Diário de Mídia

retrato, autorretrato e status

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-9288.2020v16n2p240

Palavras-chave:

Diário de campo visual. Etnografia da mídia. Análise de WhatsApp. Fotografia digital. Memória.

Resumo

Proposta metodológica centrada em acervos imagéticos processualmente conduzidos por um diário de mídia. Revisa a utilização de imagens como técnica de retrato e autorretrato em uma suposta etnografia da mídia. Sugere, assim, que pela memória das experiências tecidas em dispositivos midiáticos, imagens fotográficas, imagens das imagens e imagens gráficas figurem dados qualitativos. Interações iniciadas via funcionalidades imagéticas do WhatsApp são o recorte empírico para aplicação dos diários de mídia. Averigua mensagens hiper instantâneas trocadas pela funcionalidade técnica status durante o carnaval brasileiro. A resistência política e a alegria carnavalesca tematizam estratégias de atração imagética de cenas políticas representacionais. A funcionalidade técnica analisada no diário de mídia reflete o momentum capturador das mimeses de atenção de um simulador jogo face a face midiatizado. Abre reflexões sobre estudos de antropologia da mídia centrada na utilização de imagens e desenhos digitais.

Biografia do Autor

Fernando Luiz Nobre Cavalcante, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Pesquisador de Pós-doutorado na Universidade Estadual de Campinas. Doutor em Estudos da Mídia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Desenvolveu a tese intitulada - Vínculos de Ancoragens e Enquadramentos Temáticos: Olhares Itinerantes às Interações Midiatizadas em Grupo - defendia em 2019. Mestre em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (2015) e bacharel em Comunicação Social (Publicidade e Propaganda) na Escola Superior de Propaganda e Marketing (2010). Pesquisa temas relacionados aos processos históricos de midiatização de políticas desenvolvimentistas na América Latina, interação em grupos midiatizados focando em análise de frames, investigações sobre opinião pública e metodologias quantiqualitativas aplicadas à História, Linguística Aplicada, Antropologia, Ciências da Comunicação e aos Estudos da Mídia. Em 2018, foi um pesquisador visitante do Max Kade Center (EUA) responsável pela digitalização do acervo do sociólogo Ernest Manheim.

Fundador do Ernest Manheim Laboratório de Opinião Pública, desenvolve técnicas de mineração de dados, triangulação da pesquisa, grupo focal e eyetracking. Em parceria com o laboratório de História e Mudança da Mídia, da Universidade de Bremen (Alemanha), desenvolve um protótipo de software para análise de conversação em WhatsApp intitulado QualiChat. Membro do International Sociological Association (ISA), desde 2015, foi o primeiro sociólogo desta associação a estudar os desdobramentos do movimento empreendedor intitulado startup, versados na dissertação de mestrado: START! Up? O arranque empreendedor do capitalismo informacional (2010).

Especialista em Gestão de Políticas Culturais pela Universidade de Girona (Espanha), tem experiência profissional na área de Economia Criativa, sendo um dos responsáveis pela revitalização do Teatro Tereza Rachel (2012) no Rio de Janeiro e co-autor do projeto de namingrights, que por meio de patrocínio cultural, originou o Theatro NET Rio, gerido pela Brainstorming Entretenimento.
Professor adjunto do Centro Universitário 7 de Setembro (desde 2014). Atualmente, participa do núcleo de implementação dos cursos de Educação a Distancia da UNI7 e o Núcleo de Pesquisa em Comunicação (NUPECOM) da instituição. Em 2015, representou o Brasil na Cuarto Intercambio para la Competitividad de las Américas y Empreendimento a convite do Ministerio de Industria, Comercio, Minería y Desarrollo Cientifico Tecnológico da Provincia de Córdoba, Argentina - um evento organizado pela Organização dos Estados Americanos (OEA).

Curador do projeto interdisciplinar Publiseara que resgata a memória da propaganda cearense desde a década de 70. Vasta experiência no mercado corporativo, tendo trabalhado nas seguintes áreas: atendimento publicitário (agência 101º Macaco), marketing digital (Agência Frog e Grupo Endesa, Ampla Energia S/A); marketing editorial (Grupo Santillana, Editora Objetiva e consultor na Ediouro); comunicação corporativa (Grupo Votorantim, Tivit) e marketing institucional e merchandising (Afiliada SBT, TV Jangadeiro).

Referências

ALVES, Clarissa Martins; PRADO, Gilbertto; LOPES, Priscilla Gonçalves; GOMEZ, Luiz Salomão Robas. Poéticas na arte, no design na antropologia: uma análise de dois projetos artístico-fotográficos. Texto Digital, Florianópolis, v. 13, n. 1, p. 180–200, 2017.

BAPTISTA, Erica Anita; ROSSINI, Patrícia; DE OLIVEIRA, Vanessa Veiga; STROMER-GALLEY, Jennifer. A circulação da (des) informação política no WhatsApp e no Facebook. Lumina, [S. l.], v. 13, n. 3, p. 29–46, 2019.

BARBOSA, Andrea. Fotografia, narrativa e experiência. In: A experiência da imagem na etnografia. [S. l.]: Editora Terceiro Nome, 2016. p. 191. E-book.

BARBOSA, Andrea; DA CUNHA, Edgar Teodoro; HIKEJI, Rose Satiko Gitirana; NOVAES, Sylvia. A experiência da imagem na etnografia. [S. l.]: Editora Terceiro Nome, 2016. E-book.

BARBOSA, Sérgio; MILAN, Stefania. Do not harm in private chat apps: Ethical issues for research on and with WhatsApp. Westminster Papers in Communication and Culture, [S. l.], v. 14, n. 1, 2019.

BRAGA, Joaquim. Corpo, mediação, tecnologia. Introdução ao conceito de importação somática. Corpos, imagens e discursos híbridos, [S. l.], 2016.

BRAGA, Joaquim. Da convergência figurativa entre corpo e imagem. Acta Scientiarum. Language and Culture, [S. l.], v. 41, n. 2, 2019.

BUZATO, Marcelo El Khouri. Data storytelling e a dadificação de tudo: um gênero bastardo de mãe narrativa e pai banco de dados. In: LIMA-LOPES, Rodrigo Esteves de; BUZATO, Marcelo El Khouri (org.). Gênero reloading. Campinas: Pontes Editores, 2018a.

BUZATO, Marcelo El Khouri. Dadificação, visualização e leitura do mundo: quem fala por nós quando os números falam por si? Revista Linguagem em Foco, [S. l.], v. 10, n. 1, p. 83–83, 2018b.

CASSIRER, Ernst. Ensaio Sobre o Homem: uma introdução a uma filosofia da cultura humana. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

CAVALCANTE, Fernando Luiz Nobre. Vínculos de ancoragens e enquadramentos temáticos: olhares itinerantes às interações midiatizadas em grupo. 2019. 292f. Tese (Doutorado em Estudos da Mídia) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2019.

CAVALCANTE, Fernando Luiz Nobre; HANKE, Michael Manfred. Framing Interaction Anchorage in Mediatized Groups. Eikon, [S. l.], v. 1, n. 7, 2020.

CHAN-OLMSTED, Sylvia; SHAY, Ronen. The emerging mobile media market: Exploring the potential of tablets for media content consumption. Palabra Clave, [S. l.], v. 17, n. 4, p. 1213–1240, 2014.

CORREA, Denize. Estudos sobre Comunicação e Cibercultura no Brasil: conceitos, tendências e clusters. Razón y Palabra, [S. l.], v. 11, n. 53, 2006.

COSTA, Lara; CARVALHO, Maria Alice. Abram alas para ela passar: Chiquinha Gonzaga e a agência no Rio de Janeiro do século XIX. 2015. Doctoral Thesis - Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: http://www.cis.puc-rio.br/assets/pdf/PDF_CIS_1463686409_1111655_2015_Lara_Denise_G%C3%B3es_da_Costa.pdf. Acesso em: 21 mar. 2020.

COULDRY, Nick; HEPP, Andreas. The mediated construction of reality. [S. l.]: John Wiley & Sons, 2018. E-book.

COULDRY, Nick; HEPP, Andreas. A Construção mediada da realidade. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2020. E-book.

CRISTIANO, Javier L. Habitus e imaginación. Revista mexicana de sociología, [S. l.], v. 73, n. 1, p. 47–72, 2011.

DA ROCHA, Ana Luiza Carvalho; ECKERT, Cornelia. Antropologia em outras linguagens: Considerações para uma etnografia hipertextual. Revista Brasileira de Ciências Sociais, [S. l.], v. 31, n. 90, p. 71–85, 2016.

DE SOUZA, Maria Clara Paixão. Conceito material de" texto digital": um ensaio. Texto Digital, Florianópolis, v. 5, n. 2, p. 159–187, 2009.

DEL CARMEN PRIETO-TERRONES, Paloma; SANZ-MARTIN, Blanca Elena. La ciberlengua empleada en WhatsApp. Un estudio de actitudes y creencias lingüísticas. Investigación y Ciencia de la Universidad Autónoma de Aguascalientes, [S. l.], n. 78, p. 74–84, 2019.

DENZIN, Norman K.; KELLER, Charles M. Frame analysis reconsidered. [S. l.], v. 10, n. 1, p. 9, 1981. Disponível em: https://doi.org/10.2307/2067803

EDWARDS, Elizabeth. Rastreando a fotografia. In: A experiência da imagem na etnografia. [S. l.]: Terceiro Nome. São Paulo, 2016. p. 153–190. E-book.

ENTLER, Ronaldo. A fotografia e as representações do tempo. Galáxia, [S. l.], n. 14, p. 29–46, 2007.

FERNANDES, Florestan. O folclore em questão. [S. l.]: Martins Fontes, 2003. E-book.

FERRAZ, Ana Lúcia Marques Camargo. Etnografia e hipermídia: a cidade como hipertexto e as redes de relações nas ruas em Niterói/RJ. A experiência da imagem na etnografia, [S. l.], p. 307, 2016.

Filosofia da Caixa Preta: Ensaios para uma futura filosofia da fotografia. São Paulo: HUCITEC, 1985.

FLUSSER, Vilém. O universo das imagens técnicas. Elogio da superficialidade. São Paulo: Annablume, 2008.

GÂNDARA, Paula. A Contextual Approach to Mariza Lira’s Chiquinha Gonzaga, O Abre Alas. Mulheres e a Literatura Brasileira, [S. l.], p. 120, [s. d.].

GIRALDO, Camilo. La dicotomía difusa contra la dicotomía tradicional oral/escrito. La escritura por WhatsApp. Praxis & Saber, [S. l.], v. 9, n. 20, p. 239–258, 2018.

GOLDENBERG. Mirian. A arte de pesquisar. Como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 8ª edição. Rio de Janeiro: Editora Record, 2004

GOFFMAN, Erving. Interaction ritual: Essays in face to face behavior. [S. l.]: AldineTransaction, 2005. E-book.

GUERREIRO, Anderson; SOARES, Neiva Maria Machado. Os memes vão além do humor: uma leitura multimodal para a construção de sentidos. Texto Digital, Florianópolis, v. 12, n. 2, p. 185–208, 2016.

HANKE, Michael. Comunicação e Lebenswelt, racionalidade e experiência estética: uma discussão interdisciplinar com autores pragmatistas a partir de considerações de Vilém Flusser. In: ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 25, 2016, [Goiânia]. Trabalho apresentado no GT COMUNICAÇÃO E CULTURA. [Goiânia]: Compós, 2016. p. 1 - 18. Disponível em: http://www.compos.org.br/biblioteca/comautoria_3304.pdf. Acesso em: 07 jan. 2020.

HEPP, Andreas. Deep Mediatization: Key Ideas in Media & Cultural Studies. [S. l.]: Routledge, 2019. E-book.

HEPP, Andreas; HASEBRINK, Uwe. Human interaction and communicative figurations: The transformation of mediatized cultures and societies. Mediatization of communication, [S. l.], p. 249–272, 2014.

JENSEN, Klaus Bruhn. A Handbook of Media and Communication Research Qualitative and quantitative methodologies. London: Routledge, 2002.

MADIANOU, Mirca. Smartphones as polymedia. Journal of Computer-Mediated Communication, [S. l.], v. 19, n. 3, p. 667–680, 2014.

MAGALHÃES, Nara Maria Emanuelli. Cultura brasileira e televisão–uma trajetória de debates e desafios atuais. Ilha Revista de Antropologia, [S. l.], v. 10, n. 2, p. 37–57, 2008.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

OROZCO, Guillermo; GONZÁLEZ, Rodrigo. Una coartada metodológica. Abordajes cualitativas en la investigación en comunicación, medios y audiencias. México: Tintable, 2012.

PARKER, Richard G. Bodies and pleasures: On the construction of erotic meanings in contemporary Brazil. Anthropology and Humanism Quarterly, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 58–64, 1989.

PAZ, Octavio. El laberinto de la soledad, Postdata, Vuelta a El laberinto de la Soledad. 3ª ed. México: FCE, 2004.

PRIMO, Alex Teixeira; VALIATI, Vanessa; LUPINACCI, Ludmila; BARROS, Laura. Conversações fluidas na cibercultura. Revista FAMECOS: mídia, cultura e tecnologia, [S. l.], v. 24, n. 1, 2017.

ROCHA, Ewelter. Por uma poética da cultura: a estética do sagrado em Juazeiro do Norte. Revista do Colóquio, [S. l.], n. 8, p. 105–122, 2015.

RODRÍGUEZ, María Graciela. Del mediocentrismo a un mirar antropológico sobre los medios. RevCom, [S. l.], 2019.

ROMELE, Alberto. The datafication of the worldview. AI & Soc, [S. l.], 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s00146-020-00989-x

ROSENHAN, David L. On Being Sane In Insane Places. 179. ed. Washington, Dc: Aaas, 1973. 16 p. (Science). Disponível em: http://isites.harvard.edu/fs/docs/icb.topic625827.files/On_Being_Sane_In_Insane_Places-1.pdf. Acesso em: 07 jan. 2020.

ROSSINI, Patrícia; STROMER-GALLEY, Jennifer; BAPTISTA, Erica Anita; VEIGA DE OLIVEIRA, Vanessa. Dysfunctional information sharing on WhatsApp and Facebook: The role of political talk, cross-cutting exposure and social corrections. New Media & Society, [S. l.], p. 1461444820928059, 2020.

TERRAZA, Cristiane Herres; TRAVASSOS, Lorena. O tempo do espectador: a fruição da imagem em movimento no espaço do museu. Galáxia (São Paulo), [S. l.], n. 37, p. 120–134, 2018.

TOSTA, Antonio Luciano. Resistance and citizenship in the songs of Ile Aiye and Olodum. Afro-Hispanic Review, [S. l.], p. 175–194, 2010.

Downloads

Publicado

2020-12-22