O Cosmonauta - roteiros de uma criação

Wilton Azevedo, Dalva de Souza Lobo, Alckmar Luiz dos Santos

Resumo


A ideia inicial d’O Cosmonauta surgiu de uma sugestão de que trabalhássemos sobre a história de Ed Aldrin, trazendo-a para a ambiência digital. É claro que não nos seduzia, de modo algum, o registro filosófico ou antropológico, mas a possibilidade de ficcionalizar uma história de conversão (ou de reconversão) religiosa. Por alto, o que se sabe desse episódio é que Aldrin, tendo permanecido sozinho no Módulo Lunar enquanto Neil Armstrong fazia sua histórica caminhada (um pequeno passo para um homem, um grande salto para a humanidade...), teve uma espécie de epifania religiosa. A partir daí, tornou-se (ou voltou a ser) cristão convicto. Em cima disso, propusemos mudar o local da epifania, que passava a ser uma astronave no espaço sideral, orbitando a Lua. O astronauta, por seu lado, seria um cosmonauta, pelas implicações etimológicas deste termo.


Palavras-chave


Cosmonauta; Hipermídia; Criação Digital

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1807-9288.2016v12n1p203



Direitos autorais 2016 Wilton Azevedo, Dalva de Souza Lobo, Alckmar Luiz dos Santos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Texto DigitalUniversidade Federal de Santa CatarinaFlorianópolisSanta Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.