Marcadores discursivos e multifuncionalidade: atuações textuais de itens voltados para a interação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8420.2020v21n1p197

Palavras-chave:

Marcadores discursivos, Multifuncionalidade, Funcionalismo, Gramática baseada no uso

Resumo

O objetivo do presente artigo é explorar as atuações de um grupo específico de marcadores discursivos interacionais, o grupo dos requisitos de apoio discursivo (RADs). Com base em uma perspectiva funcionalista de vertente norte-americana, descrevemos a multifuncionalidade de alguns desses RADs, itens basicamente interacionais, dando ênfase às suas atuações no plano textual, o que tem sido pouco explorado em trabalhos acadêmicos. Para isso, recuperamos os dados de Valle (2014), que examinou amostra de fala composta por 30 entrevistas com falantes da comunidade da Barra da Lagoa – Florianópolis/SC (Amostra Brescancini-Valle), encontrando um total de 1.610 ocorrências. Como resultado, observou-se que os RADs, para além de atuarem no plano interacional, no plano cognitivo, no plano das atitudes do falante e no plano social/identitário, cumprem também funções no plano textual. Tais itens, para além de sua função básica interacional, têm o papel de colocar foco e determinadas porções textuais, contribuindo sobremaneira para a organização do fluxo da fala.

Biografia do Autor

Carla Regina Martins Valle, Universidade Federal de Santa Catarina

Concluiu Licenciatura em Letras com habilitação em Português e Italiano (1999) pela Universidade Federal de Santa Catarina e mestrado (2001), doutorado (2014) e pós-doutorado (2018) em Linguística pelo Programa de Pós-graduação em Linguística da UFSC. Tem realizado pesquisas nas áreas de Sociolinguística/Teoria da Variação e Mudança e de Funcionalismo/Gramaticalização. É professora da Universidade Federal de Santa Catarina, no Departamento de Língua e Literatura Vernáculas, atuando na área de Sociolinguística e Dialetologia. Seus interesses estão voltados a pesquisas sobre marcadores discursivos, variação estilística, identidade linguística, gramaticalização e ensino de língua portuguesa.

Referências

ANDERSEN, Hanne Leth. Marqueurs discursifs propositionnels. Langue française, n. 154, p. 13-28, 2007.

BYBEE, Joan. Language, Usage and Cognition. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

FRASER, Bruce. What are discourse markers? Journal of Pragmatics, v. 31, p. 931-952, 1999.

FRASER, Bruce. Pragmatic markers. Pragmatics, n.6(2), p. 167–190, 1996.

GALUÉ, Dexy. Marcadores conversacionales: un análisis pragmático. Boletín de Lingüística, Universidad Central de Venezuela, Caracas, v. 18, p. 27-48, 2002.

GIVÓN, Talmy. Compreendendo a gramática. Tradução e adaptação: Maria Angélica Furtado da Cunha; Mário Eduardo Martelotta; Filipe Albani. Natal: EDUFRN, 2011 [1979].

GIVÓN, Talmy. Bio-linguistics: the Santa Barbara lectures. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2002.

MACEDO, Alzira; SILVA, Giselle Machline de Oliveira. Análise sociolinguística de alguns marcadores conversacionais. In: MACEDO, Alzira; RONCARATI, Cláudia; MOLLICA, Maria C. (Orgs.).Variação e discurso. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996. p. 11-49.

MARTELOTTA, M. E.; LEITÃO, M. Igualdades e diferenças nos marcadores discursivos sabe? e entendeu?. In: Artigos produzidos pelo Grupo Discurso & Gramática sobre gramaticalização no português do Brasil. UFRJ, Rio de Janeiro, 1998. Mimeo.

MARTELOTTA, Mário E. Operadores argumentativos e marcadores discursivos. In: VOTRE, Sebastião J.; CEZARIO, Maria Maura; MARTELOTTA, Mário E. (Orgs.). Gramaticalização. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras UFRJ, 2004. p. 82-136.

MÜLLER, Simone. Discourse markers in native and non-native english discourse. Amsterdam /Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2005.

PICHLER, Heike. Methods in discourse variation analysis: reflections on the way forward. Journal of Sociolinguistics, 14/5, p. 581-608, 2010.

SCHIFFRIN, Deborah. Discourse markers: language, meaning and context. In: SCHIFFRIN, Deborah; TANNEN, Deborah; HAMILTON, Heidi E. (Eds.). The handbook of discourse analysis. Malden, MA: Blackwell, 2001. p. 54-75.

SCHIFFRIN, Deborah . Discourse markers. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

TRAUGOTT, Elizabeth Closs. The role of the development of discourse markers in a theory of grammaticalization. Manchester: Stanford University, 1995, p.1-29.

TRAUGOTT, Elizabeth Closs; DASHER, Richard B. Regularity in semantic change. 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2003. E-book.

TRAUGOTT, Elizabeth Closs; KÖNIG, Ekkehard. The semantics-pragmatics of grammaticalization revisited. In: TRAUGOTT, Elizabeth Closs; HEINE, Bern (Eds.). Approaches to grammaticalization: focus on theoretical and methodological issues. Amsterdam /Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, v. 1 e 2, 1991. p. 189-218.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. O relevo no processamento da informação. In: JUBRAN, Clélia Cândida Abreu Spinardi; KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça (Orgs.). Gramática do português culto falado no Brasil. Campinas: Editora da UNICAMP, 2006. p. 167-215.

VALLE, Carla Regina Martins. Sabe?~não tem?~entende?: itens de origem verbal em variação como requisitos de apoio discursivo. 2001. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001.

VALLE, Carla Regina Martins. Multifuncionalidade, mudança e variação de marcadores discursivos derivados de verbos cognitivos: forças semântico-pragmáticas, estilísticas e identitárias em competição. 2014. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

Downloads

Publicado

2020-07-28