Reflexões sobre a rede social Instagram: do aplicativo à textualidade

Penha Élida Ghiotto Tuão Ramos, Analice de Oliveira Martins

Resumo


No ciberespaço, relações sociais e culturais são reorganizadas, reformulando contextos, entre os quais, encontra-se o artístico. Como exemplo, está a poesia, que, sob matizes da cibercultura, (des) territorializa-se no ambiente digital, tomando fluidez em redes sociais, como o Instagram. Surgem, assim, os instapoemas e seus respectivos instapoetas, garantindo circularidade à poesia por meio do compartilhamento nas redes. Tendo em vista esses aspectos, propõe-se uma reflexão sobre a rede social digital Instagram enquanto uma (macro) textualidade que pode ser vinculada ao processo de autoralidade. Para tanto, foram tomados como referência o Instagram dos poetas João Doederlein e Ryane Leão, bem como a hashtag #purpleart, amparando-se teoricamente em Lévy (1996), Koch (2000), Santaella (2014) e Maingueneau (2016), entre outros teóricos. Foi possível perceber que o Instagram engloba várias textualidades que, conjuntamente, constituem outra, maior, que se amplia para a manutenção da autoralidade, especialmente, dos instapoetas. Migrando para o ciberespaço, a poesia encontra seu nicho nos algoritmos e a arte suscita sua função humanizadora.


Palavras-chave


Instagram; Textualidade; Autoria

Texto completo:

PDF/A

Referências


Dicionário prático de informática. Portugal, 2000. Disponível em: .

DOEDERLEIN, João. @akapoeta. Disponível em: . Acesso em 02 jul. 2018.

FÁVERO, Leonor Lopes; KOCH, Ingedore G. Villaça. Linguística textual: uma introdução. 5. Ed. São Paulo: Cortez, 2000.

FINCO, Nina. O Instagram tornou-se a plataforma dos poetas contemporâneos: O Instagram, a rede social das fotografias, se tornou ninho de novos poetas

inspirados. Época, 28 fev. 2018. Cultura. Disponível em: < https://epoca.globo.com/cultura/noticia/2018/02/o-instagram-tornou-se-plataforma-dos-poetas-contemporaneos.html>. Acesso em: 02 jul. 2018.

KOCH, Ingedore Villaça. O texto e a compreensão dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1999.

_____________. Villaça; BENTES, Ana Christina; CAVALCANTE, Mônica Magalhães. Intertextualidade: diálogos possíveis. São Paulo: Cottez, 2007.

LEÃO, Ryane. @ondejazzmeucoração. Disponível em: . Acesso em 30 jun. 2018.

LÉVY, Pierre. O que é virtual? São Paulo: Editora 34, 1996.

____________. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

MANGUENEAU, Dominique. Autoralidade e pseudonímia. Revista ABRALIN, v. 15, n. 2, p. 101-117, jul./dez. 2016.

PESSIN, Thatiane. @thatpessin. Disponível em: . Acesso em 01 jul. 2018.

ROSÁRIO, Mariana. Poetas fazem sucesso e faturam com versos postados nas redes sociais: Paulistanos apostam em frases curtas de autoajuda para atrair seguidores e lançam até livros. Veja São Paulo. 01 jun. 2017. Cidades. Disponível em: . Acesso em 30 jun. 2018.

SANTAELLA, Lúcia. Gêneros discursivos híbridos na rede na era da hipermídia. Bakhtiniana. vol. 9, n. 2, São Paulo. Ago./Dez. 2014. p. 206-216.

@porplearte. Disponível em: . Acesso em 02 jul. 2018.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-9288.2018v14n2p117



Direitos autorais 2018 Penha Élida Ghiotto Tuão Ramos, Analice de Oliveira Martins

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Texto DigitalUniversidade Federal de Santa CatarinaFlorianópolisSanta Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.