Uma leitura de Liberdade, ambiente poético em 3D: questões de navegação, interpretação e configuração

Maíra Borges Wiese

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/1807-9288.2016v12n2p21

A obra digital Liberdade (2014), um ambiente poético em 3D, é uma das mais recentes obras da literatura digital brasileira, publicada na Electronic Literature Collection 3 (2016). As imagens, animações, áudios, palavras e origamis que estão distribuídos no espaço gráfico-visual constroem um tecido simbólico que, por um lado, faz referência ao bairro Liberdade, da cidade de São Paulo, e é, por outro, um "estudo" da relação entre memória e esquecimento, entre recordações e a passagem do tempo, da capacidade de os objetos (materiais e imateriais) de serem meios de inscrição de e acesso a experiências pessoais e coletivas. Mas este artigo dedica-se essencialmente aos desafios da navegação e da leitura nesta obra. Destaco três aspectos desses desafios: 1) a imersão em um ambiente hipermedial, isto é, saturado de informações multisensoriais (verbais, visuais, auditivas, manuais); 2) a função transversal (AARSETH, 1995) da obra (o "acessar" e "percorrer" a obra), que neste caso se realiza através de comandos e ações que devem ser aprendidos; e 3) a interpretação, fundamental para a concatenação das diversas unidades (muitas vezes dispersas e enigmáticas) que compõem a obra. A conjugação desses três aspectos leva à comparação entre leitura e navegação aleatórias versus leitura e navegação estratégicas, que neste artigo discuto em termos de «configuração».

 


Palavras-chave


Poesia Digital; Videojogo; Navegação; Leitura; Configuração

Texto completo:

PDF/A

Referências


AARSETH, Espen. Cibertexto: Perspectivas sobre a Literatura Ergódica. Lisboa: Pedra de Roseta. Trad. Maria Leonor Tellese José A. Mourão, 2005, 1ª ed.

BOLTER, Jay David; GRUSIN, Richard. Remediation: Understanding New Media. Cambridge, MA: The MIT Press, 1999.

CAMPBELL, Andy; BREEZE, Mez. The Dead Tower. 2012. Disponível em: http://labs.dreamingmethods.com/tower/ (Consult. Set. 2016)

CAMPOS, Haroldo de. Galáxias. São Paulo: Ed. 34, 2004.

CAMPOS, Haroldo de. "Grande Sertão Veredas: Haroldo de Campos sobre Guimarães Rosa" [entrevista]. (s/d) Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=tVTSZbWiyZA (Consult. Set. 2016)

ESKELINEN, Markku. Cybertext Poetics: The Critical Landscape of New Media Literary Theory. London: Continuum, 2012.

GOLDING, Daniel. “To Configure or to Navigate? On Textual Frames.” In Terms of Play: Essays on Words That Matter in Videogame Theory, edited by Zach Waggoner, 28–46. Jefferson NC: McFarland, 2013. Disponível em: https://www.academia.edu/3697779/To_Configure_or_to_Navigate_On_textual_frames (Consult. Set. 2016)

RYAN, Marie-Laure. "Immersion vs. Interactivity: Virtual Reality and Literary Theory", In: Postmodern Culture 5.1, 1994. Disponível em: http://www.humanities.uci.edu/mposter/syllabi/readings/ryan.html (Consult. Set. 2016)

SANTOS, Alckmar dos; MARINHO, Chico, et al. Liberdade. 2016. Disponível em: http://collection.eliterature.org/3/work.html?work=liberdade (Consult. Set. 2016)

SOBCHACK, Vivian. "Nostalgia for a Digital Object: Regrets on the Quickening of QuickTime", Millennium Film Journal No. 34, 1999. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/237300329_Nostalgia_for_a_Digital_Object_Regrets_on_the_Quickening_of_QuickTime (Consult. Set. 2016)






Direitos autorais 2016 Maíra Borges Wiese

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Texto Digital. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.