Teorizações cognitivas sobre o processamento da leitura: contribuições das neurociências

Josa Coelho da Silva Irigoite

Resumo


As recentes descobertas das neurociências vêm respondendo muitas questões sobre a biologia do homem que o deixam apto para a aprendizagem da leitura e da escrita. As teorizações do psicólogo cognitivista Stanislas Dehaene (2012) sobre o ato de ler são exemplos disso e podem contribuir para as atividades escolares de leitura, sobretudo na fase de alfabetização. Esta resenha traz as principais descobertas desse estudioso, apresentadas na obra recém traduzida no Brasil, Os neurônios da leitura: como a ciência explica a nossa capacidade de ler. Nesse trabalho, o autor esmiúça o “mágico” processo da leitura, desde a decodificação até a atribuição de sentidos, trazendo a hipótese da reciclagem neuronial para explicar a aprendizagem dessa habilidade. Além disso, aponta uma região específica da leitura no cérebro, a occípito-temporal ventral esquerda, e descreve detalhadamente as características da leitura bem como o mecanismo cerebral em tal processo. Trata-se de um estudo cognitivo completo e detalhado sobre o processo da leitura, que merece ser conhecido pelos professores que trabalham com leitura em sala de aula, sobretudo os alfabetizadores.

 


Palavras-chave


Cognitivismo; Leitura; Neurociências

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8420.2012v13n3p106

Working Papers em Linguística, ISSN 1984-8420, Florianópolis (Santa Catarina), Brasil

 

CC-by-NC icon
Esta obra está licenciada sob licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.