Proposta de indicadores de cooperação na gestão compartilhada de resíduos sólidos

Greg Jordan Alves Silva, Hiáscar Fialho Pessali

Resumo


A Política Nacional de Resíduos Sólidos (BRASIL, 2010) orienta que governos, empresas e sociedade civil se responsabilizem cooperativamente pelos planos de gerenciamento. Nesse sentido, o trabalho que segue tem como intuito propor um instrumento integrado de avaliação para mensurar e classificar o grau de cooperação entre atores envolvidos na gestão compartilhada de resíduos sólidos. Baseando-se num cruzamento entre a literatura sobre cooperação na gestão pública e os debates teóricos e legais sobre a questão dos resíduos sólidos, foram elaborados 19 indicadores divididos em quatro dimensões da cooperação: cognitiva, operacional, relacional e político-institucional, utilizáveis tanto para avaliação em níveis locais de gestão (municípios, microrregiões, etc.) quanto para avaliação dos responsáveis (atores governamentais, atores sociais e atores econômicos). Os indicadores propostos fornecem aos gestores uma visão mais clara sobre a estrutura de gestão compartilhada de resíduos sólidos, permitindo que possam ser planejadas ações pontuais a fim de garantir a parceria entre os setores.


Palavras-chave


Cooperação; Gestão Compartilhada; Resíduos Sólidos; Indicadores

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABRUCIO, F.L; FILIPPIN, E. S.; DIEGUEZ, R. C. Inovação na cooperação intermunicipal no Brasil: a experiência da Federação Catarinense de Municípios (Fecam) na construção de consórcios públicos. Revista de Administração Pública, v.47 n.6, pp. 1543–568, 2013. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/13987/12873

AXELROD, R. La evolución de la cooperación In: AXELROD, R. La evolución de la cooperación: el dilema del prisionero y la teoria de juegos. Madrid: Alianza, 1986.

BRANDÃO, E. J; OLIVEIRA, J.G. A Logística Reversa como instrumento da gestão compartilhada na atual Política Nacional de Resíduos Sólidos. Revista do Curso de Direito da UNIABEU, v.2 n.2, pp. 19-36, 2012. Disponível em: http://www.uniabeu.edu.br/publica/index.php/rcd/article/view/952

BRASIL, (2010) Lei nº 12.305, de 2 de Agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 e dá outras providências. Brasilia: Palácio do Planalto, 2015.

COSTA, F. L.; CASTANHAR, J. Avaliação de programas públicos: desafios conceituais e metodológicos. Revista de Administração Pública, v. 37 n. 22, pp.969–992, 2003. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/6509/5093

DAHL, R. A. Poliarquia: Participação e Oposição. São Paulo: EDUSP, 1997.

DEMAJOROVIC, J. ; BESEN, G. R. ; RATHSAM, A. A. Gestão compartilhada de resíduos sólidos face à lógica de mercado. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM AMBIENTE E SOCIEDADE, 2004, Indaiatuba. I, Anais. Indaiatuba: ANPPAS.

FLEURY, S.; OUVERNEY, A. M. Gestão de redes: a estratégia de regionalização da política de saúde. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

HAWKINS, C. Competition and cooperation: local government joint ventures for economic development. Journal of Urban Affairs, v. 32 n. 2, pp. 253-275, 2010. doi: 10.1111/j.1467-9906.2009.00492.x

HEBER, F.; SILVA, E. M. da. Institucionalização da Política Nacional de Resíduos Sólidos: dilemas e constrangimentos na Região Metropolitana de Aracaju (SE). Revista de Administração Pública , v. 48 n. 4, pp. 913-937. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rap/v48n4/a06v48n4.pdf.

INSTITUTO ETHOS. Política Nacional de Resíduos Sólidos: Desafios e Oportunidades para as Empresas. São Paulo, 2012.

JANNUZZI, P.D.M. Indicadores para Diagnóstico, Monitoramento e Avaliação de Programas Sociais no Brasil. Revista do Serviço Público, v.56 n.2, pp.137–160, 2005. Disponível em: http://camara.fecam.org.br/uploads/28/arquivos/4054_JANUZZI_P_Construcao_Indicadores_Sociais.pdf

KOLK, A. From conflict to cooperation: international policies to protect the Brazilian Amazon. World Development, v.26, n.8, pp.1481-93, 1998. doi: 10.1016/S0305-750X(98)00062-X.

LUNDIN, M. When Does Cooperation Improve Public Policy Implementation? The Policy Studies Journal, v. 35 n. 4, 2007a. doi: 10.1111/j.1541-0072.2007.00240.x.

LUNDIN, M. Explaining cooperation: how resource interdependence, goal congruence, and trust affect joint actions in policy implementation. Journal of Public Administration Research and Theory, v.17, n.4, pp.651–672, 2007 (b).

MATTIA, C.; ZAPPELLINI, M. Ética e coprodução de serviços públicos: uma fundamentação a partir de Habermas. Cadernos EBAPE, v.12, n.3, pp. 573 589, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512014000300003.

MATUDA, C.; AGUIAR, D. M. L; FRAZÃO, P. Cooperação interprofissional e a Reforma Sanitária no Brasil: implicações para o modelo de atenção à saúde. Saúde e Sociedade v.22, n.1, pp.173-86, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902013000100016.

MINAYO, M.C.D.S. Construção de indicadores qualitativos para avaliação de mudanças. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 33(supl. 1), pp. 83–91, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-55022009000500009&script=sci_abstract&tlng=pt.

MOREIRA, D. A. Responsabilidade ambiental pós-consumo: prevenção e reparação de danos à luz do princípio do poluidor-pagador. Tese (Doutorado em Direito da Cidade), Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2008.

MOTTA, F. C. P.; VASCONCELOS, I. F. G. Teoria geral da Administração. 3 ed. São Paulo: Thomson, 2006.

MUNHOZ, W.A.; FERREIRA, A.A. A cooperação em rede como fator de eficácia organizacional na gestão da coleta de resíduos sólidos domiciliares no município de Santo André. Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 26, pp. 199–214, 2012. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/made/article/view/27080/19680.

ORSI, R. A. Gestão participativa dos resíduos sólidos urbanos. 136 f. Dissertação (Mestrado em Geografia)- Universidade Estadual Paulista. Rio Claro, 2006.

RIBEIRO, R. de M.; SALM, J.; MENEGASSO, M. E. Co-produção do bem público e o desenvolvimento da cidadania: o caso do PROERD em Santa Catarina. Revista Alcance, v.14, n. 2, pp. 231–246, 2007. Disponível em: http://siaiap32.univali.br/seer/index.php/ra/article/view/106/84

RING, P.S.; VAN DE VEN, A.H. Developmental processes of cooperative interorganisational relationships. Academy of Management Review, v.19, n.1, pp. 90–118, 1994.

ROCHA, C.V.; FARIAS, C.A.P. de. Cooperação intermunicipal, reterritorialização da gestão pública e provisão de bens e serviços sociais no Brasil contemporâneo: a experiência dos Consórcios de Saúde de Minas Gerais. Cadernos Metrópole, v.11, n.1, pp. 73–105, 2004. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/metropole/article/view/8815/6536.

ROMANI, A. P. de; SEGALA, K. Planos de resíduos sólidos: desafios e oportunidades no contexto da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Rio de Janeiro: IBAM, 2014.

SANTIAGO, L.S.; DIAS, S.M.F. Matriz de indicadores de sustentabilidade para a gestão de resíduos sólidos urbanos. Engenharia Sanitária Ambiental, v.17, n.2, pp. 203–212, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/esa/v17n2/a10v17n2.pdf.

SMITH, K. G; CARROLL, S. J.; ASHFORD, S. J. Intra- and interorganizational cooperation: Toward a research agenda. Academy of Management Journal, v. 38, pp. 7–23, 1995.

SOUZA, C. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, v. 16 n. 1, pp. 20-45, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-45222006000200003 .

WEISS, J. Pathways to Cooperation among Public Agencies. Policy Analysis and Management, v.7, n.1, pp. 94–117, 1987.

WHITAKER, G.P. Coproduction: Citizen Participation in Service Delivery. Public Administration Review, v.40, n.3, pp. 240–246, 1980. doi: 10.2307/975377.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8077.2018V20nespp63

Revista de Ciências da Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Administração, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Para entrar em contato com a equipe editorial da Revista RCA, encaminhe um e-mail para rca.cse@contato.ufsc.br

ISSNe 2175-8077    ISSN 1516-3865

Licença Creative Commons
This obra is licensed under a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.