Eu lhe alembro a você: sobre o lugar de vossa mercê e você na história do português

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8420.2019v20n2p85

Palavras-chave:

Filologia, Etimologia, Formas de tratamento, Vossa mercê, Você

Resumo

A mudança nas normas de polidez afeta e reconfigura o sistema de tratamentos de uma dada língua. Localizar fontes primárias escassas, como os manuscritos quinhentistas e seiscentistas, permite que se estude, para além das formas de tratamento, a formação de um novo acordo de polidez, assentado em uma nova sociedade que começa a se formar em meados do século XVI na América Portuguesa. São índices desse novo sistema as formas vossa mercê e você. Os arranjos feitos no início do processo de colonização afetaram as formas e funções de cortesia do que viria a se tornar o português brasileiro (PB), daí a ênfase que damos aos séculos XVI e XVII. Investigamos neste texto (a) fontes documentais manuscritas quinhentistas e seiscentistas que trazem ocorrências abundantes de vossa mercê e que nunca foram analisadas em pesquisas sobre formas de tratamento; (b) o uso das formas vossa mercê e você a partir de uma obra literária e de fontes metalinguísticas; e tecemos observações à luz da investigação proposta. Uma das contribuições deste artigo é a atestação do terminus a quo da palavra você, que data de 1638. Outras decorrências da análise levada a cabo são a defesa de uma necessária interdisciplinaridade dos estudos de Filologia, Paleografia e Linguística Histórica, além da constituição de um diálogo efetivo entre os projetos coletivos estaduais que pesquisam a história do PB, considerando-se sua sócio-história comum.

Biografia do Autor

Vanessa Martins do Monte, Universidade de São Paulo

Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Universidade de São Paulo. Área de Filologia e Língua Portuguesa.

Referências

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez & latino: aulico, anatomico, architectonicco... Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1712-1728. 8 v. Disponível em: http://www.brasiliana.usp.br/dicionario/edicao/1. Acesso em 12 abr. 2019.

BLUTEAU, Raphael. Diccionario Castellano y Portuguez para facilitar a los castellanos el uso del Vocabulario Portuguez, y Latino, Vocabulário Portuguez e Latino, VIII, Lisboa Occidental, Na Officina de Pascoal da Silva, 1721, [6], 3-189.

BROWN, Penelope; LEVINSON, Stephen. Politeness. Cambridge: Cambridge, 1987.

CINTRA, Luís Felipe Lindley. Sobre “formas de tratamento” na língua portuguesa. Lisboa: Livros Horizonte, 1972.

CLUL (Ed.). P.S. Post Scriptum. Arquivo Digital de Escrita Quotidiana em Portugal e Espanha na Época Moderna. Lisboa, 2014. Disponível em: http://ps.clul.ul.pt. Acesso em 12 abr. 2019.

COOK, Manuela. Uma Teoria de Interpretação das Formas de Tratamento na Língua Portuguesa. Hispania, Birmingham, v. 80, n. 3, p. 451-464, sep. 1997. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/345821. Acesso em: 12 abr. 2019.

COOK, Manuela. Portuguese Pronouns and Other Forms of Address, from the Past into the Future—Structural, Semantic and Pragmatic Reflections. Ellipsis - Journal of the American Portuguese Studies Association, New Brunswick, v. 11, p. 267-290, 2013. Disponível em: https://jls.apsa.us/index.php/jls /article/view/84/105. Acesso em: 12 abr. 2019.

CULPEPER, Jonathan. Impoliteness: Using Language to Cause Offence. New York: Cambrige University Press, 2011.

DURÃES, Andreia Maria. Casas de cidade: processo de privatização e consumos de luxo nas camadas intermédias urbanas (Lisboa na segunda metade do século XVIII e início do século XIX). 2017. 489 f. Tese (Doutoramento em História) - Instituto de Ciências Sociais, Universidade do Minho, Braga, 2017. Disponível em:

https://www.academia.edu/37469076/Casas_de_cidade_processo_de_privatiza%C3%A7%C3%A3o_e_consumos_de_luxo_entre_as_camadas_m%C3%A9dias_urbanas_Lisboa_na_segunda_metade_do_s%C3%A9culo_XVIII_e_in%C3%ADcios_do_s%C3%A9culo_XIX_. Acesso em: 24 set. 2019.

FEIJÓ, João de Morais Madureira. Orthographia, ou arte de escrever, e pronunciar com acerto a lingua portugueza para uso do excellentissimo Duque de Lafoens / pelo seu mestre João de Moraes Madureyra Feyjo... Lisboa Occidental: na Officina de Miguel Rodrigues, Impressor do Senhor Patriarca, 1734. Disponível em: http://purl.pt/13. Acesso em: 12 abr. 2019.

FRANCO, Daví. Você: uma análise sociopragmática dos seus primeiros registros na literatura. Anais do XVII Colóquio de Pós-graduação e Pesquisa em Letras Neolatinas, Rio de Janeiro, UFRJ, p. 37-44, 2017. Disponível em: http://www.letras. ufrj.br/pgneolatinas/site/wp-content/uploads/2018/05/Anais-XVII-PPGLEN-vers%C3%A3ofinal.pdf#page=37. Acesso em: 12 abr. 2019.

GONÇALVES, Maria Filomena; BANZA, Ana Paula. Fontes metalinguísticas para o português clássico: O caso das Reflexões sobre a Lingua Portugueza. In: GONÇALVES, Maria Filomena; BANZA, Ana Paula. (Coord.) Património Textual e Humanidades Digitais: Da antiga à nova Filologia [online]. Lisboa: Publicações do Cidehus, 2013, p. 73-111. Disponível em: http://books.openedition.org/cidehus/1088. Acesso em: 12 abr. 2019.

HOUAISS, Antonio; VILLAR, Mauro. Dicionário Houaiss. Rio de Janeiro: Editora Objetiva e Instituto Antônio Houaiss, 2012. Edição online. Disponível em: http://houaiss.uol.com.br/. Acesso em: 28 set. 2019.

LOPES, Célia Regina dos Santos et al. A reorganização do sistema pronominal de 2ª pessoa na história do português brasileiro: a posição de sujeito. In: LOPES, Célia Regina dos Santos et al. (Org.). História do Português Brasileiro: Mudança sintática das classes de palavras: perspectiva funcionalista. v. 4. São Paulo: Contexto, 2018. p. 24-142.

LUZ, Marilina dos Santos. Fórmulas de tratamento no português arcaico – subsídios para o seu estudo. Revista Portuguesa de Filologia, Coimbra, v. 7, 8 e 9, p. 256-363, 1958.

MENON, Odete Pereira da Silva. A história de você. In: GUEDES, Marymarcia et al. (Org.). Teoria e análise linguísticas: novas trilhas. Araraquara: LEFCL/ São Paulo: Cult. Acadêmica, 2006. p. 99-160.

MENON, Odete Pereira da Silva. Sobre a datação de você, ocê e senhorita. Fórum Linguístico, Florianópolis, v. 6, n. 1, p. 45-71, 2009.

MONTE, Vanessa Martins do. Correspondências Paulistas: As formas de tratamento em cartas de circulação pública (1765-1775). São Paulo: Humanitas/FAPESP, 2015.

PAIXÃO DE SOUSA, Maria Clara. Texto digital: uma perspectiva material. Revista da ANPOLL, Florianópolis, v. 1, p. 15-60, 2013.

SANTOS, Maria do Rosário Calisto Laureano. A Comédia Ulissipo de Jorge Ferreira de Vasconcelos: Estudo e edição crítica. 2006. 536 f. Tese (Doutoramento em Estudos Portugueses) - Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2006. Disponível em: http://hdl.handle.net/10362/15004. Acesso em: 12 abr. 2019.

SIMON, Horst. From pragmatics to grammar. Tracing the development of respect in the history of the German pronouns of address. In: TAAVITISAINEN, Irma; JUCKER, Andreas H. (Ed.). Diachronic Perspectives on Address Term Systems. Amsterdam / Philadelphia: Benjamins, 2003. p. 85-123.

TOLEDO NETO, Sílvio de Almeida. Datação e localização dos tipos de escrita: informações relevantes para a Crítica Textual? In: LOSE, Alícia Duhá; SOUZA, Arivaldo Sacramento de. (Org.). Paleografia e suas interfaces. 1ed. v. 1. Salvador: Memória & Arte, 2018, p. 292-303.

VERDELHO, Evelina. As edições de O Fidalgo Aprendiz, de D. Francisco Manuel De Melo. Humanitas, Coimbra, Universidade de Coimbra, v. 50, tomo II, p. 867-886, 1998. Disponível em: https://www.uc.pt/fluc/eclassicos/publicacoes/ficheiros/humanitas 50/49.2_Verdelho.pdf. Acesso em: 12 abr. 2019.

VIARO, Mário Eduardo; BIZZOCCHI, Aldo Luiz. Proposta de novos conceitos e uma nova notação na formulação de proposições e discussões etimológicas. Alfa, São Paulo, v. 60, n. 3, p. 579-601, dez. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S1981-57942016000300579&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 11 abr. 2019.

Downloads

Publicado

2019-12-19