Intertextualidade e estranhamento em "Amor de Clarice", de Rui Torres

Vinícius Carvalho Pereira

Resumo


No âmbito da literatura de vanguarda, o lugar-comum “toda obra enseja múltiplas leituras” corre um duplo risco: o de implodir, sob o peso de textos que não permitem leitura alguma (ou que a tanto se propõem), dado o hermetismo formal; e o de explodir, mediante a pressão centrífuga de obras que não são as mesmas a cada leitura sequer na materialidade textual. É dessa categoria de obras movediças que se fala aqui, na condição de aporias da leitura literária no século XXI, em que inovações estruturais do texto vão com frequência a reboque de inovações tecnológicas, as quais permitem transformações materiais na obra. No caso da cyberliteratura, tal afirmação torna-se ainda mais pertinente, uma vez que os recursos computacionais, cada vez mais sofisticados, vêm ensejando uma poética antes inimaginável, sobretudo em sua multiplicidade de figurações e leituras, dada a condição subversiva de devir em que habita sua substância. Nesse contexto, optou-se neste artigo pela análise da obra Amor de Clarice, do poeta português Rui Torres; esta, valendo-se de distintos recursos tecnoestéticos digitais, subverte a máxima “Toda obra enseja múltiplas leituras”, uma vez que relê o já subversivo conto “Amor”, de Clarice Lispector, por meio de uma materialidade textual informática que se dissolve e transforma a cada clique no mouse. O adágio perde, assim, ares de lugar-comum desgastado pelo uso na academia e retoma, por vias algorítmicas subversivas, uma potência que só a arte enquanto estranhamento estético – proposta, em última medida, de toda releitura – pode deter.


Palavras-chave


Rui Torres; Poesia Digital; Releitura; Subversão; Estranhamento Estético

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. In: Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1973, v.4.

ARQUIVO Digital da PO.EX. 2015. Disponível em . Acesso em 15 dez 2017.

BARTHES, Roland. Aula. São Paulo: Cultrix, 1992.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 2008.

GENETTE, Gérard. Palimpsestos: a literatura de segunda mão. Belo horizonte: Viva Voz, 2010.

LISPECTOR, Clarice. Amor. Laços de Família. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

SHKLÓVSKI, Victor. A arte como procedimento. In: TODOROV, Tzvetan. Teoria da literatura: textos dos formalistas russos. São Paulo: Unesp, 2013a.

______. A construção da novela e do romance. In: TODOROV, Tzvetan. Teoria da literatura: textos dos formalistas russos. São Paulo: Unesp, 2013b.

TORRES, Rui. Amor de Clarice. In: Electronic Literature Collection. 2005. Disponível em . Acesso em 29 nov 2017.

______. Ler Clarice Lispector, re-escrevendo Amor. 2003. Disponível em . Acesso em 30 nov 2017.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-9288.2018v14n1p126



Direitos autorais 2018 Vinícius Carvalho Pereira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Texto DigitalUniversidade Federal de Santa CatarinaFlorianópolisSanta Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.