco à página - Publicar Teatro e Ler Romances na Época moderna séculos XVI - XVIII. Trad. Bruno Feitler. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2002.

CHARTIER, Roger. Os desafios da escrita. Trad. Fulvia M. L. Moretto. São Paulo: Editora Unesp, 2002b.

DARNTON, Robert. “A leitura rousseauista e um leitor ‘comum’ do século XVIII”. In: CHARTIER, Roger (Org.). Práticas da leitura. Trad. Cristiane Nascimento. São Paulo: Estação Liberdade, 1996. p. 143-176.

ECO, Umberto. Obra aberta. Trad. Giovanni Cutolo. São Paulo: Perspectiva, 1991.

ECO, Umberto. Não contem com o fim do livro. Trad. André Telles. Rio de Janeiro: Record, 2009.

FIGUEIREDO, Vera Follain de. Narrativas migrantes: literatura, roteiro e cinema. Rio de Janeiro: Ed.PUC-Rio: 7 letras, 2010.

RANCIÈRE, Jacques. Políticas da escrita. Trad. Raquel Ramalhete et al. São Paulo: Editora 34, 1995.

STEINER, George. Nenhuma Paixão Desperdiçada. Trad. Maria Alice Máxima. Rio de Janeiro: Record, 2001.

Downloads

Publicado

2015-07-30

Edição

Seção

Artigos