Teatralidades da linguagem e poesia contemporânea

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2176-8552.2018n25p17

Palavras-chave:

Poesia contemporânea, Teatralidades de linguagem, Paula Glenadel, Nathalie Quintane

Resumo

Este artigo pretende discutir os processos de nomeação operados pela escrita contemporânea, especialmente, no trabalho de duas poetas, Paula Glenadel e Nathalie Quintane, em seus livros respectivamente, A fábrica do feminino (2008) e Chaussure (1997). Serão tomados em consideração nesta reflexão os gestos que formulam definições, aplicam atributos, criam tropismos e, simultaneamente, os desconstroem, na medida que colocam o próprio processo de nomeação em xeque nessa experiência de escrita. Com isso, se estabelece uma relação entre voz (querer dizer) e linguagem (ser obrigado a dizer) que implica o enfrentamento de uma das formulações mais radicais da poesia moderna, a saber, reelaborar a relação entre a escrita da poesia – do verso – e a produção de um pensamento que se mantenha ético. Esse processo de nomeação e renomeação será denominado aqui de teatralidades da linguagem.

Biografia do Autor

Susana Scramim, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora Titular de Teoria Literária do Departamento de Língua e Literatura Vernáculas da UFSC. Pesquisadora Produtividade CNPq 1-D.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Estâncias. A palavra e o fantasma na cultura ocidental. Tradução de Selvino Assman. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2007.

ANTELO, Raúl. A poesia não pensa (ainda). In: SCRAMIM, Susana (Org.) Alteridades na poesia contemporânea. Riscos, aberturas, sobrevivências. São Paulo: Iluminuras. 2016.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama barroco alemão. Tradução de Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1984.

GLENADEL, Paula. Nathalie Quintane. Ciranda de Poesia. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2012.

GLENADEL, Paula. A fábrica do feminino. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2008.

GLENADEL, Paula. Do pé à dança: Chaussure, de Nathalie Quintane. In: SÜSSEKIND, Flora; DIAS, Tânia; AZEVEDO, Carlito. Vozes femininas. Gênero, mediações e práticas de escrita. Rio de Janeiro: 7Letras: Fundação Casa Rui Barbosa, 2003.

BATAIILE, Georges. La conjuración sagrada: ensayos 1929-1939. Buenos Aires: Adriana Hidalgo, 2003.

GROYS, Boris. The politics of equal aesthetic rights. In: ALLIEZ, Éric; OSBORNE, Peter. Sphers of Action: Art and Politics. Massachusetts, Cambridge: Mit Press, 2013.

KOFMAN, Sara. Lectures de Derrida. Paris: Editions Galilée, 1984.

KOFMAN, Sara. Nietzsche et la métaphore. 2. éd. rev. et corr. Paris: Editions Galilée, 1983

KOFMAN, Sara. Nietzsche et la métaphore. Poétique, v. 5, 1971, Éditions du Seuil, Paris, p. 77-98.

MALLARMÉ, Stéphane. Divagações. Tradução de Fernando Scheibe. Florianópolis: Ed. UFSC, 2002.

MURENA, Hector. La metáfora y lo sagrado. Buenos Aires: El cuenco de la Plata, 2012.

PEIGNOT, Collete. Lo sagrado. Laure. Notas de Georges Bataille y Michel Leiris. Traducción de Julio Azscoaga, 1. Edición. Ciudad de Buenos Aires: Hekht libros.

PEIGNOT, Collete. Écrits de Laure. Texts établi par J. Peignot et le Collectif Change. Paris : Pauvert, 1997.

SISCAR, Marcos. Poesia e crise: ensaios sobre a “crise da poesia” como topos da modernidade. Campinas: Ed. Unicamp. 2010.

Downloads

Publicado

2018-06-29