As heroínas histéricas e vampíricas de Aluísio Azevedo

Autores

  • Hélder Brinate Castro Universidade Federal do Rio de Janeiro / Doutorando de Letras Vernáculas / Professor substituto de Língua Portuguesa e Literatura do CAp-UFRJ https://orcid.org/0000-0002-2644-0827

DOI:

https://doi.org/10.5007/2176-8552.2018n26p77

Palavras-chave:

Gótico, Naturalismo, literatura brasileira

Resumo

Este trabalho objetiva investigar, na prosa naturalista eivada por influxos da poética gótica, a personagem feminina, comumente descrita como vítima da histeria. Reavaliam-se, assim, tanto o Gótico, compreendido como uma poética que consubstancia uma interpretação pessimista do mundo em uma linguagem artística altamente estetizada, quanto o Naturalismo, cuja pretensão objetivo-científica mescla-se com heranças românticas e revela uma desilusão com os avanços científicos. Debruça-se ainda sobre o conto “Músculos e nervos” (1893) e sobre o romance O homem (1887), ambos de Aluísio Azevedo, de forma a analisar as figurações da personagem histérica na literatura brasileira.

Palavras-chave: Gótico; Naturalismo; literatura brasileira

Biografia do Autor

Hélder Brinate Castro, Universidade Federal do Rio de Janeiro / Doutorando de Letras Vernáculas / Professor substituto de Língua Portuguesa e Literatura do CAp-UFRJ

Hélder Brinate Castro é mestre em Letras Vernáculas (Literatura Brasileira) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), bacharel e licenciado em Letras (Português e Literaturas de Língua Portuguesa) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Atualmente, é professor substituto de Língua Portuguesa e Literatura do Colégio de Aplicação da UFRJ e cursa doutorado em Letras Vernáculas (Literatura Brasileira) na UFRJ. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Brasileira e Teoria da Literatura, atuando principalmente nos seguintes temas: literatura brasileira, literatura do medo, literatura gótica, regionalismo, movimentos messiânicos e fanatismo religioso.

Referências

ANOLIK, Ruth Bienstock. Introduction: The Dark Unknown. In. ______; HOWARD, Douglas L. (Eds.). The Gothic other: racial and social constructions in the literary imagination. Jefferson: McFarland & Co., 2004. p. 1-14.

AZEVEDO, Aluísio. Músculos e nervos. In. ______. Demônios. São Paulo: Teixeira & Irmão, 1893. p. 186-193.

AZEVEDO, Aluísio. O cortiço. São Paulo: Martins Editora; Brasília: INL, 1975.

AZEVEDO, Aluísio. O homem. Rio de Janeiro: Tipografia de Adolpho de Castro Silva & Companhia, 1887.

BAGULEY, David. Naturalist fiction; the entropic vision. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 2015.

BOTTING, Fred. Gothic. 2a ed. London: Routledge, 2014.

BRAYNER, Sonia. Naturalismo: uma ficção em crise. In. ______. Labirinto do espaço romanesco: tradição e renovação da literatura brasileira, 1880 a 1920. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; Brasília: INL, 1979. p. 23-50.

CROW, Charles. Jack London’s The Sea Wolf as Gothic Romance. In. SMITH, Allan Lloyd (Org.). Gothick Origins and Innovations. Amsterdam: Rodopi, 1994. p. 123-131.

DELUMEAU, Jean. História do medo no Ocidente; 1300 – 1800. Tradução de Maria Lucia Machado. Tradução de notas de Heloísa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

DOTTIN-ORSINI, Mireille. A mulher que eles chamavam fatal; textos e imagens da

misoginia fin-de-siècle. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.

FRANÇA, Júlio. Introdução. In. _____ (Org.). Poéticas do mal: a literatura do medo no Brasil (1840-1920). Rio de Janeiro: Bonecker, 2017. p. 19-35.

MEIRELES, Alexander. O admirável mundo novo da república velha: o nascimento da ficção científica brasileira no começo do século XX. 2008. 193 f. Tese (Doutorado em Ciência da Literatura) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

MITCHELL, Juliet. Loucos e medusas: o resgate da histeria e do efeito das relações entre irmãos sobre a condição humana. Tradução de Maria Beatriz Medina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

PEIXOTO, Afrânio. A originalidade de Álvares de Azevedo. Revista Nova, São Paulo, ano I, n. 3, 15 set. 1931, p. 355-374.

PEREIRA, Lúcia Miguel. História da literatura brasileira: prosa de ficção: de 1870 a 1920. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1988.

RIBEIRO, Júlio. A carne. São Paulo: Livraria Teixeira, 1896.

SENA, Marina Faria. O Gótico-Naturalismo na literatura brasileira oitocentista. 2017. 99 f. Dissertação (Mestrado em Teoria da Literatura e Literatura Comparada) – Instituto de Letras, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

SODRÉ. Nelson Werneck. O Naturalismo no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965.

STAËL, Mme de. Sobre as literaturas do norte e do meio dia. In: SOUZA, Roberto Acízelo de (Org.). Uma ideia moderna de literatura: textos seminais para os estudos literários (1666-1922). Argos: Rio de Janeiro, 2011. p. 81-83.

STEVENS, David. The Gothic tradition. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

SÜSSEKIND, Flora. Tal Brasil, qual romance?. Rio de Janeiro: Achiamé, 1984.

VASCONCELOS, Sandra. Sentidos do demoníaco em José de Alencar. Ilha do Desterro, v. 62, p. 271-292, 2012.

Downloads

Publicado

2020-09-25 — Atualizado em 2020-10-12

Versões

Edição

Seção

Artigos