A percepção e a aceitabilidade de formas de tratamento no português europeu (PE): uma abordagem experimental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8420.2019v20n2p135

Palavras-chave:

Segunda pessoa, Variação linguística, Sistemas de tratamento, Diferenças entre Português Brasileiro e Português Europeu

Resumo

O objetivo do trabalho é apresentar os resultados de um experimento realizado em Lisboa para detectar o valor social assumido pelas variantes tu e você no português europeu. Um teste de julgamento de aceitabilidade das formas de segunda pessoa em variação na posição de sujeito foi realizado com 34 participantes portugueses seguindo o modelo realizado por Oliveira, Lopes e Carvalho (2016) com falantes do Rio de Janeiro. O objetivo do experimento foi analisar a percepção que os falantes do PE teriam das estratégias de tratamento empregadas para estabelecer uma comparação entre PE e PB. A proposta estabelece uma interface entre a perspectiva Sociolinguística laboviana (WEINREICH; LABOV; HERZOG, 2006 [1968]) e a Sociopragmática (BRIZ, 2004) por um viés experimental (KENEDY, 2015). Os resultados do experimento em Lisboa evidenciaram, diferentemente do que fora observado no Rio de Janeiro, um alto grau de aceitabilidade de tu nos diferentes tipos de interação controlados. O mesmo não se verificou para a variante você, que incitou nos participantes um comportamento mais vacilante durante o julgamento, principalmente, quando a forma aparecia como sujeito focalizado. Os resultados mostraram ainda que a forma verbal de 3SG, como sujeito nulo, não seria uma correlata da variante você, pois apresentou aceitação positiva nas relações assimétricas, o que não ocorreu necessariamente com o você explícito.

Biografia do Autor

Célia Regina dos Santos Lopes, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora Associada IV do Departamento de Letras Vernáculas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Pesquisador 1D do CNPq

Professora de Língua Portuguesa - História da Língua

Referências

BALSALOBRE, S. R. G. Brasil, Moçambique e Angola: desvendando relações sociolinguísticas pelo prisma das formas de tratamento. 2015. 345 f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Araraquara, 2015. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/127872.

BRIZ, A. Cortesía verbal codificada y cortesía verbal interpretada em la conversación. In: BRAVO, D.; BRIZ, A. Pragmática sociocultural – Estudios sobre el discurso de cortesía em español. Barcelona: Ariel, 2004, p. 67-93.

BROWN, R.; GILMAN, A. The pronouns of power and solidarity. SEBOOK, T. A. (Ed.). Style in language. Cambridge; Massachusetts: The MIT Press, 1960.

CARREIRA, M. H. A. Modalisation Linguistique en Situation d’Interlocution. Proxémique verbale et modalités en portugais. 1995. Tese (Doutorado), Universidade de Paris IV, Sorbonne, 1995.

CARREIRA, M. H. A. Semântica e discurso, estudos de Linguística Portuguesa e Comparativa (Português/Francês). Porto: Porto Editora, 2001.

CARREIRA, M. H. A. La designation de l’autre en portugais européen: instabilités linguistiques et variations discursives. Instabilités linguistiques dans les langues romanes. Travaux et Documents, n. 16, p. 173-184, 2002.

CARREIRA, M. H. A. Les formes d’allocution du portugais européen: valeurs et fonctionnements discursifs. Franco-British Studies, p. 35-45, 2004. Disponível em: http://cvc.cervantes.es/obref/coloquio_paris/ponencias/pdf/cvc_araujo.pdf. Acesso em: 02 fev. 2008.

COHEN J.D.; MACWHINNEY B./ FLATT M.; PROVOST J. PsyScope: A new graphic interactive environment for designing psychology experiments. Behavioral Research Methods, Instruments, and Computers, 25(2), 257-271, 1993.

CINTRA, L. F. L. Sobre « formas de tratamento » na língua portuguesa. Lisboa: Livros Horizonte, 1972.

DERWING, B. L. & DE ALMEIDA, R. G. Métodos experimentais em Linguística. In: MAIA, M.; FINGER, I. (Eds.). Processamento da Linguagem. Pelotas: Educat, 2005, p. 401-442.

DUARTE, M. E. L. O sujeito nulo no português brasileiro. In: CYRINO, S.; MORAIS, Maria A. Torres. História do Português Brasileiro: mudança sintática do português brasileiro: perspectiva gerativista. São Paulo: Contexto, 2018.

DUARTE, I. M.. Formas de tratamento em português: Entre léxico e discurso. Revista Matraga, Rio de Janeiro, v.18 (28): 84-104, jan./jun. 2011.

FARIA, R. F. N. O Fenómeno da Delicadeza Linguística em Português e em Inglês. 2009. Tese (Doutorado em Linguística). Faculdade de Ciências Sociais Humanas, UCP, 2009.

GUILHERME, A. R. B.; BERMEJO, V. L.. Quão cortês é você? O pronome de tratamento você em Português Europeu. Labor-Histórico, Rio de Janeiro, 1 (2): 167-180, jul.-dez, 2015.

GYULAI, É. V. G. Abordagem das Formas de Tratamento nas Aulas de Português Língua Segunda/Língua Estrangeira. 2011. Dissertação (Mestrado), Universidade do Porto, 2011.

HAMMERMÜLLER, G. Die Anrede im Portugiesischen. Eine soziolinguistiche Untersuchung zu Anderkonventionen und Portugiesischen. 46 (L'adresse en portugais. Une recherche sociolinguistique des conventions et des formes d'adresse du portugais européen contemporain. Uma análise sobre a complexidade de sistema das formas de tratamento em Português – tradução de Carreira). Tese (Doutorado), Universidade de Kiel, 1993.

KENEDY, E. Psicolinguística na descrição gramatical. In: MAIA, M. (Org.). Psicolinguística, psicolinguísticas. Rio de Janeiro: Contexto, 2015, p.143-156.

LABOV, W. The social stratification of English in New York. Washington, D. C.: Center for Applied Linguistics, 1966.

LEŠKOVÁ, Jana. As formas de tratamento em Português Europeu. Olomouc. Diplomová práce (Mgr.). UNIVERZITA PALACKÉHO V OLOMOUCI. Filozofická fakulta, 2012.

LOPES, C. R. dos S. Retratos da mudança no sistema pronominal: o tratamento carioca nas primeiras décadas do século XX. In: CORTINA, A.; NASSER, S. M. G. C. (Orgs.). Sujeito e Linguagem: Séries Trilhas Linguísticas. Araraquara: Cultura Acadêmica, 2009, v.17, p. 47-74.

LOPES, C. R. dos Santos; CAVALCANTE, S. A cronologia do voceamento no português brasileiro: expansão de você - sujeito e retenção do clítico-te. Revista Lingüistica, Madrid, v.25, p.30 –65, 2011.

LOPES, C. R. dos S.; MARCOTULIO, L. L.; SANTOS, V. M., SILVA, A. S. Quem está do outro lado do túnel? Tu ou você na cena urbana carioca. In: Neue Romania des Instituts für Romanische Philologie der FU Berlin, v.39, 2009, p.49-66.

LOPES, C. R. dos S.; SANTOS, V. M. Variation of 2nd person pronouns in Rio de Janeiro/Brazil: Social stratification in large cities. Paper presented at Sociolinguistics Symposium 19 Language and city, Freie Universität Berlin, 2012.

MACHADO, A. C. M. A implementação de "você" no quadro pronominal: as estratégias de referência ao interlocutor em peças teatrais no século XX. 2006. 108 f. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

MAIA, Marcus; FINGER, Ingrid. Processamento da linguagem. Pelotas: Educat, 2005.

MARQUES, Maria Emília Ricardo. Complementação verbal. Estudo sociolinguístico. 1988. Tese (Doutorado), Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 1988.

MEDEIROS, S. M. de O. A Model of Address From Negotiation: a Sociolinguistic Study of Continental Portuguese. Tese (Doutorado), Universidade do Texas, Texas, 1985.

NASCIMENTO, M. F. BACELAR, MENDES, Amalia; DUARTE, Maria Eugenia. Sobre formas de tratamento no português europeu e brasileiro. Diadorim, Rio de Janeiro, vol. 20 – Especial, p. 245-262, 2018.

OLIVEIRA, T. L.; LOPES, C. R. S; CARVALHO, B. B. A expressão da 2ª pessoa do singular em cenas legendadas: variação e percepção numa abordagem experimental. Revista Todas as Letras. São Paulo, v. 18 (2), 2016, p.117-132.

OUSHIRO, L. Identidade na pluralidade: avaliação, produção e percepção linguística na cidade de São Paulo. 2015.395 f. Tese (Doutorado em Linguística), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

PAREDES SILVA, V. L. A variação você/tu na fala carioca. Comunicação apresentada no 1º Encontro de Variação Linguística do Cone Sul. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Setembro de 1996.

PAREDES SILVA, V. L. O retorno do pronome tu à fala carioca. In: RONCARATI, C.; ABRAÇADO, J. (Orgs.) Português Brasileiro: contato linguístico, heterogeneidade e história. Rio de Janeiro: 7 letras, 2003, p. 160-169.

RUMEU, M. C. de B. A implementação do ‘você’ no português brasileiro oitocentista e novecentista: um estudo de painel. 2008. 928f. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

SANTANA, É. E. da P.; CARDOSO, S. A. Os pronomes tu e você para identificação do interlocutor: capitais do sudeste brasileiro com base nos dados do Projeto ALiB. In: ISQUERDO, A. N.; ALTINO, F. C.; AGUILERA, V. de A. (Org.). Atlas Linguístico do Brasil: descrevendo a língua, formando jovens pesquisadores. Vol. III, Londrina: UEL, 2014, CDROM.

SANTOS, V. M. dos. “Tu vai para onde?... Você vai para onde”: manifestações da segunda pessoa na fala carioca. 2012. 137 f. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

SCHERRE, M. et al. Variação dos pronomes ‘tu’ e ‘você’. In: MARTINS, M. A.; ABRAÇADO, J. (Orgs.). Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2015, p. 133-172.

SCHÜTZE, C. T.; SPROUSE, J. Judgement data. In: PODESVA R.; DEVYAN; SHARMA (Eds.). Research methods in linguistics. New York: Cambridge University Press, 2013, p. 27-50.

WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Trad. de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2006 [1968].

Downloads

Publicado

2019-12-19