Do teatro ao digital: uma ontologia a partir de Roman Ingarden

Otávio Guimarães Tavares

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/1807-9288.2016v12n2p35

Este trabalho parte do pressuposto de que é possível, com base nas formulações de Roman Ingarden acerca da ontologia da peça teatral, traçar as bases de uma ontologia da obra de arte digital, tendo em vista convergências entre os modos de operar de ambos os tipos de produções. Estas convergências se encontram: a) no fato de serem obras cuja concretização comporta uma materialidade; b) na complexidade estratificada e na hierarquia ontológica dessas obras capaz de comportar diversos níveis de concretização por distintos agentes humanos e não-humanos; c) na noção de identidade que é construída perante a multiplicidade de concretizações; e d) no papel da linguagem que se distancia de uma função semântica por um foco acional em que o elemento textual se caracteriza como indicação para um agir performático. Destarte, a partir de tais paralelos, é possível questionar os limites e alcance do conceito de literatura aplicado ao digital (literatura digital ou poesia digital), tendo em vista que a obra de arte digital estaria, por seu modo de operar, mais ontologicamente próxima da peça teatral ou obra de arte dramática. Por fim, torna-se possível tanto revisar a filosofia de Ingarden, de modo a demonstrar sua pertinência como ferramenta teórica para a análise de obras de arte contemporâneas, quanto marcar o lugar central do artefactual e performático nas obras de arte digitais.


Palavras-chave


Literatura digital; Teatro; Ontologia; Agência; Roman Ingarden

Texto completo:

PDF/A

Referências


BECKETT, Samuel. The Collected Shorter Plays. New York: Grove Press, 2010.

BIRKENHAUER, Theresia. Entre fala e língua, drama e texto: reflexões acerca de uma discussão contemporânea (trad. Stephan Baumgärtel). Urdimento: revista de estudos em artes cênicas, Florianópolis, n. 18, p. 181-188, mar. 2012. Url:

BRAIDA, Celso R. Tópicos em ontologia. Florianópolis: Rocca Brayde, 2013.

CARROLL, Noël. Beyond aesthetics: philosophical essays. New York: Cambridge University, 2003.

DANTO, Arthur. The Transfiguration of the commonplace: a philosophy of art. Cambridge: Harvard University, 1981.

______. The Philosophical disenfranchisement of art. New York: Columbia University, 1986.

DIPERT, Randall R. Artifacts, art works, and agency. Philadelphia: Temple University, 1993

______. Art, artifacts, and regarded intentions. American Philosophical Quarterly, v. 23, n. 4, p. 401-408, out. 1986. University of Illinois Press / North American Philosophical Publications. Url:

FERREIRA, Debora Pazetto. Análise categorial da arte em Amie Thomasson. 2010. 144f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010. Url: .

ISEMINGER, Gary. The Work of art as artifact. The British Journal of Aesthetics, v. 13, n. 1, p. 3-16, 1973. Oxford Journals. Url: .

INGARDEN, Roman. The Literary work of art. (trad. George G. Grabowicz) Evanston: Northwestern University, 1973a.

______. Controversy over the existence of the world. (volume 01) (trad. Arthur Szylewicz) Frankfurt am Main: Peter Lang International Academic Publishers, 2013.

______. Phenomenological aesthetics: an attempt at defining its range. The Journal of Aesthetics and Art Criticism, v. 33, n. 3, p. 257-269, primavera 1975. Wiley. Url: .

HILST, Hilda. A Obscena senhora D. São Paulo: Globo, 2011.

KÜNG, Guido. Roman Ingarden (1893-1970): Ontological phenomenology. In: SPIEGELBERG, Herbert. The Phenomenological movement. The Netherlands: Kluwer Academic Publishers, 1994.

LEVINSON, Jerrold. Music, art, and metaphysics: essays in philosophical aesthetics. New York: Oxford University, 2011.

MCFEE, Graham. Artistic Judgement: a framework for philosophical aesthetics. London: Springer, 2011.

MARGOLIS, Joseph. The Ontological peculiarity of works of art. The Journal of Aesthetics and Art Criticism, v. 36, n. 1, p. 45-50, outono 1977. Blackwell Publishing / The American Society for Aesthetics. Url: .

______. Recent currents in aesthetics of relevance to contemporary visual artists. Leonardo, v. 12, n. 2, p.111-119, primavera 1979. The MIT Press. Url: .

MARINHO, Francisco; et alii. Palavrador. 2006. Url: .

MARINHO, Francisco; SANTOS, Alckmar; et alii. Liberdade. 2014. Url: .

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. (trad. Carlos Alberto Ribeiro de Moura) São Paulo: Martins Fontes, 2006.

MITSCHERLING, Jeff. Roman Ingarden's ontology and aesthetics. Quebec: University of Ottowa Press, 1999.

SOKOLOWSKI, Robert. Introduction to phenomenology. New York: Cambridge University, 1999.

TAVARES, Otávio. O Palavrador e a relação humano-máquina a partir do conceito de hábito merleau-pontiano. Polifonia, Cuiabá-MT, Universidade Federal de Mato Grosso, v. 22, n. 32, pp. 13-36, 2015. Url: .

______. Invasões e permanências conceituais na arte digital. In: VILAROUCA, Cláudia; TAVARES, Otávio; CARVALHO MOURA, Cláudio. (Org.) Criação digital: prática e reflexão. Tubarão: NuPILL/Copiart, 2014. Url:

THOMASSON, Amie L. Fiction and metaphysics. New York: Cambridge University Press, 1999.

______. The Ontology of art. In: KIVY, Peter (ed.). The Blackwell guide to aesthetics. Oxford: Blackwell Publishing, 2004. Url:

______. Roman Ingarden. In: The Stanford encyclopedia of philosophy. Stanford: Metaphysics Research Lab/Center for the Study of Language and Information/Stanford University, 2012. (ed. Edward N. Zalta). Url: .






Direitos autorais 2016 Otávio Guimarães Tavares

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Texto Digital. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.