Carl Einstein editor de contos e lendas - todos os caminhos levam à África

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2176-8552.2021.e84483

Resumo

Apresentação concernente a movimentos que perfazem as narrativas tradicionais africanas. Essa ficção e esse imaginário em mobilidade desempenham papel fundamental na constituição da cultura brasileira.  Este ensaio estuda a metodologia e as estratégias eleitas pelo escritor judeu alemão Carl Einstein (1885-1940),  na transcriação dos contos e lendas africanos à língua alemã e na respectiva edição da coletânea Afrikanische Märchen und Legenden (1925). A título de ilustração, apresentamos no final a tradução ao português de alguns dos contos africanos que a integram. Editor também de várias revistas modernistas, colaborou, entre outras, com Die Aktion, Der blutige Ernst, Pleite, Die Opale, Zenit e, de 1929 a 1931, dirigiu a Documents de Paris, editando-a com George Bataille, Georges Henri Rivière e Michel Leiris, revista em que ele concretizou a guinada antropológica de suas pesquisas. Dentro de sua obra, importa salientar Plástica Negra [Negerplastik] e A Arte do Século 20. 

Biografia do Autor

Maria Aparecida Barbosa, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil

Professora Associada do DLLE-Alemão

Membro do colegiado da Pós-Graduação em Literatura e da 

Pós-Graduação em Estudos da Tradução

Referências

ADIAFFI, Jean-Marie. “Le pluriethnisme est une richesse si les gens n'ont pas honte de parler leur langue”. Africultures, n. 56, v. 3, 2003, p. 74-77. Disponível em: http://africultures.com/le-pluriethnisme-est-une-richesse-si-lesgens-nont-pas-honte-de-parler-leur-langue-3101/. Acesso em: 21 jan. 2021.

CALIL, Carlos Augusto. “Preto no Branco”. In: CENDRARS, Blaise. Pequenos contos negros. Ilustrações Lygia Rocco, tradução Priscila Figueiredo. São Paulo: Edições SM, 2014, p. 7-13.

COTTIER, Christine Le Quellec. “Blaise Cendrars et Carl Einstein”. In: WAGNER, Birgit. CHEMINEAU, Manuel. Feuille de routes. Bulletin de L'Association Internationale Blaise Cendrars. n° 52, automne 2014.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. Tradução Miriam Chnaiderman e Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Perspectiva, 2004.

EINSTEIN, Carl (editor). Afrikanische Märchen und Legenden. Bremen: ELV, 2013.

EINSTEIN, Carl. Afrikanische Märchen und Legenden. Hamburg: Fischer Taschenbuch Verlag, 2014.

EINSTEIN, Carl. Documents: 1929 / Carl Einstein; tradução Takashi Wakamatsu. Desterro [Florianópolis]: Cultura e Barbárie, 2016.

ÉLOI, Ficquet et GALLIMARDET, Lorraine, “On ne peut nier longtemps l’art nègre”, Gradhiva, 10, 2009. Disponível em : http://journals.openedition.org/gradhiva/1560.

EULALIO, Alexandre. A Aventura brasileira de Blaise Cendrars: ensaio, cronologia, filme, depoimentos, antologia, desenhos, conferência, correspondência, traduções /Alexandre Eulalio. - 2. Ed. rev. e ampl. por Carlos Augusto Calil. São Paulo: Editora da USP : Fapesp, 2001.

GOMES, Laurentino. “Infelizmente, a história da escravidão é contada por pessoas brancas”. In: DMT, de 04.12.2019. Disponível em: http://www.dmtemdebate.com.br/laurentino-gomes-infelizmente-a-historia-da-escravidao-e-contada-por-pessoas-brancas/. Acesso em: 21 jan. 2021.

GUIMARÃES, Ruth. Contos negros. São Paulo: Faro editorial, 2020.

HAUSENSTEIN, Wilhelm. “Negerplastik”. In: MÄRZ. Eine Wochenzeitschrift. 9 1915, Band 3-4. p. 102-104. Disponível em: archiv.org. Acesso em: 07 set. 2020.

HUEBNER, Friedrich Markus. “Und Afrika sprach”. In: Die Schaubühne, 11 (1915), p. 458-9. Disponível em archiv.org Acesso em 07/09/2020.

KIEFER, Klaus H. Diskurswandel Im Werk Carl Einsteins. Ein Beitrag zur Theorie und Geschichte der europäischen Avantgarde. Tübingen 1994. Überarbeitete Fassung, 2015.

MEINHOF, Carl. Die Christianisierung der Sprachen Afrikas. Basel: Bassler Missionsstudien, 1905.

MEMMI, Albert. Retrato do colonizado precedido do retrato do colonizador. Tradução de Marcelo Jacques de Moraes, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

RAUTERBERG, Hanno. “Ab ins Museum!”. In: Die Zeit, 20. August 2020.

ROLAND, Hubert. Die deutsche literarische “Kriegskolonie” in Belgien, 1914-1918. Bern; Berlin; Frankfurt/M.; New York; Paris; Wien: Lang, 1999.

ROTHENBERG, Jerome. Etnopoesia no milênio. Tradução de Luci Collin. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2006.

Downloads

Publicado

2022-03-08