Intertextualidade e estranhamento em "Amor de Clarice", de Rui Torres

Autores

  • Vinícius Carvalho Pereira Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-9288.2018v14n1p126

Resumo

No âmbito da literatura de vanguarda, o lugar-comum “toda obra enseja múltiplas leituras” corre um duplo risco: o de implodir, sob o peso de textos que não permitem leitura alguma (ou que a tanto se propõem), dado o hermetismo formal; e o de explodir, mediante a pressão centrífuga de obras que não são as mesmas a cada leitura sequer na materialidade textual. É dessa categoria de obras movediças que se fala aqui, na condição de aporias da leitura literária no século XXI, em que inovações estruturais do texto vão com frequência a reboque de inovações tecnológicas, as quais permitem transformações materiais na obra. No caso da cyberliteratura, tal afirmação torna-se ainda mais pertinente, uma vez que os recursos computacionais, cada vez mais sofisticados, vêm ensejando uma poética antes inimaginável, sobretudo em sua multiplicidade de figurações e leituras, dada a condição subversiva de devir em que habita sua substância. Nesse contexto, optou-se neste artigo pela análise da obra Amor de Clarice, do poeta português Rui Torres; esta, valendo-se de distintos recursos tecnoestéticos digitais, subverte a máxima “Toda obra enseja múltiplas leituras”, uma vez que relê o já subversivo conto “Amor”, de Clarice Lispector, por meio de uma materialidade textual informática que se dissolve e transforma a cada clique no mouse. O adágio perde, assim, ares de lugar-comum desgastado pelo uso na academia e retoma, por vias algorítmicas subversivas, uma potência que só a arte enquanto estranhamento estético – proposta, em última medida, de toda releitura – pode deter.

Biografia do Autor

Vinícius Carvalho Pereira, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Doutor em Ciência da Literatura pela UFRJProfessor do Departamento de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem na UFMT

Referências

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. In: Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1973, v.4.

ARQUIVO Digital da PO.EX. 2015. Disponível em <http://www.po-ex.net>. Acesso em 15 dez 2017.

BARTHES, Roland. Aula. São Paulo: Cultrix, 1992.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 2008.

GENETTE, Gérard. Palimpsestos: a literatura de segunda mão. Belo horizonte: Viva Voz, 2010.

LISPECTOR, Clarice. Amor. Laços de Família. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

SHKLÓVSKI, Victor. A arte como procedimento. In: TODOROV, Tzvetan. Teoria da literatura: textos dos formalistas russos. São Paulo: Unesp, 2013a.

______. A construção da novela e do romance. In: TODOROV, Tzvetan. Teoria da literatura: textos dos formalistas russos. São Paulo: Unesp, 2013b.

TORRES, Rui. Amor de Clarice. In: Electronic Literature Collection. 2005. Disponível em <http://collection.eliterature.org/2/works/torres_amordeclarice.html>. Acesso em 29 nov 2017.

______. Ler Clarice Lispector, re-escrevendo Amor. 2003. Disponível em <http://www.ufp.pt/~rtorres/ens.htm>. Acesso em 30 nov 2017.

Downloads

Publicado

2018-08-01

Edição

Seção

Artigos