Memória, imagens, palavras: uma leitura de Magrite à luz da Literatura

Autores

  • Fabricia Walace Rodrigues UnB

DOI:

https://doi.org/10.5007/2176-8552.2018n26p57

Palavras-chave:

memória, mnemotécnica, escrita, tempo, esquecimento.

Resumo

O artigo propõe a leitura da tela A memória (1948), de René Magritte, como uma espécie de compilação das teorias mais importantes da memória. Para tanto, a discussão perpassará cada elemento que compõe a tela – uma fronte em mármore, um guizo, uma folha, uma cortina vermelha e um céu repleto de nuvens – buscando compreender a problematização do conceito de memória proposto pelo autor em imagens. Nesse sentido, temas adjacentes serão colocados em pauta, dentre eles as metáforas da memória mais recorrentes, como a do livro, sobretudo em Dante Aliguieri; a relação entre memória e morte, especialmente no que diz respeito ao trauma, que discutiremos a partir do tratado de retórica clássica Ad Herenium, bem como a própria relação entre passado, presente e futuro, lido aqui de Aristóteles a Lewis Carrol. Nesse sentido, partindo de uma análise comparativa entre a tela e alguns textos literários e teóricos, o artigo se propõe a compreender do que trata a memória para René Magritte.

Palavras-chave: memória; mnemotécnica; escrita; tempo; esquecimento

 

Referências

AD HERENNIUM libri IV. Trad. Harry Caplan. In: The Loeb classical library.London: Willian Heinemann, 1964.

AGOSTINHO, Santo. Confissões. Trad. J. de Oliveira Santos e A. Ambrósio de Pina. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

ALIGHIERE, Dante. “Vita Nova”. In: PIGNATARI, Décio. Retrato do amor quando jovem: Dante, Shakespeare, Sheridan, Goethe. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

ANTUNES, Antonio Lobo. Esplendor de Portugal, Rio de Janeiro: Rocco,1999.

ARISTÓTELES. De Anima. Trad. Maria Cecilia Gomes dos Reis. São Paulo: Ed.34, 2006.

ARISTÓTELES. De memoria et reminiscentia. In: Electronic version from the University of Virginia Library. Disponível em: < http://etext.lib.virginia.edu/etcbin/toccernew2?id=AriMemo.xml&images=images/modeng&data=/texts/english/modeng/pars ed&tag=public&part=all>. Acesso em: 15 jun. 2017.

AUGÉ, Marc. Les formes de l’oubli. Paris: Payot et Rivages, 2001, p.30.

BORGES, Jorge Luis. Obras completas – volume I. Trad. Glauco Mattoso et al. São Paulo: Globo, 1999.

CANETTI, Elias. Auto-de-fé. São Paulo: Cosac & Naif, 2011.

CARROLL, Lewis. Alice: edição comentada. Trad. Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

CARUTH, Cathy (org.). Trauma: explorations in memory. Baltimore and London: Johns Hopkins University Press, 1995. p. 8.

DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva, 2002.

­

DERRIDA, Jacques. A farmácia de Platão. Trad. Rogério Costa. São Paulo: Iluminuras, 3. ed., 2005.

ECO, Umberto. An “Ars Oblivionalis”? Forget it!. PMLA, v. 103, n. 3. (May, 1988), p. 254-260. Disponível em: http://links.jstor.org/sici?sici=0030- 8129%28198805%29103%3A3%3C254%3AAAOFI%3E2.0.CO%3B2-D. Acesso em 23 jan. 2013.

FREUD, Sigmund. Escritos sobre a psicologia do inconsciente. Trad. Luiz Alberto Hanns et al. Rio de Janeiro: Imago, 2007.

GARCIA-ROZA, Luiz Alfredo. Introdução a Metapsicologia Freudiana 2. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 8. ed., 2008. p. 34.

GEBALY, Maged T.M.A El. Milton Hatoum: “Não há tantos tradutores de literaturas de língua portuguesa”. In: Revista Crioula., São Paulo, n. 7, maio 2010.

HALBWACHS, Maurice. Memória coletiva. Trad. Laurent Léon Schaffter. São Paulo: Vértice, 1990.

HATOUM, Milton. Passagem para um certo oriente. In: Remate de Males, Campinas, (13): 1993.

HATOUM, Milton. Relato de um certo Oriente. São Paulo: Companhia das Letras, 2. ed., 2002.

LAPLANCHE, L.; PONTALIS, J.-B. Vocabulaire de la psychanalyse. 5. ed. Paris: PUF, 2007.

MAGRITTE, René. La mémoire. 1948. Óleo sobre tela, 60x50cm.

MANGUEL, Alberto. Lendo imagens. São Paulo: Companhia das Letras, 2001. p. 20.

MONTAIGNE, Michel de. Ensaios. Trad. Sérgio Milliet. São Paulo: Ed 34, 2016

PLATÃO. Diálogos – Teeteto, Crátilo. Trad. Carlos Alberto Nunes. Belém: UFPA, 2001.

PROUST, Marcel. No caminho de Swann. Trad. Mário Quintana. São Paulo: Globo, 2004.

RICOEUR, Paul. Percurso do reconhecimento. Trad. Nicolás Nyimi Campanário. São Paulo: Edições Loyola, 2006.

SHAKESPEARE, William. Rei Lear. Trad. Bárbara Heliodora. Rio de Janeiro: Lacerda, 1998.

SHAKESPEARE, William. Hamlet, Rei Lear, Macbeth. Trad. Bárbara Heliodora. São Paulo: Abril, 2010.

YATES, Frances. A arte da memória. Trad. Flávia Bancher. São Paulo: UNICAMP, 2008.

Downloads

Publicado

2020-09-25

Edição

Seção

Artigos