Olhar, escrever com olhos nômades, ou uma reação ao disfarce ovo

Livia Chede Almendary

Resumo


Clarice Lispector constrói heterotopias com as palavras e, com sua escritura, multiplica e potencializa os sentidos do mundo. Flerta com o discurso psicanalítico sem deixar-se capturar por ele: transforma o desejo em espaço potente, cambiante. Diante de sua adoração possessiva pelo ovo – objeto que percorre muitos de seus textos como metáfora da própria escritura –, a única maneira de não discipliná-lo (e matá-lo) é, incessantemente, disfarçá-lo.


Palavras-chave


Literatura Brasileira; Clarice Lispector; Psicanálise; Biopolítica

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2176-8522.2009n9p26



outra travessia, eISSN 2176-8552, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

CC-by-NC icon
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.