Pierre Menard vai à web: notas sobre a escrita não-criativa na contemporaneidade

Sayonara Amaral de Oliveira

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/1807-9288.2016v12n2p124

Neste artigo, discute-se as práticas literárias contemporâneas de apropriação e colagem textuais, disseminadas no espaço da internet. Compreende-se que essas práticas, ao elegerem uma escrita deliberadamente desprovida de criatividade e de originalidade, suscitam a reavaliação dos conceitos tradicionais de autoria e de criação no campo da literatura. Na reflexão desenvolvida, são abordadas as propostas estéticas veiculadas por dois sites em atividade na rede:  poesia do google e MixLit – O DJ da Literatura. Considera-se que os exercícios de escrita não-criativa elaborados nessas propostas podem ser lidos como uma resposta afirmativa da literatura do século XXI às transformações estéticas e culturais experimentadas em tempos de mídias digitais.  


Palavras-chave


Literatura; Teoria Literária; Hipertexto

Texto completo:

PDF/A

Referências


AUGUSTO, Danilo. Escamandro: poesia, tradução, crítica, 09 out. 2014. Poesia Flarf, por Danilo Augusto. Disponível em: https://escamandro.wordpress.com/2014/10/09/poesia-flarf-por-danilo-augusto/ Consultado em: 10 de maio de 2016.

AZEVEDO, Luciene. Pirataria literária tem valor? Abehache – Revista da Associação Brasileira de Hispanistas, São Paulo, n. 1, p. 43-58, 2011. Disponível em: http://hispanismo.cervantes.es/documentos/pdf_revistaabache.pdf Consultado em: 13 de maio de 2016.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 4ª ed. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2003.

BARTHES, Roland. A morte do autor. O rumor da língua. Trad. Mário Laranjeira. São Paulo: Brasiliense, 1988.

BORGES, Jorge Luis. Ficções. Tradução de Carlos Nejar. 3ª. ed. São Paulo: Globo, 1999.

CARNEIRO, Davi. poesiadogoogle.com. Disponível em http://poesiadogoogle.com/comoparticipar Consultado em: 16 de maio de 2016.

COMPAGNON, Antoine. O trabalho da citação. Tradução de Cleonice P.B. Mourão. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2007.

DIÓGENES, Paulo César Rodrigues. Sobre máquinas de escrita e remistura: o método cut-up de William Burroughs. Línguas e Letras, Cascavel-PRM, nº 25, p. 343-370, 2012. Disponível em: file:///D:/Downloads/7745-27956-2-PB%20(4).pdf Consultado em: 01/06/2016.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Tradução de António Fernando Cascais. Lisboa: Vega, 2002.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

GOLDSMITH, Kenneth. Uncreative writing: managing language in the digital age. New York: Columbia University Press, 2011a.

GOLDSMITH, Kenneth. Valor econômico, São Paulo, 22 mar. 2013. Abaixo a criatividade! – entrevista concedida a Bruno Yutaka Saito. Disponível em: http://www.valor.com.br/cultura/3056952/abaixo-criatividade Consultado em: 05 de maio de 2016.

GOLDSMITH, Kenneth. Select, São Paulo, Editora Três, Out 2011b. Copiar é preciso, inventar não é preciso – entrevista concedida a Giselle BeiGuelman. Tradução De Luiz Roberto Mendes Gonçalves. Disponível em: http://www.select.art.br/article/reportagens_e_artigos/copiar-e-preciso-inventar-nao-e-preciso?page=unic Acesso em: 04 de maio de 2016.

KANT, Immanuel. Crítica da faculdade do juízo. Tradução de Valério Rohden e António Marques. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

MARTINS, Beatriz Cintra. Autoria em rede: os novos processos autorais através das redes eletrônicas. Rio de Janeiro: Ed. Mauad, 2014.

MICHAELIS; Dicionário de Português Online. Disponível em: http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=autor Consultado em: 20 de maio de 2016.

OLINTO, Heidrun Krieger. Processos midiáticos e comunicação literária. In: OLINTO, Heidrun Krieger; SCHOLLHAMMER, Karl Erik (orgs.) Literatura e mídia. São Paulo: Loyola, 2002. p.54-75.

PERLOFF, Marjorie. O gênio não original; poesia por outros meios no novo século. Tradução de Adriano Scandolara. Belo Horizonte: UFMG, 2013.

CASSEL, Pedro. poesiadogoogle.com. Não é porque. Disponível em http://poesiadogoogle.com/post/98091910280/n%C3%A3o-%C3%A9-porque-sugest%C3%A3o-de-poesiadogoogle-enviada. Consultado em: 15 de maio de 2016.

RÓNAI, Cora (Org.). Caiu na Rede. Os textos falsos da internet que se tornaram clássicos. Rio de Janeiro: Agir, 2006.

SANTAELLA, Lúcia. Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Paulus, 2007.

SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos. 2. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SARLO, Beatriz. Jorge Luis Borges, um escritor na periferia. Tradução de Samuel Titan Jr. São Paulo: Iluminuras, 2008.

SCHNEIDER, Michel. Ladrões de palavras: ensaio sobre o plágio, a psicanálise e o pensamento. Tradução de Luiz Fernando P. N. Franco. Campinas: Editora da UNICAMP, 1990.

VILLA-FORTE, Leonardo. MixLit: O DJ da Literatura. Disponível em: https://mixlit.wordpress.com/ Consultado em: 25 de maio de 2016.

VILLA-FORTE, Leonardo. MixLit: O DJ da Literatura. MixLit 55: Uma visita à sra. Mercado. Disponível em: https://mixlit.wordpress.com/category/atiq-rahimi/ Consultado em: 25 de maio de 2016.

VILLA-FORTE, Leonardo. baixacultura.org. A literatura sampleada do mixlit – entrevista concedida ao site baixacultura.org. Disponível em: http://baixacultura.org/a-literatura-sampleada-do-mixlit/ Consultado em: 12 de maio de 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5007/1807-9288.2016v12n2p124



Direitos autorais 2016 Sayonara Amaral de Oliveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Texto DigitalUniversidade Federal de Santa CatarinaFlorianópolisSanta Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.