Metalinguagem como estratégia argumentativa em textos digitais

Roberlei Alves Bertucci

Resumo


Neste trabalho, o objetivo é analisar o papel de recursos metalinguísticos em textos do “jornal” A Capa, uma página do Facebook caracterizada por textos multimodais, com função de provocar uma reflexão no leitor. Apoiados nas discussões sobre conhecimento linguístico apresentadas por Culioli e Normand (2005), defendemos que a metalinguagem é uma operação racional e consciente sobre a linguagem. Vamos assumir que ela tem relação direta com o argumento de identidade, proposto por Perelman e Olbrechts-Tyteca (2014), já que lança mão de definições ou classificações relativas à linguagem. A partir da análise de exemplares d’A Capa, argumentamos que, ali, a metalinguagem, de fato, se configura como uma estratégia argumentativa importante, capaz de direcionar o leitor para a conclusão desejada pelo “jornal sem jornal”.

Palavras-chave


Metalinguagem; Argumentação; Textos digitais

Texto completo:

PDF/A

Referências


A CAPA. Página do Facebook. Disponível em: www.facebook.com/acapabr Acesso em: 19 de maio de 2018.

AUROUX, Sylvain. A revolução tecnológica da gramatização. 3.ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 2014.

BAGNO, Marcos. Preconceito linguístico. 56. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

BARTON, D.; LEE, C. Linguagem online: textos e práticas digitais. Trad. Milton Camargo Mota. 1. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

CAVALCANTI, Mônica Magalhães. Critérios textuais para uma análise argumentativa: referenciação e intertextualidade. Conferência proferida no IV Seminário Internacional de Estudos de Discurso e Argumentação, na Universidade de Buenos Aires, em 14 de março de 2018.

CASSIRER, E. Antropologia filosófica: ensaio sobre o homem. São Paulo: Mestre Jou, 1979.

CULIOLI, Antoine; NORMAND, Claudine. Onze rencontres sur le langage et les langues. Paris: Ophrys, 2005.

CUPANI, A. Filosofia da tecnologia: um convite. Florianópolis: Editora da UFSC, 2016.

FIORIN, José Luiz. Argumentação. 1. ed. São Paulo: Contexto, 2017.

FRANCHI, Carlos. Linguagem – atividade constitutiva. Caderno de Estudos Linguísticos, 22, p. 9-39, jan./jun. 1992.

KOCH, Ingedore G. Villaça. Argumentação e linguagem. 13. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

LEMKE, Jay L. Travels in Hypermodalidaty. Visual Communication, v. 1, n. 3, p. 299-325, 2002.

PERELMAN, Chaim; OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado da argumentação: a nova retórica. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2014.

RECUERO, R. A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet. Porto Alegre: Sulina, 2012.

ROMERO, Márcia. Epilinguismo: considerações acerca de sua conceitualização em Antoine Culioli e Carlos Franchi. ReVEL, v. 9, n. 16, 2011.

RUBBO, Tácila. Com redação virtual, A Capa propõe reflexões sobre assuntos do cotidiano. 2017. Publicada em: 03 jan. 2017. Disponível em: https://portal.comunique-se.com.br/com-redacao-virtual-a-capa-propoe-reflexoes-sobre-assuntos-do-cotidiano/. Acesso em: 19 maio 2018.

VIEIRA PINTO, Á. O conceito de tecnologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005. 2 v.

WACHOWICZ, Teresa Cristina. Análise linguística nos gêneros textuais. 1. ed. Curitiba: IBPEX, 2010.

XAVIER, Antonio Carlos. A era do hipertexto: linguagem e tecnologia. - Recife: Pipa Comunicação, 2013.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-9288.2019v15n2p209



Direitos autorais 2020 Roberlei Alves Bertucci

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Texto DigitalUniversidade Federal de Santa CatarinaFlorianópolisSanta Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.