“Vai chatear o Camões”: a construção impositiva de destrato

Autores

  • José Romerito Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Maria Aparecida da Silva Andrade Instituto de Educação Superior Presidente Kennedy - IFESP

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8420.2020v21n1p43

Palavras-chave:

Construção de destrato, Imperativo, Verbo ir, Linguística funcional centrada no uso, Gramática de construções

Resumo

Neste trabalho, temos como objeto de estudo a construção impositiva de destrato com o verbo ir, aqui denominada CID. Essa construção representa um ato de fala diretivo e está associada a um momento de desacordo entre os parceiros de interação, em que o locutor, irritado, insulta o interlocutor, repelindo-o. Tomamos, como referencial teórico a Linguística Funcional Centrada no Uso (LFCU) e contribuições da Gramática de Construções. Adicionalmente, recorremos aos estudos em Pragmática, em particular, às noções de polidez e de face. O estudo é de natureza qualitativo-interpretativa, para o qual utilizamos como material de análise textos de gêneros diversos tanto de fala quanto de escrita.

Biografia do Autor

José Romerito Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professor Associado 2 da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). É vinculado à Escola de
Ciências e Tecnologia (ECT/UFRN), ministrando disciplinas na área de Práticas de Leitura e Escrita, e ao
Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem (PpgEL/UFRN), atuando no desenvolvimento e na
orientação de pesquisas em Linguística Funcional Centrada no Uso junto ao grupo de estudos Discurso &
Gramática.

Maria Aparecida da Silva Andrade, Instituto de Educação Superior Presidente Kennedy - IFESP

Professora do Instituto de Educação Superior Presidente Kennedy (IFESP/RN), atuando na área de formação de professores.

Referências

ANDRADE, M. A. S. Construções gramaticais com ir no português brasileiro contemporâneo. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.

AUSTIN, J. L. Quando dizer é fazer: palavras e ações. Trad. D. M. de Souza Filho. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990. (Col. Série Discurso Psicanalítico).

BARRERE, L. L. Face e polidez linguística em reclamações online: uma análise sob o viés pragmático. Entrepalavras, Fortaleza, v. 7, p. 383-405, jan./jun., 2017.

BECK, D. The syntax, semantics, and typology of adjectives in Upper Necaxa Totonac. Linguistic Typology, v. 4, n. 2, 2000.

BECKNER, C. et al. Language is a complex adaptive system: position paper. Language Learning, v. 59. p. 1-26, 2009.

BOAS, H. C. Cognitive Construction Grammar. In: HOFFMANN, T.; TROUSDALE, G. (Eds.). The Oxford handbook of Construction Grammar. New York: OUP, 2013, p. 176-188.

BROWN, P.; LEVINSON, S. Politeness: some universals in language usage. Cambridge: CUP, 1987.

BYBEE, J. Language, usage and cognition. Cambridge: CUP, 2010.

BYBEE, J. Markedness: iconicity, economy, and frequency. In: SONG, J. J. (Ed.). The Oxford Handbook of Linguistic Typology. Oxford: OUP, 2012, p. 131-147.

CARDOSO, D. B. B. O imperativo gramatical no português brasileiro. Estudos Linguísticos, v. 14, n. 2, Belo Horizonte, p. 317-340, jun./dez., 2006.

CEZARIO, M. M.; FURTADO DA CUNHA, M. A. (Orgs). Linguística Centrada no Uso: uma homenagem a Mário Martelotta. Rio de Janeiro: Mauad; FAPERJ, 2013.

CROFT, W. Radical construction grammar: syntactic theory in typological perspective. New York: OUP, 2001.

CULPEPER, J. Politeness and impoliteness. In: ANDERSEN, G.; AIJMER, K. (Eds.). Pragmatics of society. Berlin: Mouton de Gruyter, 2012, p. 393-438. (Col. Handbooks of Pragmatics, 5).

CUNHA, T. F.; SILVEIRA, S. B. Estratégias de im-polidez em situações de conflito. Discurso & Sociedad, v. 5, n. 4, p. 677-700, 2011.

DIESSEL, H. Usage-Based Linguistics. In: ARONOFF, M. (Ed.). Oxford Research Encyclopedia of Linguistics. New York: OUP, 2017.

FORD, C. E.; FOX, B. THOMPSON, S. Social interaction and grammar. In. TOMASELLO, M. (Ed.). The new psychology of language: cognitive and functional approaches to language structure. v. 2, Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum, 2003, p. 119-144.

FRIED, M. Construction grammar. In: KISS, T.; ALEXIADOU, A. (Eds.). Syntax – theory and analysis: an international handbook, v. 1. Handbooks of Linguistics and Communication Science. Berlin: Mouton de Gruyter, 2015, p. 974-1003.

FURTADO DA CUNHA, M. A. Banco Conversacional de Natal. Natal: EdUFRN, 2011.

FURTADO DA CUNHA, M. A.; BISPO, E. B.; SILVA, J. R. Linguística Funcional Centrada no Uso: conceitos básicos e categorias analíticas. In: CEZARIO, M. M.; FURTADO DA CUNHA, M. A. (Orgs). Linguística Centrada no Uso: uma homenagem a Mário Martelotta. Rio de Janeiro: Mauad; FAPERJ, 2013.

FURTADO DA CUNHA, M. A.; BISPO, E. B.; SILVA, J. R. Variação e mudança em perspectiva construcional. Natal: EdUFRN, 2018.

GIVÓN, T. Functionalism and grammar. Amsterdam; Philadelphia: John Benjamins,1995.

GIVÓN, T. The functional approach to grammar. In: TOMASELLO, M. (Ed.). The new psychology of language: cognitive and functional approaches to language structure. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum, 1998, p. 41-66.

GOFFMAN, E. A elaboração da face: uma análise dos elementos rituais na interação social. In: FIGUEIRA, S. A. (Org.). Psicanálise e ciências sociais. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980, p. 76-114.

GOLDBERG, A. E. A construction grammar approach to argument structure. Chicago: The University of Chicago Press, 1995.

GOLDBERG, A. E. Constructions: a new theoretical approach to language. TRENDS in Cognitive Sciences, v. 7, n. 5, p. 219-224, 2003.

GONÇALVES, A. O processo de gramaticalização do verbo IR no português brasileiro: um estudo diacrônico. Domínios de Lingu@gem – Revista Eletrônica de Linguística, v. 6, n. 1, p. 393-417, 1° sem., 2012. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem. Acesso: 25 fev. 2019.

GRICE, H. P. Lógica e conversação. Trad. J. W. Geraldi. In: DASCAL, M. (Org.). Fundamentos metodológicos da Linguística – Pragmática: problemas, príticas, perspectivas da Linguística, v. IV. Campinas: Ed. do Organizador, 1982, p. 81-103.

HASPELMATH, M. Frequency vs. iconicity in explaining grammatical asymmetries. Cognitive Linguistics, v. 19, n. 1, p. 1-33, 2008.

HOPPER, P. J.; THOMPSON, S. A. Transitivity in grammar and discourse. Language, n. 56, p. 251-299, 1980.

HORN, L.; KECSKES, I. Pragmatics, discourse and cognition. In: ANDERSON, S. et al. (Eds.). The language-cognition interface. Geneva: Droz, 2013, p. 353-373.

KEMMER, S.; BARLOW, M. Introduction: a usage-based conception of language. In: BARLOW, Michael; KEMMER, Suzanne. (Eds.). Usage-based models of language. Stanford: Center for the Study of Language and Information, 2002, p. vii-xxviii.

LAKOFF, R. The limits of politeness: therapeutic and courtroom discourse. Multilingua, v. 8, n. 2/3, p. 101-129, 1989.

LEECH, G. Principles of Pragmatics. London: Longman, 1983.

LONGHIN-THOMAZI, S. R. Vai que eu engravido de novo?: gramaticalização, condicionalidade e subjetivização. Lusorama, v. 81-82, p. 135-150, 2010.

MÓIA, T. Aspetos da gramaticalização de ir como verbo auxiliar temporal. Revista da Associação Portuguesa de Linguística, v. 3, n. 9, p. 213-239, 2017.

OLIVEIRA, J. A. Polidez e identidade: a virtude do simulacro. Biblioteca on-line de ciências da comunicação, 2005. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/oliveira-jair-polidez-identidade. pdf. Acesso: 20 mar. 2019.

OLIVEIRA, J. M. O imperativo gramatical nas capitais do Nordeste: análise sociolinguística de dados do ALiB. In: LOPES, N. S. da (Orgs.). Estudos sobre o português do Nordeste: língua, lugar e sociedade. São Paulo: Blucher, 2017, p. 27-44.

OLIVEIRA, M. R.; CEZARIO, M. M. Funcionalismo linguístico: diálogos e vertentes. Niterói: EdUFF, 2017.

OLIVEIRA, M. R.; ROSÁRIO, I. C. do (Orgs.). Linguística centrada no uso: teoria e método. Rio de Janeiro: Lamparina; Faperj, 2015.

OLIVEIRA, V. M. Caracterização da polifuncionalidade morfossintática, semântica e discursiva do verbo “ir”. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009.

ÖSTMAN, J-O.; FRIED, M. (Eds.). Construction grammars: cognitive grounding and theoretical extensions. Philadelphia: John Benjamins, 2005.

PINHEIRO, R. C. A regência do verbo ir de movimento por falantes cultos de Fortaleza-CE: relação entre ensino e pesquisa. Linha D’Água (Online), São Paulo, v. 27, n. 1, p. 55-72, jun., 2014. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/linhadagua/issue/view/5611. Acesso: 30 mar. 2019.

REIS, R. L. Desculpas púbicas e política. Dissertação (Mestrado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

RUMEU, M. C. B. Formas variantes do imperativo de segunda pessoa nos séculos XIX e XX: a expressão do social. Signum: Estudos Linguísticos, v. 19, n. 2, Londrina, p. 310-341, dez. 2016.

SAMPAIO, D. A. Modo imperativo: sua manifestação/expressão no português contemporâneo. Dissertação de Mestrado. Salvador: UFBA, 2001.

SCHERRE, M. M. P. Aspectos sincrônicos e diacrônicos do imperativo gramatical no português brasileiro. Alfa, v. 51, n. 1, São Paulo, p. 189-222, 2007.

SEARLE, J. R. Os actos de fala: um ensaio de Filosofia da Linguagem. Trad. C. Vogt. Coimbra: Almedina, 1984. (Col. Novalmedina, 12).

SILVA, J. R. Intensificação do verbo e mudança construcional. Soletras. n. 37, p. 224-245, 1º sem., 2019.

SOUZA FILHO, D. M. A Teoria dos Atos de Fala como concepção pragmática de linguagem. Filosofia Unisinos, v. 7, n. 3, p. 217-230, set./dez., 2006.

TOMASELLO, M. Constructing a language: a usage-based theory of language acquisition. Cambridge: Harvard University Press, 2003.

TRAUGOTT, E. C.; DASHER, R. B. Regularity in semantic change. Cambridge: CUP, 2002.

TRAUGOTT, E. C.; TROUSDALE, G. Constructionalization and constructional changes. New York: OUP, 2013.

WIEDEMER, M. L. A regência variável do verbo “ir” de movimento na fala de santa Catarina. Dissertação de Mestrado em Linguística. Florianópolis: UFSC, 2008.

WIEDEMER, M. L.; OLIVEIRA, M. R. (Orgs.). Novos encaminhamentos teórico-metodológicos da Linguística Funcional Centrada no Uso. Soletras, n. 37, 1º sem., 2019.

YACOVENCO, L. C.; SCARDUA, J. R. A variação pronominal de segunda pessoa: contribuições da sociolinguística para o ensino de língua portuguesa. Working Papers em Linguística, v. 18, n. 2, p. 171-191, Florianópolis: UFSC, ago./dez., 2017.

Downloads

Publicado

2020-07-28