Condições para coprodução e inovação aberta: um estudo no ecossistema brasileiro de dados governamentais abertos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8077.2019.e59728

Palavras-chave:

Coprodução, Dados Abertos, Governo, Inovação, Tecnologia da Informação e Comunicação.

Resumo

Os desafios impostos pelas sociedades atuais superam a capacidade dos governos que, com diversas restrições, devem descobrir formas inovadoras de oferecer serviços e/ou produtos de melhor qualidade. Entre as principais soluções apontadas destaca-se a possibilidade da utilização das Tecnologias de Informação e Comunicação, destacando-se iniciativas de governo aberto e dados abertos, promovendo maiores possibilidades de inovação aberta. Assim, este trabalho teve como objetivos identificar fatores capazes de promover a coprodução em iniciativas de dados abertos e os elementos necessários para o processo de inovação aberta. Para atender estes objetivos foram realizadas entrevistas com atores do ecossistema brasileiro de dados abertos. Os resultados demonstram que existem alguns fatores, como aproveitamento da inteligência coletiva e a participação social, que podem motivar a coprodução, fator essencial para o processo de inovação aberta. Também foram identificados incentivos expressivos e solidários, que podem motivar o cidadão (sociedade) a promover maior interação com os governos.

Biografia do Autor

Cláudio Sonáglio Albano, UNIPAMPA - Universidade Federal do Pampa

Graduação Administração Empresas/URCAMP, 1986. Especialista em Ciências da Computação,
PUC/RS - Porto Alegre, 1992. Mestre em Administração de Empresas, área S istemas de I nformação
UFRGS , 2001 e D outor em Administração pela FEA\US P em 2014, com estágio sanduíche na
Universidade Estadual de Nova York (EUA), no Centro Tecnologia para Governo (CTG, Albany).
Professor da Universidade Federal do Pampa, campus Bagé. Tem experiência na área de Ciência da
I nformação, com ênfase em Teoria Geral da I nformação, atuando principalmente nos seguintes
temas: estratégia organizacional; tecnologia da informação e sistemas de informação, em especial,
relacionados com governos. 

Walter Leaes Júnior, UNIPAMPA - Universidade Federal do Pam pa

Graduado e Mestre em Administração de Empresas

Referências

Albano, C. S., Craveiro, G. S. (2017). Open data intermediaries: coproduction in budget transparency", Transforming Government: People, Process and Policy, Vol. 11 Issue: 1, pp.119-131, https://doi.org/10.1108/TG-12-2015-0057

Albano, C. S., Reinhard, (2015). N. Desafios para governos e sociedade no ecossistema brasileiro de dados governamentais abertos (DGA). Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 20, n. 67, Jul./Dez.

Alford, J. (2002). Why do Public-sector clients coproduce? Toward a contingency theory. Administration & Society, v. 34, n. 1, p. 32-56.

Bardin, L. (2002). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bier, C. A., Schmetz, L. C., Bousfield, R., Feuerschutte, S. G. (2009). A Co-Produção do Bem Público e a Mobilização para a Cidadania: uma Experiência de Implementação de um Novo Paradigma de Democracia Participativa. XXXIII EnANPAD, São Paulo, SP, 19 a 23 de setembro.

Chesbrough, H. (2003a). The era of open innovation. MIT Slogan Management Review, v 44, n. 3, 33-41.

Chesbrough, H. (2003b). Open Innovation The New Imperative for Creating and Profiting from Technology. Harvard business school press Boston, Massachusetts.

Clabo, N.; Ramos-Vielba, I. (2015). Reutilización de datos abiertos en la administración pública en España y uso de licencias-tipo. Revista Española de Documentación Científica, 38 (3): e097, doi: http://dx.doi.org/10.3989/redc.2015.3.1206.

Costa, E. S., Castro, D. S. P., Cappellozza, A. (2014). Adoção e Uso de Portais de Governo Eletrônico no Ambiente do Sistema Nacional de Ciência e Tecnologia e Inovação: um estudo baseado no modelo UTAUT. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa (RECADM). V. 13. N. 3. 9. 286-300. Set-Dez. doi: 10.5329/RECADM.2014019.

Creswell, J. W. (2009). Projeto de pesquisa. Método qualitativo, quantitativo e misto. 3ª edição. Porto Alegre: editora Artmed, 2009.

Daglio, M.; Gerson D.; Kitchen H. (2015). Building Organisational Capacity for Public Sector Innovation, Background Paper prepared for the OECD Conference Innovating the Public Sector: from Ideas to Impact, Paris, 12-13.

Declaração de Governo Aberto. (2011). Brasília, DF, Brasil, Set. 2011. Disponível em <http://www.governoaberto.cgu.gov.br/central-de-conteudo/documentos/arquivos/declaracao-governo-aberto.pdf>. Acesso em janeiro de 2017.

Ferreira, G. D. (2017). O papel dos Hackathons promovidos no setor público brasileiro: um estudo na perspectiva de inovação aberta, citizen-sourcing e motivação dos participantes. Dissertação de Mestrado. Universidade de Brasília/UNB. Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Gestão de Políticas Públicas. Programa de Pós-graduação em Administração.

Ferreira, G. D., Farias, J. S., Moreira, M. F., Soares, G. F. (2016). Citizen-sourcing e inovação aberta no setor público: um panorama da publicação atual e perspectivas futuras. XL Encontro da ANPAD, 25 a 28 de setembro de 2016. Costa do Sauípe, Bahia/Brasil.

Freitas, R. K. V., Dacorso, A. L. R. (2014). Inovação aberta na gestão pública: análise do plano de ação brasileiro para a Open Government Partnership. Revista Administração Pública. Rio de Janeiro 48(4):869-888, jul./ago.

Gascó-Hernández, M, E. G. Martin, L. Reggi, S. Pyo, and L.F. Luna-Reyes. (2017). Citizen Co-production through Open Data: Cases of Citizen Training and Engagement. In Proceedings of dg.o '17, Staten Island, NY, USA, June 2017, 2 pages. DOI: 10.1145/3085228.3085252.

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. Edição. São Paulo: Atlas..

Gonçalves, R. K., Oliveira, J. M. (2016). Inovação na Administração Pública: Análise das experiências premiadas no concurso inovação na gestão pública federal nos anos

-2014. I Congresso Nacional de Mestrados Profissionais em Administração Pública. Dezembro. Curitiba, Paraná/Brasil.

Gustaf J., Anders H., Paul J., Daniel R. (2014). Is the Public Motivated to Engage in Open Data Innovation?. 13th International Conference on Electronic Government (EGOV), Sep 2014, Dublin, Ireland. pp.277-288, 10.1007/978-3-662-44426-9_23. hal-01401751.

Harrison, T. M., Pardo, T. A., Cook, M. (2012). Creating Open Government Ecosystems: A Research and Development Agenda Future. Internet, n. 4, p. 900-928, 2012. Disponível em: <http://www.mdpi.com/1999-5903/4/4/900/htm>. Acesso em março de 2017.

Hughes, A., Moore, K., Kataria, N.(2011). Innovation in Public Sector Organisations: A pilot survey for measuring innovation acrhe public sector. Londres. Disponível em: <http://pdfs.semanticscholar.org/c3b3/25e214c2fd40762ab91b40574d2e15c2fd72.pdf>. Acesso em janeiro de 2017.

Janssen, M., Charalabidis, Y,. Zuiderwijk, A. (2012). Benefits, Adoption Barriers and Myths of Open Data and Open Government. Information Systems Management, vol. 2, n. 4.p. 258–268.

Lee, M., Almirall, E., Wareham, J. (2016). Open Data and Civic Apps: First-Generation Failures, Second Generation Improvements. Communications of the ACM. v 59, n 1. New York, NY.

Lindegaard, S. (2011). A revolução da inovação aberta: princípios básicos, obstáculos e habilidades de liderança. São Paulo, Évora.

Linders, D. (2012). From e-government to we-government: Defining a typology for citizen coproduction in the age of social media. Government Information Quarterly, 29(4), p. 446–454.

Morais, F. R., Santos, J. B. (2015). Refinando os conceitos de cocriação e coprodução: resultados de uma crítica da literatura. E&G Economia e Gestão, Belo Horizonte, v. 15, n. 40, Jul./Set.

OECD. (2005). Organization for Economic Co-operation and Development. Oslo manual: guidelines for collecting and interpreting innovation data. 3ª ed. European Comission: OECD. Disponível em: < http://www.finep.gov.br/images/apoio-e-financiamento/manualoslo.pdf>. Acesso em fevereiro de 2017.

Open Data Institute (2015) Open data means business: UK innovation across sectors and regions. London, UK. Disponível em http://theodi.org/ open-data-means-business-uk-innovation-sectors-regions. Acesso em março de 2018.

Pollock, R. (2011): Building the (open) data ecosystem. Disponível em: http://blog.okfn.org/2011/03/31/building-the-open-data-ecosystem/. Acesso em agosto de 2017.

Rêgo, M. C. B. (2015). Inovação em serviços de justiça: os efeitos da coprodução nos resultados da Conciliação Judicial no TJDFT. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade de Brasília, Brasília. Disponível em: <http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/20305/1/2015_MarianaCarolinaBarbosaR%C3%AAgo.pdf>. Acesso em março de 2017.

Rondon. T. (2014). Dados Abertos é Inovação, além de Transparência. Disponível em:

http://www.secom.gov.br/atuacao/comunicacao-digital/arquivos-capacitacao/dados-abertos-inovacao-thiagorondon.pdf/view. 2014. Acesso em junho de 2017.

Silva, M. V. G., Ribas, J. A. N., Meza, M. L. F. G. (2016). Inovação nas Organizações Públicas: análise das ações premiadas pela Enap. I Congresso Nacional de Mestrados Profissionais em Administração Pública de 08 a 09 de dezembro de 2016. Curitiba, PA.

Silva, T. S., Lima, A. A. T. F. C., Gomide, C. S. A. (2017). Inovação na Administração Pública: Um Meta Estudo dos Anais do Enanpad. Revista Capital Científico - Eletrônica, v. 15, n. 1, p. 1-19.

Tapscott, D., Willianms, D. A. (2006). Wikinomics: Como a Colaboração em Massa pode Mudar o Seu Negócio. Rio de Janeiro. Editora: Nova Fronteira. .

Temiz S., Brown T. (2018) Open Data Innovation, What are the Main Issues/Challenges for Open Data Projects in Sweden: An Abstract. In: Krey N., Rossi P. (eds) Back to the Future: Using Marketing Basics to Provide Customer Value. AMSAC. Developments in Marketing Science: Proceedings of the Academy of Marketing Science. Springer, Cham

Trott, P. (2012). Gestão da Inovação e desenvolvimento de novos produtos. 4 ed. Porto Alegre: Bookman,

Verhulst, S., Young, A. (2016). Open Data impact, when demand and supply meet. Key finding of the open data Impact case studies. Disponível em: <http://odimpact.org/static/files/open-data-impact-key-findings.pdf> Acesso em fevereiro de 2017.

Yin, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2.ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

W3C. Manual dos Dados Abertos: governo. (2011). Traduzido e adaptado de http://opendatamanual.org. Brasil. Disponível em: <http://www.w3c.br/pub/Materiais/PublicacoesW3C/Manual_Dados_Abertos_WEB.pdf>. Acesso em: 20 de jan. 2017.

Whetten, D. A. (2003). O que Constitui uma Contribuição Teórica?. RAE-Revista de Administração de Empresas, 43(3), 69-73.

Downloads

Publicado

2019-08-14

Edição

Seção

Artigos