A multifuncionalidade de aliás: valores semânticos em perspectiva funcional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8420.2020v21n1p220

Palavras-chave:

Funcionalismo, Multifuncionalismo, Semântica, Oralidade, Aliás

Resumo

Este artigo tem por objeto de estudo o elemento linguístico aliás, observado nos diferentes contextos de uso em que é recrutado. Segundo a Nomenclatura Gramatical Brasileira (NGB), aliás é classificado como palavra denotadora de retificação. Em gramáticas e dicionários de autores consagrados, esse item é classificado conforme a NGB e como advérbio. Durante a pesquisa, verificamos a flutuação categorial desse elemento, que também assume características de conjunção, conector reformulativo e operador argumentativo, além da mencionada classificação tradicional. Observamos sua frequência e usos, em textos de modalidade oral, do corpus Discurso & Gramática, sob a luz da Linguística Funcional Centrada no Uso. Os fatores analisados, calcados no aspecto semântico, são os seguintes: posições nos textos, frequência de uso, graus de escolaridade e gêneros textuais. A análise aponta que esse elemento, bastante utilizado no português do Brasil, serve às diversas funções discursivas, tais como: reformulação, retificação integral, retificação parcial, inclusão (de argumentos), dentre outras. Não obstante à classificação imposta pela NGB, os resultados apontam para uma versatilidade desse elemento linguístico, quando analisado nos contextos em que é instanciado.

Biografia do Autor

Nice da Silva Ramos, Universidade Federal Fluminense

Mestre em Linguística pela Universidade Federal Fluminense e professora de Língua Portuguesa da Rede Estadual do Rio de Janeiro.

Referências

AZEREDO, José Carlos de. Gramática Houaiss da Língua Portuguesa. São Paulo: Publifolha, 2014.

BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

CEZARIO, Maria Maura; CUNHA, Maria Angélica Furtado da. Linguística Centrada no Uso. Rio de Janeiro: Mauad x FAPERJ, 2013.

CUNHA, Celso; CINTRA, Lindley. Nova Gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

CUNHA, Maria Angélica Furtado da. A linguística centrada no uso (ou linguística cognitivo-funcional). In: SOUZA, Medianeira et al. (Org.). Sintaxe em foco. Recife: PPGL / UFPE, 2012, p. 29-49.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Miniaurélio: o minidicionário da língua portuguesa. 6. ed. Curitiba: Publifolha, 2007.

GIVÓN, Talmy. A compreensão da gramática. Tradução Maria Angélica Furtado da Cunha, Mário Eduardo Martelotta, Filipe Albani. São Paulo: Cortez; Natal, RN: EDUFRN, 2012.

Grupo D&G. Disponível em: http://www.discursoegramatica.letras.ufrj.br/. Acesso em julho de 2017.

KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. A inter-ação pela linguagem. São Paulo: Contexto, 2015.

OLIVEIRA, Heleno Fonseca de. Os conectores reformulativos. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 5, n. 9, p. 229-233, 2º sem. 2001.

OLIVEIRA, Mariângela Rios de. Contexto: definição e fatores de análise. In: OLIVEIRA, Mariângela Rios de; ROSÁRIO, Ivo da Costa do. (Org.). Linguística centrada no uso – teoria e método. Rio de Janeiro: Lamparina; FAPERJ, 2015, p. 22-35.

Downloads

Publicado

2020-07-28