Do vegetal ao digital em Árvore, de Rui Torres

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-9288.2019v15n1p137

Palavras-chave:

Árvore, Gerador De Poemas, Vegetalidade, Rui Torres

Resumo

Na contramão da invisibilidade que as plantas recebem usualmente nos discursos cotidianos e literários, Árvore, obra eletrônica de poesia generativa ideada por Rui Torres (2018), dá papel de destaque às espécies vegetais endêmicas da região norte de Portugal. Recombinando trechos de poemas canônicos lusitanos do século XX nos quais figuram imagens de plantas, o software mobiliza uma estrutura reticular intertextual para compor novos versos que revelam hibridizações de poemas e de espécies vegetais distintas, bem como uma aproximação entre os campos semânticos da botânica e da escrita. Para a análise de tal obra digital, o presente artigo se volta para a lógica subjacente ao funcionamento de Árvore e para alguns de seus possíveis produtos poéticos, adotando como lentes analíticas metáforas conceituais da esfera da vegetalidade, tais como ecossistema, memória vegetal, rizoma, enxertia e plagiotropismo. Por meio dessa investigação, evidencia-se a complexa trama intertextual inerente aos processos de geração poética de Árvore, os quais, a seu turno, postulam um procedimento de leitura que deve ser também rizomático, a meio do caminho entre o botânico e o digital.

Biografia do Autor

Vinícius Carvalho Pereira, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Professor do Departamento de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem na UFMT. Doutor em Ciência da Literatura pela UFRJ.

 

Referências

ARISTÓTELES. De Anima. Apresentação, tradução e notas de Maria Cecília Gomes Reis. São Paulo: Editora 34, 2006.

BERGSON, Henri. Creative Evolution. New York: Dover Publications, 1998.

CAMPOS, Haroldo. Questões fáusticas: entrevista a J. Jota de Moraes. O arco-íris branco. Rio de Janeiro: Imago, 1997.

CASTRO, E. M. de Melo. Poética do Ciborgue. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2014.

CRUZ, Gastão. Crateras. Lisboa, Assírio & Alvim, 2000.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs – capitalismo e esquizofrenia. vol 1. São Paulo: Editora 34, 1997.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 2008.

ECO, Umberto. A memória vegetal e outros escritos sobre bibliofilia. Rio de Janeiro: Record, 2014.

GOLDSMITH, Kenneth. Uncreative Writing. Nova York: Columbia University Press, 2011.

HATHERLY, Ana. A casa das musas. Lisboa: Estampa, 1995.

HAYLES, Katherine. Literatura eletrônica: novos horizontes para o literário. São Paulo: Global, 2009.

HELDER, Herberto. Húmus. Lisboa: Assírio & Alvim, 2004.

HERSHEY, David. Plant blindness: we have met the enemy and he is us. Plant Science Bulletin, v. 48, p. 78-84, 2002.

MANOVICH, Lev. The Language of New Media. Cambridge: MIT Press, 2001.

NOVALIS, Friedrich. Pólen. Fragmentos. Diálogos. Monólogo. São Paulo: Iluminuras, 2009.

RETTBERG, Scott. Electronic Literature. Cambridge: Polity, 2019.

RODRIGUES, Sérgio. Livro não nasce em árvore, mas seu nome nasceu. 2017. Disponível em: https://veja.abril.com.br/blog/sobre-palavras/livro-nao-nasce-em-arvore-mas-seu-nome-nasceu/. Acesso em: 01/06/2019.

RYAN, John Charles. Plants in Contemporary Poetry: Ecocriticism and the Botanical Imagination. New York: Routledge, 2018.

TAVARES, Otávio Guimarães. A interatividade na poesia digital. 2010. 120f. Dissertação (Mestrado em Literatura) – Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, 2010.

TORRES, Rui. Árvore. Disponível em: https://telepoesis.net/arvore/arvore.html. Acesso em: 20/05/2019.

Downloads

Publicado

2019-08-21

Edição

Seção

Artigos