Os resíduos e as sombras errantes: a alegria amarga de Natalia Ginzburg

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2176-8552.2019.e73603

Palavras-chave:

Natalia Ginzburg, literatura moderna, experiência, lembrança

Resumo

Este trabalho busca pensar os estatutos que os ausentes e as lembranças ocupam nas narrativas ficcionais da escritora italiana Natalia Ginzburg. Para tanto, a proposta é traçar um percurso que passa pelo desfecho de quatro romances e, assim, lê-los com o amparo de alguns excertos de ensaios da própria autora, fragmentos de Espinosa relativos à falta e à capacidade de desejar e o conceito de experiência de Walter Benjamin. A hipótese de leitura consiste no delineamento da alegria possível em um mundo esvaziado de sentido a qual, diferente de uma felicidade idílica, passa pela ambivalência e na sobrevivência da experiência por meio do trabalho de memória.

Biografia do Autor

Iara Machado Pinheiro, Universidade de São Paulo

Graduada em Comunicação Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e mestre em Letras (Teoria Literária) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atualmente é doutoranda em Letras (Estudos Literários e Culturais) no Programa de Pós-graduação em Letras Estrangeiras e Tradução da Universidade de São Paulo.

Referências

ARÊAS, Vilma. “Ofício de escrever”. In: GINZBURG, Natalia. Caro Michele. São Paulo: Cosac Naify, 2009, p. 159 – 175.

BARTHES, Roland. Journal de deuil. Paris: Éditions du Seuil, 2009

BENJAMIN, W. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. São Paulo: Editora 34, 2002.

BENJAMIN, W. Obra escolhidas: Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985

BENJAMIN, W. Obras escolhidas III: Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Editora Brasiliense, 2000.

CALVINO, Italo. “Natalia Ginzburg o le possilità del romanzo borghese”. In: GINZBURG, Natalia. La voci della sera. Torino: Einaudi, 2015, p. 3 – 11.

CLEMENTELLI, Elena. Invito alla lettura di Natalia Ginzburg. Milano: Mursia editore, 1986.

DIAZ, Brigitte. O gênero epistolar ou o pensamento nômade. São Paulo: Edusp, 2016.

ESPINOSA. Ética. São Paulo: Edusp, 2015.

FELLINI, Federico. Amarcord. Itália, 1973.

GAGNEBIN, Jeanne. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.

GARBOLI, C. “Opere di Natalia Ginzburg”. In: GINZBURG, Natalian. As pequenas virtudes. São Paulo: Cosac Naify, 2015, p. 141 – 147.

GINZBURG, N. Opere, volume primo. Milano: Arnoldo Mondadori Editore, 1986.

GINZBURG, N. As pequenas virtudes. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

GINZBURG, N. Caro Michele. Torino: Giulio Einaudi editore, 2001.

GINZBURG, N. Caro Michele. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

GINZBURG, N. La città e la casa. Torino: Giulio Einaudi editore, 1997.

GINZBURG, N. “Un matrimonio in provincia”. In: Ficções n. 11. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2003.

HAROCHE-BOUZINAC, Geneviève. Escritas epistolares. São Paulo: Edusp, 2016

MAGRINI, Giacomo. “Introduzione”. In: GINZBURG, Natalia. Tutti i nosti ieri. Torino: Giulio Einaudi editore, 1996, p. 5 – 12.

MEIRELES, Cecília. Antologia poética. São Paulo: Global editora, 2013.

MELO NETO, J.C. Museu de tudo. Rio de Janeiro: Alfaguara, 2009.

SHAKESPEARE, W. A tragédia de Macbeth. Florianópolis: Editora da UFSC, 2016.

Downloads

Publicado

2021-02-25