Uma travessia de discursos e de afetos: sobre as Cartas Portuguesas

Renata Farias de Felippe, Marta Inês Arábia

Resumo



As Cartas portuguesas, texto de autoria polêmica e de trajetória peculiar, constituem urn paradigma que questiona o binarismo masculino/feminino nos debates sobre os Gêneros. Isto se deve em grande parte pelo valor anacrônico das Cartas, característica que faz do texto 'uma marca fundadora'. Logo, se afirmarmos que a autoria é uma função, uma função pode ter urn gênero? A linguagem é um tecido, um capilar múltiplo e justaposto, um tecido difuso onde o leitor, cuja mirada jamais é distraída, é quem recorta o objeto, "o texto" com o seu olhar. Sabemos que houve sujeito porque há texto. Texto como marcas, como palimpsesto. Falar em termos de verdades, em se tratando de urn texto ficcional, tem como conseqüência deixar de lado a idéia de "verdade fática" em favor de "a verdade ficcional".



Palavras-chave


Travessia; Anacronismo; Entrelugar

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2176-8552.2010n6p167



outra travessia, eISSN 2176-8552, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

CC-by-NC icon
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.